5.6.17

Lunia


Amedeo Modigliani


Sonhei toda a noite com barcos.

Apetece-me deixar as roupas
tombadas na cadeira
e ir procurar os verões da infância,
com navegações alvoroçadas.

Apetece-me circum-navegar
a mais remota distância
na infinidade do universo.

Apetece-me ser gémea de aves
matinais a desvendar alvoradas,

para que as minhas mãos
não comecem a gretar
quando um barco se afasta dos meus olhos.

Graça Pires
De Fui quase todas as mulheres de Modigliani, 2017

62 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Excelente!! Amei

Beijo e uma excelente semana.

✿ chica disse...

Maravilhoso poema,Graça! Adorei! bjs, linda semana,chica

Ana Paula disse...

Ah Graça! Ser gêmea de ave e desvendar alvoradas...
Como nos faz bem ler-te!
Beijo e boa semana.

Marta Vinhais disse...

E deixar que o mar fale... nos faça cúmplice.... e escreva em nós histórias....
Lindo como sempre...
Obrigada pela partilha.
Beijos e abraços
Marta

P.S.: Lamento não ter ido ao lançamento do livro na 6ª Feira, mas tive um pequeno problema de saúde que já está resolvido.

As Mulheres 4estacoes disse...

Os verões da infância... onde a liberdade, ingenuidade e alegria, estavam sempre presente nos meus dias.
Um abraço

Célia Rangel disse...

Estar, ser e ficar com naturalidade - eis a questão primordial para vivermos bem!
Abraço.

Emília Pinto disse...

Somos várias mulheres a cada instante que passa, seres humanos que mudam constantemente acompanhando a mudança natural de cada novo começar; não há instantes iguais e este, precisamente, torna- me, com toda a certeza numa pessoa diferente ao ler este belo poema
Esperamos a cada amanhecer que a vida não se tenha esquecido de nós e que à nossa espera esteja aquele barquinho pronto a levar-nos para mais uma travessia neste mar que nem sempre está calmo; tem marés, como a vida e o que pedimos sempre é que o barco se segure e que nos traga sãos e salvos ao nosso porto de abrigo, mesmo que, por uma ou outra onda mais furiosa, cheguemos despidos de alguma roupagem; o que não queremos é que nessa fúria momentânea, tenha ficado a esperança de uma noite serena e de um novo amanhecer num mar calmo, com as marés que lhe são próprias e à nossa espera, lá no cais, o nosso aconchegante porto de abrigo.
Graça, fiquei contente por saber que correu tudo bem e que a festa foi linda. Com toda a certeza esse barquinho seguirá um caminho de sucesso neste mar que se quer cada vez menos turbulento. Parabéns e desculpe a ousadia de ter entrado neste seu barco repleto de belas palavras e nelas ter misturado as minhas, sem pedir licença.
Um beijinho e, de certeza uma mulher diferente, voltarei outras vezes.
Emilia

Meus Traços e Linhas disse...

Bonitos e profundos versos, gosto de ler versos assim consistente, enxutos. Abraços!

Laura Ferreira disse...

que bonito, Graça.
e eu que tentei de tudo para ter lá ido mas não consegui...

uma boa semana

beijinho

Mar Arável disse...

Faz o que te apetece
sem muros nem amos
Bjs amigos

Ives disse...

Linda poesia! Amei o quadro do Amadeo Modigliani. abraço

Lídia Borges disse...


Belo, belo...!

Beijo meu

Lídia

José Carlos Sant Anna disse...

Apetece-me sorver a delicadeza do teu poema
numa longa tarde de sonhos altos...

Um boa semana para ti, Graça!



Victor Barão disse...

A poesia literalmente a embalar-nos a Alma.
"...os Verões da infância..."; "...Apetece-me ser gémea das aves..."; "...circum-navegar a mais remota distância na infinidade do universo...".
Tudo muito bom, um verdadeiro hino à liberdade de sonhar!
Excelente semana
Beijo

Vanessa disse...

Olá!! Vi o blog e gostei muito!! que texto maravilhoso, palavras que nos tocam.
Tenha uma ótima semana!!

Franziska disse...

Delicado, bello y muy atractivo es el texto de este poema. Mi felicitación y admiración por dser la autora de tales versos. Que la luz de la inspiración esté siempre con usted. Afectuosamente. Franziska

Eu e minhas plantinhas /Simone Felic disse...

Olá
Nos apetece nunca deixar de ser criança.
Bjs

http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

Franziska disse...

Es cierto que cuanto antes descubramos a quien nos ha de fallar, menos duro será para nosotros. La música es muy atractiva y, al mismo tiempo, está llena de una gran tensión emocional. Saludos muy afectuosos y cordiales. Franziska

AvoGi disse...

Eu tb ando a sonhar com barcos. Já folheei o livro dos cruzeiros
Kis :=}

Luis Eme disse...

Que belo sonho...

abraço Graça

Isa Sá disse...

Bonito poema!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Um belo poema, gostei bastante e está muito bem ilustrado.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Chic' Ana disse...

Um poema muito bonito! =)
Beijinhos

OUTONO disse...

Um livro maravilhoso.
Boa continuidade!

Daniel Costa disse...

Graça Pires

De repente lembrei, como é interessante viajar de barco, no alto bar, onde além da água, apenas céu e nada mais. As aves, estão em terra.
Bjs

Bell disse...

Gostei, barcos dão sensação de liberdade em meio a imensidão.

bjokas =)

Agostinho disse...

As mãos, as (e)ternas mãos gretadas.
As amarras, os barcos num emaranhado de emoçoes.
Belíssimo sonho: o poema.
Bj.

Cadinho RoCo disse...

O sonhos nos remetem a conclusões sensacionais que incluem o desejo aqui de você daí sintonizar a nossa www.hellowebradio.com ... você.Vem!
Cadinho RoCo

© Piedade Araújo Sol disse...

os barcos!
sempre os barcos, os teus, os meus os deles
os sonhos...e quantas vezes os barcos
à chegada
à partida para a faina

os barcos!

e fez-se sonho e votei à infância ...

:(

Aline Goulart disse...

Apetece-me de ler cada vez mais poesias tuas, poetisa. Os sonhos são inspiradores. Podemos, através deles, concluir muitas coisas sobre nós mesmos.

Beijinhos...

LuísM Castanheira disse...

navegar o olhar
nos barcos
a partir ou a chegar...
e todo o sonho no horizonte das mãos.
muito belo, Amiga.
um beijo, Graça.

O Puma disse...

Que nunca te doam as mãos e a criatividade poética

Sinval Santos da Silveira disse...

Poetisa, muito admirada por mim e por todos, Graça Pires !
Tua alma sempre está embarcada, navegando... como a
beleza destes versos.
Parabéns, querida Escritora !
Um afetuoso abraço, aqui do Brasil.
Sinval.

Tais Luso disse...

A sensação de liberdade é imensa, e as recordações da infância, a nostalgia nos transportam à épocas que ficaram marcadas. Porém me assusta a imensidão profunda das águas.
Ah, poeta de primeiro time... Que bom que tudo foi lindo!
Amedeo sempre belo.
Um beijo, querida amiga!

ANNA disse...

Hola paso por agreferte tu fidelidad en mi blog.
Gracias.
Besos

Poções de Arte disse...

Os verões da infância, as recordações da infância... são sempre tão saborosas e cheias de liberdade. O que me faz lembrar de uma frases "A ignorância pode ser uma bênção"... Quando nos tornamos adultos, esquecemos dos sabores da vida.

Belo poema.

Abraços e feliz dia.

Fá menor disse...

Muito belo!
A infância teceu-nos alvoradas na alma, que mais tarde nos fogem das mãos gretadas.
Não nos resignemos.

Bjinhos

Pedro Luso disse...

Um poema belíssimo, nessa volta à infância, muitas vezes o nosso refúgio, onde podemos recarregar as baterias.
Parabéns, Graça.
Um beijo.
Pedro

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Que sonho bom, navegar,
Ou qual uma ave marinha,
Voar na aurora, à linha
Do horizonte no ar.

Quisera, por ar ou mar,
Seguir o curso que tinha
O rumo da infância minha
Quando eu sonhava voar.

Seria dar à alma asa
Se o sonho nela extravasa
E sobra a imaginação

Para com espírito em brasa
Sonhar mais, sair de casa
Quer seja em sonho ou não.

Belíssimo poema o seu, Graça! Meus versinhos são em homenagem a ele. Parabéns! Abraço fraterno. Laerte.

Majo Dutra disse...

~~~
Sublime, querida Amiga, sublime!

Também me apetecia tanto o mesmo...

Genial! Brilhante!

Beijinhos poéticos.
~~~~~~~~~~~

solfirmino disse...

Ótimo, querida, muito bom, estou adorando estas mulheres...
Beijos

Teresa Almeida disse...

Apetece-me embarcar. Os teus destinos são de alvorada e de asas.
A poesia que cantas leva-me ...

Beijo, querida amiga.

ManuelFL disse...

Também nós somos aves marítimas a desvendar alvoradas, à procura dos ventos da infância.
Mais uma dádiva maravilhosa da Graça.
Beijo.

Ana Freire disse...

De alguma forma, um barco que avança para a linha do horizonte, sempre nos mostra caminhos de esperança... e futuro... sendo mesmo o que só conseguimos ver, na nossa infância... esperança, alegria e futuro...
Um poema muito belo, Graça... e mais uma lindíssima e profunda inspiração...
Beijinhos! Continuação de uma feliz semana!
Ana

Arroz Di Leite disse...

Bom dia Graça,
magnifico poema.
Bjs

Tânia Camargo

teresa p. disse...

"procurar os Verões da infância...ser gémea das aves matinais..." Sonhos de liberdade que a poesia da Graça consegue definir com as palavras perfeitas.
Um poema sublime que nos transporta a tempos diferentes.
Beijo.

Lucinalva disse...

Olá Graça
Belo poema, bjs querida.

Marta Moura disse...

Oh Graça, escreve tão bem!

Jaime Portela disse...

Os barcos são viciantes.
Mas navegar é preciso...
Excelente poema, como sempre.
Bom fim de semana, amiga Graça.
Beijo.

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Boa tarde, Graça
tanta coisa me apetece em seu maravilhoso poema,
pensar na infância ah! doce saudade, apetece-me navegar e sair em busca de
novos horizontes que nos levam às nuvens....
Grande abraço!

Maria Rodrigues disse...

Vamos muitas vezes buscar alento às memórias de outros tempos.
Maravilhoso poema
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

Rita Sperchi disse...

Boa tarde passando para deixar um abraço
mais uma vez elogiar seus posts, e dizer
que as boas amizades sempre voltam
Bjuss de bom final de semana

└──●► *Rita!!

Odete Ferreira disse...

A viagem pelas viagens da infância; a revisitação do que foi possível para que o impossível não seja amarra à viagem dos barcos...
Mais um belo e apaixonante poema, deste livro.
Bjinho, Graça

Ana Tapadas disse...

São muito belos os teus poemas. Têm a força e a sensibilidade que embeleza o discurso poético.
Beijo

São disse...

Muito lindo...Deixa-me ir contigo !

Bom resto de domingo e semana boa

Beijinhos

henriquedoria disse...

Lindo poema querida Graça.Envie poemas para a incomunidade.com
Infelizmente não pude estar consigo na apresentação do seu livro no Porto. Morreu um jovem amigo meu num estúpido acidente de viação, aos 43 anos. Mas espero vê-la e dar-lhe um abraço pelo menos em Agosto, em Lisboa, ou em Setembro, se vier à feira do livro, no Porto

manuela baptista disse...

Lunia, a segunda

gosto dela, porque vai com os barcos


um abraço, Graça

Toninho disse...

O barco que leva poisa a noite é solidão, navegar neste breu que se abre.
Linda inspiração e bela ilustração Graça.
Abraços com carinho.
Bjs

graça Alves disse...

Um livro maravilhoso!
Já li de fio a pavio e adorei.
Obrigada Graça!
beijinhos

AC disse...

Já o disse aqui, a Graça tem um dom, um pacto com as palavras.
Belo!

Um beijinho :)

Lourdinha Vilela disse...

Que maravilha Graça!!! As vezes me pergunto, por que temos tanta pressa de deixarmos os barcos da nossa infância e velejar outros mares que muitas vezes nos afogam enquanto dormimos nossas ilusões?
Você é simplesmente fantástica. Adoro vir aqui. Um abraço

PARAÍBA PARA O MUNDO disse...

Olá Graça , seus poemas são apaixonantes, escreves com alma e coração, fizeste um belo passeio recordando tempos idos.
Prazer em ler-te!
Abraço!