22.10.18

Em seara alheia


des.construção


*
perturbante o caminho de mensagens
que um dia tiveram destinatários

*
delas nada resta
a não ser o Ser-ainda-mar
quando a paisagem se impõe remissiva e
o bom senso exige
adeus aos heroísmos

*
somos tão só
mensageiros do devir

Gabriela Rocha Martins
In: CONTINUUM: antologia poética. Pinturas de Luís Liberato, fotografias de Soledade Centeno. Braga: Poética, 2018, p. 73

43 comentários:

Larissa Santos disse...

Bom dia. Poema brilhante. Adorei :))

Do nosso amigo Gil António: Iluminas-me em Luz de Rosa Vermelha

Bjos
Votos de uma óptima Segunda- Feira

Sinval Santos da Silveira disse...

Querida Mestra, Graça Pires !
Bela escolha, para bem "navegar"
mos mares desta semana.
Um caloroso abraço, aqui do Brasil !
Sinval.

Daniel Costa disse...

Graça Pires, sou verdadeiramente admirador deste tipo de poemas, diria construções literárias... Logo gostei.
Beijos

Lua Azul disse...

Bom dia!
Hoje rareiam as cartas. É uma pena. Eram tão mais reflexivas do que um email. Estamos na era da comunicação de plástico.

Marta Vinhais disse...

Perde-se a identidade... é-se um endereço...
Obrigada pela partilha...
Beijos e abraços
Marta

Lídia Borges disse...


"Mensageiros do devir", quiçá!

Beijinhos às duas.

Lídia

carlos perrotti disse...

“Somos tão só
mensageiros do devir…”

Esse profundo olhar de poeta me emocionou. Muito obrigado Graça por apresentar e divulgar. Fazer poesia é também isso.

Muito obrigado de novo.

Abraçaço, amiga.

Ana Paula disse...

Eu que tanto aprecio destinatários e missivas, adorei por aqui passar!
Beijo

Franziska disse...

Escasos asertos pero muy significativos. Lo importante se dice y lo que se calla, se sugiere: lo que em apariencia es muy sencillo resulta finalamente muy complejo.

Un abrazo y feliz semana.

manuela baptista disse...

des.lumbrante

a escolha

um beijo, Graça

tulipa disse...


GOSTEI MUITO
PARABÉNS
Em cima dos rochedos aprendi a observar
As nuvens concentram-se no horizonte
como lágrimas em relevo
engrossadas pelo relento.
Graça Pires

OLÁ
Obrigada pela partilha.
Outra semana que começa
e cá estou...a visitar o seu espaço
Pois venho dizer que fiz um post e tem mais um lugar para CONHECER
através do meu olhar
um lugar que deixou uma sensação tão bela pela serenidade e tudo o que vi
Espero que veja e que goste
pois vamos descobrindo tantas surpresas, acredite Amiga.

Convido a visitar, aqui:
http://meusmomentosimples.blogspot.com/

Bjs e continuação de boa semana.
Tulipa

Mar Arável disse...

A nossa Gabriela sempre

Cidália Ferreira disse...

Como sempre um poema soberbo!!

Meu desvairo nefasto
Beijos -Boa noite

Evanir disse...

Lindo é poder chegar aqui após
tanto tempo!.
Agradeço a cada visita sua amizade
é um exemplo a ser seguido .
Minha querida estou tentando mesmo com muita dor
ir agradecendo quem me visita independente
de eu ñ poder vir retribuir.
Obrigada de todo coração.
Beijos.
Evanir.

teresa dias disse...

Eis uma "des.construção" lindamente construída.
Gosto do poetar de Gabriela Rocha Martins.
Obrigada Graça, pelas excelentes escolhas de alheias searas.
Beijo, amiga, e uma semana inspiradora.

pensandoemfamilia disse...

Linda partilha, gostei muito da sua escolha. bjs

Toninho disse...

Quando aqui vejo uma partilha desta série, vejo quão grande é sua generosidade.
Lindo Graça com tantos belos poemas abrir espaço para nos apresentar sempre,
uma nova poesia de suas leituras por aí. Acho lindo tudo isto.
Sermos tão só... é profundo amiga, parabéns à Gabriela.
Semana feliz e alegre amiga.
Beijo.

Isa Sá disse...

Muito bonito.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Agostinho disse...

Dá que pensar.
Fica a mensagem que outros tentarão adivinhar.
Do mar em saturação sairá outra estirpe evolutiva. Que linguagem os ligará ao que somos? O devir: uma sucessão de hojes ou um reino de abstacção sem remetente nem destinatário.
Perdida a identidade, algoritmos de anonimato erram na periclitante cloud.
Outro mar após o big-bang.
Boa escolha, Graça Pires, beijo.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Vou utilizar as palavras da Teresa Dias é uma des.construção perfeitamente construída.
Gostei bastante.
Um abraço e boa semana semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Gracita disse...

Se foi para des-construir a poetisa foi enfática e perfeita nesta construção memorável
Beijinhos minha amiga

Kaos Calmo disse...

Desconstrução da vida...
ponto final parágrafo.

São disse...

Escolheste um bom poema alheio...

Beijinhos, linda

ANNA disse...

Gracias por tu a portacion y visita
me alegra volverte a leer
Besos

Teresa Durães disse...

Mais uma vez Gabriela Rocha Martins mostra-nos a sua bela poesia!

José Ramón disse...

Es un placer pasar por su blog Saludos

maría del rosario Alessandrini disse...

Mensaje reflexión un bello decir amiga.
Abrazo

José Carlos Sant Anna disse...

"Na lavoura do rascunhar medram os silêncios", basta este achado para nos calarmos inicialmente e, depois, sairmos em busca dessa "lavoura".
Muito agradecido pela partilha,

manuela barroso disse...

Além de mensageiros do devir
O sorriso de sermos ainda felizes destinatários
Belíssima escolha
Um grande , grande abraço , Graça !

Ricardo- águialivre disse...

Lindíssimo sem dúvida alguma
.
Folhas caídas sem vida
.
Cumprimentos

Anete disse...


Beleza pura, “linda construção” em versos...

O meu abraço nesta quarta-feira...

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um poema excelente de Gabriela Rocha Martins!
Não conhecia e gostei bastante do seu estilo poético.
Obrigada pela sua generosa partilha.
Beijinhos e continuação de boa semana.
Ailime

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Que belo poema! O que é remissivo, é sempre saudoso e onde há saudades, há uma luz que inside nela, refletindo, ainda mais intensos, os feixes de raios luminosos de outras saudades. "Recordar é viver!" Parabéns pela postagem, amiga! Grande abraço. Laerte.

baili disse...

Love is for victory my friend!

always i truly LOVE your outstanding poetry!

Hugs!

Jaime Portela disse...

Já há muito tempo que não lia nada da Gabriela.
A escolha for muito boa, gostei do poema.
Graça, continuação de boa semana.
Beijo.

Quase Cinderela disse...

Mais um maravilhoso poema
Muito obrigada
Beijinho

Luísa Fernandes disse...

https://poemasdaminhalma.blogspot.com/
Olá Graça!
Peço desculpa pela demora, mas estive ausente algum tempo, por motivo de férias que já estava a necessitar.
Obrigada amiga, por mais esse belíssimo poema. Gostei imensamente.
Beijinho e ótimo fim de semana.
Luisa

Manuel Veiga disse...

"mensageiros do devir...", onde o verbo se faz Cântico!
(ou perturbante caminho). muito belo.

gosto muito da poesia de Gabriela Rocha Martins

excelente partilha, Graça

beijo

Roselia Bezerra disse...

Boa Tardinha querida amiga Graça!
Com sempre, aqui encontro substancial poesia de uma poeta carinhosa com seus amigos e humilde, obrigada por nos ensinar tanto da vida em forma de poemas belos.
"... delas nada resta
a não ser o Ser-ainda-mar..."
Recorto para me abtecer...
Deus a abençoe muito!
Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

Fá menor disse...

Muito boa escolha!
Parabéns à Gabriela!

Beijinhos.

Duarte disse...

Um poema que me convida à reflexão, mas que agrada, belo.
Abraços de vida

Ulisses de Carvalho disse...

Eu gosto muito dessa concisão, esse pouco que diz muito. Um abraço, Graça.

Ana Freire disse...

Um belíssimo momento poético, que adorei descobrir e apreciar...
Vivemos mesmo, num tempo de muitas mensagens, e progresso na comunicação... a par de uma regressão, ao nível do entendimento, entre as pessoas... o que nos faz pensar...
Magnifica partilha, Graça!
Beijinho! Continuação de uma feliz semana!
Ana