22.4.19

Escrever Abril

Licínia Quitério


Era uma vez uma cidade
com homens a navegar na liquidez das ruas,
espingardas com mulheres a tiracolo,
sorrisos a explodir à boca dos canhões,
gritos e cantares da cor dos cravos.
Foi o dia do livro inicial
e toda a escrita foi possível.

Licínia Quitério, 2019

53 comentários:

Graça Pires disse...

Agradeço, à minha Amiga e enorme escritora, Licínia Quitério por me ter oferecido este poema e esta imagem para que eu pudesse, aqui, “Escrever Abril” e dizer com todos: Viva a Liberdade!

chica disse...

Muito linda a poesia e foto de tua amiga! Valeu! Linda semana! beijos,chica

Licínia Quitério disse...

Um gosto, querida Graça, um gosto.Viva a Liberdade!

Marta Vinhais disse...

Um poema e uma imagem que se escrevem no olhar... liberto, transparente...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Cidália Ferreira disse...

Maravilhoso escrito! Adorei!:)
*
Que bom seria, se o céu fosse azul claro
Beijos e uma excelente semana.

carlos perrotti disse...

Muito obrigado, Graça, por apresentar esta poeta de versos tão claros e esperançadores...

Abraço grande amiga.

Graça Alves disse...

Abril, sempre, Graça.
Beijinhos

LuísM Castanheira disse...

"Escrever Abril" e ler...ler para saber
e compreender
como foi possivel a longa noite,
que acabou por amanhecer.
(caiu de maduro o medo)
Nesta "escrita" e neste 'livro", a poesia com o seu lugar
e se poder expressar.
Parabens 'as duas poetisas.
Um beijo, minha Amiga Graça e uma boa semana.

Daniel Costa disse...

Graça Pires o poema está divinal, nem mais nem menos.
Reportando-me, a vida é mesmo um valor, eu que o diga.
beijos

Lucinalva disse...

Olá Graça
Interessante postagem, obrigada pela presença no meu blog, bjs querida.

Kodak Khrome disse...

Viva a Liberdade!

Olinda Melo disse...

"Escrever Abril" e a liberdade de o fazer é um canto que deve ser entoado sem conta nem medida. Todos juntos, em uníssono.

Aliás, este poema traz-nos o perfume dos cravos e o eco das lutas que foram necessárias para que eles pudessem desfilar nos canos das espingardas.

Bjs

Olinda

Marco Luijken disse...

Hello Graça,
Very nice words. Wonderful.
And a good shot at this post again.

Big hug, Marco

Mar Arável disse...

Que vivam os cravos
mais vermelhos
que os nossos lábios

Bj amigo

Joana Grilo disse...

Que poema maravilhoso! E viva Abril!

Teresa Almeida disse...

Viva a liberdade e o dia em que se abriram os sorrisos e a liquidez da escrita.

Belo poema de Licínia Quitério!

Beijo, Graça.

JUAN FUENTES disse...

Los libros son los mejores amigos que podemos tener

Majo Dutra disse...

São lindos os cravos e os poemas da Liberdade...
Beijinhos, Amiga.
~~~~

José Carlos Sant Anna disse...

Por não contentar-me com este "vibrante" poema, fui em busca de outras riquezas de Licínia Quitério porque imaginei, com sobejas razões, tratar-se de uma poeta madura, que as suas palavras fertilizadas se espraiavam por outros espaços e fiquei maravilhado com o que encontrei, por exemplo, no sítio do poema.
Partilha para aplausos!
Uma boa semana, minha amiga Graça!
Um beijo,

Toninho disse...

Um belo presente querida Graça e linda partilha.
E já se vão 45 anos anos e que a lembrança seja a bandeira de fazer cada vez mais Portugal uma grande nação. Que os cravos proliferem e floresçam com força no coração de cada habitante.
Liberdade, liberdade abra as asas sobre todos.
Grato amiga.
Beijo.

Roselia Bezerra disse...

Boa noite de OItava de Páscoa, querida amiga Graça!
Que o dia da Liberdade aí seja exaltado no coração de todos amigos portugueses!
Tenha dias felizes e abençoados!
Bjm carinhoso, fraterno e pascal

baili disse...

what a sublime piece of poetry and such a poetic image dear Grace!

art by your friend speaks for her incredible skills

writing April is writing life's most vibrant most vivid part :)

Hugs!

Isa Sá disse...

E já passaram tantos anos....


Isabel Sá
Brilhos da Moda

mz disse...

Não deixem morrer os cravos e todas as palavras.

Um abraço para si, Graça.

Lua Azul disse...

E toda a escrita foi possível, sem mais censuras, mas temos de continuar a fazer por isso e por outras escritas!
Beijo!
Boa terça-feira!

Luísa Fernandes disse...

Olá Graça!
Um belíssimo poema, verdadeiramente verdadeiro.
Ainda me lembro como se fosse hoje, tudo aconteceu
bem pertinho da minha morada, pela primeira vez
senti um cheirinho a liberdade. Obrigada!
Que perdure por muitos anos.
Gostei muitíssimo.
Beijinho

Teresa Durães disse...

Sou duma época em que os comunistas eram o pesadelo das crianças (sem que elas soubessem o que significava), os Xutos e Pontapés eram o nosso hino, e mais tarde, o descalabro económico que os nossos pais deixaram era o nosso futuro. Sou de uma época em que transformamos o nosso país na era digital de acordo com o resto do mundo e o 25 Abril era um passado retrógrado. Um 25 Abril que deu jeito à Russia e aos EUA. Não à revolução dos cravos. Sou duma época em que a Segurança Social estava na falência e arranjar emprego era difícil. Sou duma época que não havia esperança. Nasci em 1969. Não sou do 25 Abril, antes apárida

Anónimo disse...

25 de Abril sempre. Viva a liberdade. Beijo. ManuelFL

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Graça,
Linda publicação.
Entretanto na minha mente
ficará ecoando:
(...) e toda escrita
foi possivel."
Profundo.
Bjins
CatiahoAlc.

teresa dias disse...

MAGNÍFICO!
Obrigada querida Graça por partilhares este belíssimo poema e imagem da tua amiga Licínia Quitério.
Regressei a Portugal um ano depois de Abril, mas ainda vi "sorrisos a explodir à boca dos canhões", e ouvi "gritos e cantares da cor dos cravos".
Viva a liberdade!
Beijo para ambas.

Larissa Santos disse...

Muito bom...Adorei :))

Hoje:-Quando o sol brilha em desalento.

Bjos
Votos de uma óptima noite

teresa p. disse...

25 de Abril "Foi o dia do livro inicial/ e toda a escrita foi possível". Será para sempre o dia da Liberdade, uma página de Luz na nossa História.
O poema é lindo e a imagem maravilhosa.
Parabéns à autora e também à Graça que a deu a conhecer no seu blog.
Beijo.

A Paixão da Isa disse...

mt bonito e ja falta pouco a tua foto ela esta mt bonita com esse cravo bjs feliz semana

manuela baptista disse...

foi assim mesmo!

beijinhos, Graça

Laura Ferreira disse...

Escrever Abril assim é um belíssima forma de escrever.
Um grande beijinho, Graça.

Manuel Veiga disse...

Um belo e vibrante poema de Abril, com a mestria e talento
da nossa amiga e talentosa Poeta, Lícinia Quitério

gostei muito desta parceria, Graça.

beijo, minha amiga

Ana Freire disse...

Foi a página inicial... da nossa história actual... brilhantemente transposta em palavras... imbuídas de liberdade... e recomeço...
Mais uma fantástica partilha, Graça!
Beijinho! Votos de continuação de uma óptima semana!
Ana

Jaime Portela disse...

Um poema brilhante.
Gostei imenso, como sempre. Parabéns.
Graça, um bom 25 de Abril e um bom fim de semana.
Beijo.

Lídia Borges disse...


Assim se diz Abril por caminhos da comoção.

Um abraço fraterno.

Lídia

São disse...

E assim começou há quarenta e cinco anos o Futuro...

Abraço fraterno, querida Amiga

Portugalredecouvertes disse...

gostei de ler o poema de homenagem ao 25 de Abril,
a liberdade aconteceu, não tem preço !
é divina :)

abraço,
Angela
https://poesiesenportugais.blogspot.com/

LE CHEMIN DES GRANDS JARDINS disse...

Beau, poétique, amoureusement composé,cet envoi est perçu comme une cure de Jouvence. Je te remercie, bien amicalement.
Roger

Humberto Maranduva disse...

Excelente fotografia, a despertar a mágica singularidade evocada naquela manhã de prodígios e encantos. Licínia Quitério, a poetisa, soube tecer a harmonia dos contrastes (contrários) neste pequeno-grande poema.
Bjs.

Anete disse...

Imagem e poema lindíssimos! Viva Portugal! E viva a liberdade!
Abç e bom fim de semana

Tais Luso disse...

Certamente que esse belo poema passa muita emoção!
Felicidades sempre ao país irmão!
Beijo, querida amiga.

Roselia Bezerra disse...

Boa tardinha de Oitava de Páscoa, querida amiga Graça!
Um viva bem bonito a Portugal por este mês sagrado onde se pode ter voz e vez outra vez...
Tenha dias felizes!
Bjm carinhoso, fraterno e pascal

© Piedade Araújo Sol disse...

Licinia Quitério é um poeta de mao cheia
sempre gostei do que ela escreve, e este poema nao foge à regra, é muito bom.
tambem gosto da fotografia
parabéns às duas poetas
bom fim de semana
beijinhos
:)

Gracita disse...

Que seja sempre comemorado este dia da felicidade
E VIVA A LIBERDADE
Beijos minha querida

Fá menor disse...

... e toda a escrita foi possível, embora hoje nos queiram formatar o que escrever, procurando fazer-nos ditados de liberdades tingidas de outras cores.

Boa semana!
Beijinhos.

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia Graca.
Linda partilha. Viva a liberdade de Portugal. Uma feliz semana. Beijos.

Agostinho disse...

O meu cravo não o vi por aqui, nem sei porquê. Se o tenho sempre à mão...
Vim pelo verso que anunciou a liberdade na primeira linha de um livro a crescer.
Bj.

Sinval Santos da Silveira disse...

Querida Mestra, Graça Pires !
Ainda que de textos alheios, capto
a angústia da Escritora, na expressão
de um segmento que faz, certamente,
parte de um todo, muiito belo.
Obrigado, Amiga. Uma ótima semana e
um frateernal abraço, aqui do Brasil.
Sinval.

ANNA disse...

Gracias guapa me alegra que pases por mi blog.
Abrazos y cariños muchos, y Besos.