17.2.20

A vertigem dos temporais



Pelo ângulo interior dos séculos
uma lâmina de sangue golpeou
as pedras onde explodiam as águas.
Agora a vertigem dos temporais
habita todos os lugares do mundo.

Graça Pires
De Uma vara de medir o sol, 2018, p. 49

58 comentários:

chica disse...

Temporais assustam amedrontam...Lindos versos pra eles! beijos, chica, linda semana!

Teresa Durães disse...

Soltam-se os demónios? Muito belo.

Marta Vinhais disse...

E destroem tudo na sua passagem....
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

A Paixão da Isa disse...

pois aqui no sabado fez tao bom parecia ja primavera e onte e hoje esta a chuver ja nao temos as estaçoes do tempo como antes adorei o teu texto e foto tudo de bom feliz semana bjs

Roselia Bezerra disse...

Boa tarde de paz, querida amiga Graça!
Uma imagem e título exuberantes bem como a realidade cruel do seu poema.
O que virá ainda?
Deus tenha piedade de todos nós, amiga!
Bjm carinhoso e fraterno

Megy Maia disse...

Os temporais se forem de amor.
São muito bem vindos.
Prefiro ver nessa perspectiva.
Sorrisos de ensolarados.
Megy Maia

fatimawines disse...

Olá, Graça!

Atrevo-me a fazer uma interpretação livre do seu poema.
"rebentaram as águas", lâmina, bisturi ; "cesariana"
Produto final=vida.
As palavras abram caminhos que nunca mais tem fim.
bj.

Cidália Ferreira disse...

Muito belo! Temporais... estamos cada vez mais sujeitos!

-
Candura e entusiasmo de andar em liberdade
-
Beijo e uma excelente semana!

Mar Arável disse...

Que vivam os temporais nas tuas mãos
Bj

Lília Tavares disse...

Temporais, só os que trazem viçosas algas à praia e que sussurram calma para que as gaivotas pousarem.
Bonito poema, Graça!
Beijinho.

Lília

© Piedade Araújo Sol disse...

Em todos os lugares do mundo. Nunca mais nada será como antes.

Oxalá fossem apenas temporais de paz e bem estar!

Boa semana amiga Graça.

beijinhos

:)

teresa dias disse...

Temporais de lágrimas, que os senhores poderosos, os «donos do mundo», teimam em ignorar.
Minha amiga, gostei de ouvir o teu coração sensível.
Beijo, boa semana.


carlos perrotti disse...

Muito obrigado, Graça. Versos visionários que ressoam. Admirável realmente.

Grande abraço.

Agostinho disse...

Superior o gesto poético
em quatro passos de verso
"... a vertigem dos temporais
habita todos os lugares do mundo"
e a sombra do medo inquieta
corações, mas na presunção de saber
a minúcia até ao átomo
impede a leitura do simples
na complexidade inicial
Desde então a venda cega-nos
o descernimento:
"a lâmina de sangue" ao ver a luz?

Um beijo, Amiga Graça Pires.

silvioafonso disse...

Depois do deleite das rimas dos
versos me abraço a lembrança do
mestre visitando o aluno. Obrigado,
professora pelo carinho da educação.
Um beijo, Graça querida.

As Mulheres 4estacoes disse...

Olá, Graça!
Uma imagem que demostra a força e a beleza da natureza, ainda que os temporais não me agradem.

Realmente eles habitam o mundo todo, em alguns lugares com mais força do que em outros.

Um abraço

PAULO TAMBURRO. disse...


GRAÇA PIRES,

e cada vez mais aterradores!
Um abração carioca.

manuela barroso disse...

Força e Beleza
Fragilidade e Grandiosidade
Mas sempre a Terra, a tua Terra no círculo da vida e do tempo
Uma imagem fabulosamente enquadrada com o não menos fabuloso poema
Grande beijinho, querida Graça

JUAN FUENTES disse...

Todos somos parte de esos fenómenos

Ulisses de Carvalho disse...

As pessoas costumam exaltar apenas a beleza dos dias cheios da luz do sol, que realmente são lindos, mas esquecem de ver beleza também nos temporais. Quando chove, nunca digo, como costumam dizer, que o tempo está feio. Tudo é uma questão de perspectivas. Um beijo.

Sandi disse...

Intrigante!

baili disse...

faithless hearts become like rocks and ruin the glory of life for themselves ,for who around
only soul can fill up this space and calm this storm dear Grace
blessings!
beautiful as always!

Majo Dutra disse...

Uma leitura deliciosamente poética...

Beijinhos, Amiga Graça.
~~~~~

Juvenal Nunes disse...

Também eu me quedei, pensativo, na interpretação do poema. Sem beliscar a hipótese interpretativa apresentada pelo Fatimawines, avanço e avento que o golpe da lâmina de sangue poderá ser o desenterrar do machado de guerra, que origina a vertigem dos temporais, isto é, as situações de beligerância e guerra que se verificam um pouco por todo o mundo.
Se não for possível ver, no poema da Graça, o alfobre do qual se podem retirar diferentes colheitas (interpretações), nada melhor que ela própria para nos elucidar.
Abraço,
Juvenal Nunes

Isa Sá disse...

Para refletir...

Isabel Sá  
Brilhos da Moda

Maria Rodrigues disse...

Como são devastadoras as consequências dos temporais.
Palavras sentidas e profundas num poema sublime.
Beijinhos

Larissa Pereira dos Santos disse...

Lindos Versos, parabéns! Bjs Larissa

José Carlos Sant Anna disse...

Nada escapa à sua varinha de condão, Graça! Como o cair do pano desse drama que vive o homem. É o universo se refazendo em suas mãos pela linguagem. É um ouvido atento ao murmurar de tudo... Este admirável poema nos diz tudo!
Um beijo, minha amiga Graça!

Maria Emilia B. Teixeira disse...

Depois do temporal podemos ver o arco íris. Boa noite. Bjs.

Ailime disse...

Boa noite Graça,
Um poema muito belo que reflete de forma sublime o que, cada vez mais, nos vai inquietando: as intempéries que, sem dó nem piedade, assolam o mundo inteiro!
A Poeta, na sua enorme sensibilidade poética, alerta e manifesta.
Um beijinho e os meus votos de continuação de boa semana.
Ailime

Alice Alquimia disse...

Sua poesia é muito reconfortante. Gosto muito.

vieira calado disse...

Olá, amiga! Como tem passado?

Há um ano que não andava pelos blogs.
Mas agora vou ser maia assíduo.

O seu poema é muito bom, como nos habituou.
O que pode é..., como diria o Fernando Pessoa, "é haver pouca gente a dar por isso."
Saudações poéticas!

Manuel Veiga disse...

... e uma lâmina de sangue se fez vertigem!

(enorme teu Poema)

beijo, querida Poeta

Micaela Santos disse...

Apreciei muito este poema com frases profundas e fortes e de difícil interpretação.
Eu gosto dos temporais, gosto de sentir a força da natureza.
A seguir a um temporal o ar parece ficar mais puro.

Beijinhos

lanochedemedianoche disse...

Muy transformadora y bella.
Abrazo

Ana Tapadas disse...

Sabes que conheço este poema, mas não sabes como me agrada lê-lo de novo!

Beijo

Ana Paula disse...

A fotografia é de beleza imensa, assim como tuas palavras que nos faz aproximar dos temporais sem medo.
Beijo!

neyborba disse...

Como onda a poesia assola e desperta. Gostei desse mar de versos em tão pouco espaço de frases e sentimentos.
Abração!

bea disse...

Não sei se aconteceu o que o poema pressupõe e tão bem diz. Mas é verdade que as intempéries rebentam de todo o lado. Escancarou-se a arca de Pandora. E pode que as tempestades lavem o mundo e o expurguem dos pequenos males, das pragas, dos micróbios que enxameiam o planeta. Quem nos dera, não é?

Megy Maia disse...

Obrigada querida Graça pelas palavras gentis.
Que vai deixando no meu cantinho.
Sorrisos de gratidão.
Megy Maia

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Versos entre lo mítico y las leyes físicas. UN abrazo. Carlos

madrugadas disse...

Bom dia
Os temporais são assim arrasadores, mas depois deles tudo renasce e a vida fica mais colorida.

Jaime Portela disse...

E há temporais por todo o lado, cada vez mais fortes...
Excelente, gostei imenso.
Graça, continuação de boa semana.
Beijo.

Pedro Luso disse...

Olá, Graça!

Gostei muito deste teu poema, “A vertigem dos temporais”,
belo poema, minha querida amiga Poetisa.

Uma boa sexta-feira, com muita paz, Graça.

Um beijo.
Pedro

Ana Freire disse...

Temporais que sempre fizeram parte da história do homem... em tantas vertentes... e agora com as alterações climáticas... ei-los em toda a sua plenitude, na sua forma primordial... e cada vez mais presentes!
Sinais desta regressão dos tempos!...
Mais uma inspiração de excelência, que tão bem descreveu a energia tumultuosa e conflituosa, sempre intrínseca à presença humana, pelo mundo...
Beijinhos, Graça! Votos de um excelente fim de semana!
Ana

ANNA disse...

Gracias por tu aportacion en el blog
te lo agradezco mucho
muchas gracias y hasta pronto
Besos

teresa p. disse...

"A vertigem dos temporais". É a natureza a reclamar, com fúria, os danos provocados pelo homem. Agora "habita todos os lugares do mundo."
Muito belo e forte este poema.
Beijo.

Mariazita disse...

As forças da Natureza... e as forças da natureza humana, descritas num excelente poema.

PS - Fico grata pela presença no aniversário da minha "CASA".

Bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Anete disse...

Os temporais são assustadores, mas o seu poema é forte e firme... Muitíssimo reflexivo.
Bjs e um feliz fim de semana p vc...

Manuel Luis disse...

Aqui só chove quando há temporais, sinais do tempo novo.
Bjs

AC disse...

Novos tempos, um novo paradigma. E tudo isto dito de uma forma única, como só a Graça sabe.
Grato.

Um beijinho :)

solfirmino disse...

E esse poema até podia ser chamado de "Gênese"...
Magnífico!
Um beijo, amiga.

Fá menor disse...

O mundo está ferido e grita.

Boa semana, amiga Graça!

Beijinhos.

Anónimo disse...

que intenso uau
não sou muito inteligente para poesias assim, mas gostei rsrsrs

Toninho disse...

E no fundo meus olhos a compaixão,
sob os rastros da disseminação.
Profundo e belo na poesia.
Sentimento que escapa pelas intempéries.
Perfeito amiga.
Beijo

Clarisa T. Livres disse...

Belleza, sólo veo belleza...
Saludos!

Sinval Santos da Silveira disse...

Amiga, poetisa/Escritora, Graça Pires !
Que bela escolha para nos presentear...
Muito agradecido !
Um fraternal abraço, aqui do Brasil !
Sinval.

Lourdinha Vilela disse...

Nos temporais Deus é aclamado.Belo poema. Um abraço querida Graça.