10.12.07

Chamando um verso




Não relembrar os campos
mas o múltiplo verde entranhado no olhar.
Dizer quero ser feliz com a boca grávida de espanto,
como se fosse possível lembrar a hora de nascer.
Regressar à liturgia do silêncio
com palavras perturbadas chamando um verso.


Graça Pires
De Conjugar afectos, 1997

17 comentários:

São disse...

Como eu aprecio a liturgia do silêncio...e também, por vezes, a da solidão!
Feliz semana!

Soledade disse...

Um apelo à alegria, ao princípio! Gosto muito! E lembrou-me Caeiro: o espanto essencial que teria uma criança se ao nascer soubesse que nascia. Assim pudessemos nós reinventar essa frescura inaugural. Pelo menos na poesia.
E gostei muito da imagem - tem essa adstrigência da primeira luz.

Hoje esteve um dia bonito. Bom prenúncio de semana, espero.
Um beijo

hfm disse...

"A liturgia do silêncio"... como não ter sentido a falta destes poemas?

Ainda só li este. O menino acabou de chegar e ainda anda aos tombos de tão pequenino...

Virei reler o que ainda não li.

Um beijo

Monte Cristo disse...

Renasce. Renasce nos teus versos. Agora e sempre. E que o silêncio seja apenas uma metáfora.

Mas continuam - os teus versos - a doer. A doer-me.

Um beijo

maria m. disse...

na «liturgia do silêncio», o verso veio e disse-nos do «espanto», desse olhar puro sobre as coisas essenciais e belas da vida.

e, em mim, mesmo sabendo como gosto da tua poesia, sempre me espanto, quando a leio e gosto, como se fora a primeira vez que a leio.

TINTA PERMANENTE disse...

Assim é a gesta de um sonho!
Perfeito, acrescento.

abraço.

Licínia Quitério disse...

Voltar ao princípio na pureza do silêncio. Muito belo!

Beijo.

livia soares disse...

Gosto de vir aqui e me espantar com a felicidade da sua escolha de palavras. Aposto que os versos sempre vêm quando vc chama.
Um abraço.

Noite disse...

é do vazio do silêncio que nasce a voz que chama as letras, poesia em constante mutação, verso, prosa, ou a noite, feita de dia.

São disse...

Um abraço.

São disse...

Bom resto de semana!
Abraços.

Mar Arável disse...

nascer e desnascer

imensamente

Luis Eme disse...

Verde é tanto...

abraço

maria carvalhosa disse...

Maravilhoso, Graça! Sem mais palavras, além de um beijo com muito carinho.

herético disse...

sublime. na liturgia do silêncio. ou no chamamento do verso...

adorei.

Marinha de Allegue disse...

Esta é a cor que me acompanha nestes días...

Beijos guapa.
:)

Graça Pires disse...

Obrigada a todas as amigas e a todos os amigos pela visita e pelas palavras. Peço desculpa pela ausência. Esta época é dada a muitos afazeres...
Um beijo a todos.