16.12.07

Um encontro




Deambulei em volta do mundo,
à procura do lado mais selvagem da noite.
Encontrei-te no lugar onde o arco-íris
entorna o excesso de cor.
Havia, no teu olhar, um sinal
de sentido obrigatório,
uma passagem secreta
ajustada ao desejo,
um brilho inocente e cúmplice
que aqueceu o tumulto dos meus olhos.
Subleva-se, agora, um rio no meu corpo,
enquanto, à flor da pele, a urgência da sede,
toma o pulso dos dias
e redime a mendicidade das mãos.


Graça Pires
De Ortografia do Olhar, 1996

18 comentários:

maria m. disse...

«Encontrei-te no lugar onde o arco-íris
entorna o excesso de cor.»

muito bela a sensualidade deste poema. momento único.

Homem do Leme disse...

"um brilho inocente e cúmplice
que aqueceu o tumulto dos meus olhos"...

Esta frase fez-me recordar um momento que dura Há quase 8 anos... um amor que sobrevive contra muitas marés.

Lindo poema.

hfm disse...

Cada palavra é uma prece onde se escondem todas as outras por dizer mas pressentidas. Belíssimo!

Oliver Pickwick disse...

"...Encontrei-te no lugar onde o arco-íris
entorna o excesso de cor..."
Ei, Graça! Que versos criativos você escreve neste post, além da linguagem primorosa. Romance em grande estilo, contudo, sem perder a doçura.
Beijos, e tenha a melhor das semanas!

Monte Cristo disse...

A urgência da sede. De todas as belas imagens que este poema inventa, esta urgência e esta sede são um chamamento à Vida. Ao Amor.

Algo que nos transcende.

Continuas a fazer poesia.

Um beijo

Paula Raposo disse...

Um fabuloso encontro...lá, no arco-íris...beijos.

isabel mendes ferreira disse...

Havia, no teu olhar, um sinal
de sentido obrigatório,
uma passagem secreta
ajustada ao desejo_______________.



teu. olhar.


tua a escrita.


________________nosso o prazer. de te ler.



beijo.

Marinha de Allegue disse...

Atopar sempre é fantástico...

Beijossss.
:)

Luis Eme disse...

Lindo poema de amor...

abraço

herético disse...

que as tuas "deambulações" prossigam. que (para além de outros "sentidos obrigatórios") tem o mérito de tão belos poemas.

Mar Arável disse...

SENSUALIDADE E CONQUISTA

PORQUE ATÉ NOS CAMINHOS MAIS

INIMAGINÁVEIS

O PÓ

SE LEVANTA

POR AMOR

Guilherme F. disse...

PAsso para deixar um polen, para agradecer as palavras; para desejar que fiques bem.
bj
Gui

Soledade disse...

Não parece *um* encontro, mas *o* encontro: a cumplicidade, uma urgência terna e sensual, uma totalidade que "redime a mendicidade das mãos". Que mais desejaríamos?
Venho deixar um beijo pelo poema. E desejar Boas Festas: um Natal quentinho e alegre, um 2008 cheio de boas novidades.
Um beijo

Vieira Calado disse...

Gostei
muito do poema.

Boas Festas.

alice disse...

querida graça, venho de mãos sós e castas desejar-lhe um santo natal.

que em 2008 sobreviva a poesia. um grande beijinho.

adam disse...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

Graça Pires disse...

Obrigada a todas e a todos pelas vossas palavras amigas.
Agora só voltarei em 2008.
Desenhem uma estela no olhar e efeitem com ela o Natal que desejam.
Que o novo Ano traga a todos tudo o que mais querem.
Um beijo.

De Amor e de Terra disse...

..."e redime a mendicidade das mãos"...
Muito belo Graça, muito belo mesmo!
Parabéns!!!

Um beijo



Maria Mamede