10.9.09

Memórias de Dulcineia XVI

António Quadros

Como calar a incoerente voz
do pensamento
para encontrar as palavras
com que me invento?
Demasiado cedo
me soube irmã da noite
porque a luz, indecisa,
perto do rosto me parecia
um pressentimento sombrio.
Com o tempo as emoções têm nome?


Graça Pires
De Uma extensa mancha de sonhos, 2008

53 comentários:

Amélia disse...

Gosto dos seus poemas, Graça.Um abraço amigo

Marta disse...

Tem sempre nome...
Só que, às vezes, achamos melhor não recordar o nome...
Lindo como sempre...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Desnuda disse...

Querida Graça,

o quadro muito bonito. E esta poesia, profunda e bela. Voce escreve divinamente. Creio que a medida que vivenciamos e compreendemos, nos permite distingui-las e defini-las . Mas nem todas.

Carinhoso beijo, amiga.

Paula Raposo disse...

Com o tempo as emoções ficam com o nosso nome...muitos beijos, gostei muito de te ler.

João Videira Santos disse...

"...porque a luz, indecisa,
perto do rosto me parecia
um pressentimento sombrio..." - palavras cantantes na harmonia do canto. Gosto!

(agradeço a visita, agradeço o comentário!)

Beijo

Mofina disse...

Haverá emoções sem nome, mas que mesmo assim existem...

bjs

JMV disse...

Claro que há blogues que são um assunto sério(...obrigado pela visita).Essa é uma das razões porque aqui venho.Saio sempre mais rico.
um beijinho

pin gente disse...

talvez tenham e apenas não me lembre deles.
obrigada, graça!
beijos
luísa

São disse...

Estupendo este teu poema.
Sem nome, a emoção.
Bem hajas!

Adriana Karnal disse...

As palavras com que te inventa têm nome: poesia....tua criação é puro poema,Graça....teu próprio nome te dá a luz: Graça....uma beleza

Pena disse...

Estimada e Brilhante Poetiza Amiga:
"...Demasiado cedo
me soube irmã da noite
porque a luz, indecisa,
perto do rosto me parecia
um pressentimento sombrio..."

Um poema muito terno. Lindo. Delicioso no seu versejar mágico de encanto.
A noite tem um dom: Acolhe.
Tem uma Alma e uma sensibilidade de beleza e pureza apuradíssimos.
Perfeito.
Com imenso respeito e estima.
Abraço amigo


pena

Adorei.

susana disse...

Todas as nossas reações ou emoções tem um nome, nomes que por vezes nos custam escutar mas tudo faz parte da vida...
Como sempre os seus poemas são belos.

Beijo de um anjo
Susana

Bandida disse...

há coisas que nunca saberemos. e ainda bem.


um grande beijo


p.s. é tão belo este poema!

avlisjota disse...

Gosto do quadro do António Quadros que julgo ser filho do mestre meu conhecido Antonio Joaquim.
Quanto ao poema, que dizer... gosto muito, mas mesmo muito!

Com amizade

José

Fernando Campanella disse...

Demasiado cedo
me soube irmã da noite...

demasiado cedo nos soubemos irmãos da noite, das coisas fugidias também, como disse Cecília Meireles. Sorte que toda essa ausência nossa tantas vezes se ilumina, e se eterniza em poesia. Bjos.

Ailime disse...

Ler os seus poemas é sempre um desafio muito interessante!
Apesar da luz "imprecisa" que foca, esta não deixou de iluminar a vida que agora dá eco às emoções a que poderemos chamar de poesia!
Um beijinho.

Fernando Campanella disse...

Ah, me esqueci de comentar, linda a pintura desta postagem. Bjos.

hfm disse...

Calar, amiga? A voz interior nunca se cala.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Com o tempo as emoções tem nome, sobrenome e morada...

Ficou lindo, Graça linda.

Beijo bem grandão.

Rebeca

-

Úrsula Avner disse...

Oi Graça cheguei ao seu blog através do Maria Clara do qual faço parte a convite da Hercília. Amei os poemas postados que são de qualidade literária e belos em sua lírica. Vou linkar seu blog no meu. Grande abraço.

AnaMar (pseudónimo) disse...

Têm sim. vários nomes, de acordo com aintensidade. E quando se esgootarem, inventamos mais.

Nilson Barcelli disse...

Interessante abordagem ao lado sobrio da luz, em mais um excelente poema.
Gostei imenso querida amiga.
Tem um bom fim de semana.
Beijo.

maré disse...

a noite, com o rosto impreciso do pensamento.
as emoções pontuadas de limites.

um beijo, imensíssimo Graça

Ana Oliveira disse...

Que dizer?

Apenas obrigada pelo prazer de ler e pelo mundo de emoções que se despertam.

Um beijo

Ana

Licínia Quitério disse...

Quem sabe responder? Quem sabe?
Doce-amargo Poema este.

Um beijo, Graça.

teresa p. disse...

"Com o tempo as emoções têm nome?"

O importante foi ter vivido as emoções, mesmo as que não têm nome. Foram elas que nos deram maior dimensão humana...

Lindo poema, cheio de emoção...
O quadro é também uma beleza!
Beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

acho que sim, as emoçoes são feitas de nomes e cores, por vezes até aromas.

gostei do poema!

beij

Fa menor disse...

Boa questão!
Tenham lá elas o nome que tiveram, não deixam de ter a sua força quando surgem, mesmo que se desvaneçam com o tempo...
Um poema que faz pensar.

Bjins

tulipa disse...

Sei que gosta de fotografia,
por isso
tomei a ousadia de lhe fazer um
CONVITE:
Estive 5 dias isolada do mundo, num encontro espiritual comigo mesma, num monte alentejano e, por isso tenho que muito rapidamente divulgar a minha próxima exposição de fotografia.

Desta vez será no “Norte” a pedido de várias pessoas, em Fevereiro passado, quando foi a minha 1ª exposição individual aqui próximo de Lisboa, na margem sul.
Como gosto de desafios, houve “alguém” que me desafiou e disse que colaborava, nem pensei 2 vezes e decidi tratar do assunto em Abril passado.

Chegou Setembro e será a minha rentrée cultural.
Fica o convite para quem vive perto e noutros casos, em que a distância impossibilita a presença de tantos bloggers, fica a participação do evento.

Venho reforçar que teria todo o gosto em que estivesses presente na minha rentrée.
Será muito próximo do Porto, em S. Mamede de Infesta.

Já fiz a divulgação no meu blog.

Abraços, TULIPA

De Amor e de Terra disse...

Olá Graça, boa tarde.
Acredito que "com o tempo, as emoções passam a ter nome", sim, acredito!
Assim como acredito na Amizade e peço acredites na minha admiração.
Beijo

Maria Mamede

segredo disse...

Lindo poema e sem precisar de nomes;)
Beijinho de lua*.*

viernes disse...

o, estive este fim de semana na terra de Dulcineia..
Belo encontro,

beijos

maria m. disse...

as emoções têm o nome que lhes damos. mas alguns (como tu, querida Graça) vão além de as nomear... consegues pela beleza e força da tua arte poética fazê-las-nos sentir.

beijos.

Ignotu disse...

Não é só bonito, não é só escrever na busca da rima; é tornar palpável um sentir.
Gostei!

maría nefeli disse...

Essas memórias de Dulcineia têm a cor das respostas...sabes bem o que sinto com essas palavras: "Cómo callar la incoherente voz /del pensamiento/para encontrar las palabras/ con que me invento?"...
um beijo

Vieira Calado disse...

Parece-me que já tinha lido

...em qualquer lado... (rs)


Beijoca

Mar Arável disse...

Os silêncios podem falar

mas só muito baixinho

a menos que gritem

nos teus poemas

que nos interrogam

Luis Eme disse...

as emoções aqui, têm sempre nomes bonitos.

abraço Graça

Maria Clarinda disse...

Maravilha de conjunto...quadro/poema! Adorei andar também pelos teus postas, que escreveste durnte a minha ausência.
Jhs mtos

tecas disse...

Difícil escolher entre o quadro e o poema.Nas " Memórias de Dulcinei XVI", encontrei a beleza nas palavras que sublinho " encontrar as palavras com que me invento".
No quadro ( imagem) a inspiração divina da Arte.
Lindo querida Graça.
Bji

Isabel disse...

.beijo.

sempre.


(piano)

© Piedade Araújo Sol disse...

G.

nao sei a razão, mas já comentei este poema e não aparece.

e sim, as emoçoes tem sempre nome.

gostei.

uma boa semana!

Roberta disse...

Esse poema é lindíssimo, dos mais lindos que já li aqui no blog. Lembro de já tê-lo lido numa outra ocasião. A simbologia, a ambiência, composição extremamente harmônica de soluções e sugestões. Resulta infinito, e emociona demais essa irmã da noite aqui. :)

triliti star disse...

é bom, muito bom vir aqui e poder desfrutar estes poemas, assim oferecidos. é já uma oferta grande, muito grande.
agradeço e nada mais reclamo.

um beijo grande e amigo.

Benó disse...

Não precisamos de as rotular para as sentirmos, não é, amiga Graça?
Um abraço forte.

Isabel disse...

Têem. o nome de Graça Pires.


abraçoooooooooooooooooooooooo.




imf

MADRUGADA... disse...

sublime poema*

LM,paris disse...

Ai que lindo Graça!
"Irma da noite "...
a imagem é linda,e o tempo encontra nomes para as emoçoes, é tao verdade!!!
um beijo grande,
o quadro é também muito bonito.
Até jà Graça,
merci,
LM

heretico disse...

as emoções são o "fogo sagrado" que te consome. no fervor da palavra poetica. que derramas como bençãos.

belíssimo

beijos

Lou Vilela disse...

... nem sempre, Graça! Mas às vezes também são desnecessários...

Belíssima construção!

Beijos

Parapeito disse...

mais um belo momento...
Dias cheios de sentires****

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Com o tempo as emoções permanecem sem nome, mas ganham muito mais significado.

Sempre muito bom estar aqui.
Beijo no coração

gabriela rocha martins disse...

flui a leitura
e a POESIA
acontece

por aqui

tão natural
mente



.
um beijo