9.8.10

Sem possibilidade de fuga

Edward Hopper


Sem possibilidade de fuga
habito a luz intensa da treva
e guardo, no olhar, a líquida sombra,
que sobrevive na memória dos barcos,
quando a madrugada se rasga,
devagar, na plenitude dos mastros.
Eu não sei a cor dos navios,
quando os marinheiros avistam as dunas
e o cheiro quente da areia arde em suas bocas.
Apenas sei a cor agressiva de meus olhos,
condenados à errância das sombras.


Graça Pires
De Não sabia que a noite podia incendiar-se nos meus olhos, 2007

39 comentários:

São disse...

Gosto muito destes poemas que dizem tanto com poucas palavras...
Um abraço grande.

Daniel Hiver disse...

Fantástica imagem que me veio à mente ao ler sobre "a líquida sombra, que sobrevive na memória dos barcos," guardada no olhar que apenas sabe a cor agressiva dos olhos, condenados à errância das sombras.
Muito, muito bom o poema que, ao invés de ler, senti e imaginei.

Benó disse...

É bom, mesmo com as férias muito preenchidas, vir até aqui e saborear mais um lindo poema da Graça.
Uma boa semana com um abraço.

Braulio Pereira disse...

que bom vir aqui

os barcos o mar

as noites rasgadas..

beijo!!

hfm disse...

Hopper e estas palavras... o que poderia querer mais?

Marta disse...

O mar é sempre fascinante....
Há sempre qualquer coisa que se desconhece.....mas quando visível, nunca se esquece...
Lindo....Adorei...
Obriada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Ana Lucia Franco disse...

Graça, belíssimo poema, metáforas, imagens. A errância nas sombras, talvez prenúncio de renascimento e de luz. Felicidade conhecer tua poesia, é realmente muito bem lapidada.

abraços!

manuela baptista disse...

agressiva a cor

se a errância das sombras
pinta desta forma
a memória dos barcos

para que queremos nós a mansidão de um olhar?

pelos fogos da tua noite, Graça!

um beijo

Manuela

Lara Amaral disse...

Meus olhos sempre se incendeiam ao ler tão belos escritos como esses. Parabéns!

Beijos.

Fernando Campanella disse...

Essa líquida sombra que guardamos, como os barcos quando rompe a claridade, é a sombra, ela mesma, que nos acompanha, o duplo, o noturno em nós... e é isso, matérial-prima dos poetas, que traz a arte, a poesia, em forma de luz. Belo poema, minha querida amiga. Um beijo amigo.

Fernando Campanella disse...

Ah, me esqueci, linda pintura do Hopper.

dade amorim disse...

Continuo a gostar muito de seus poemas, Graça. Em especial do que você consegue das palavras, dos sentidos que o poema implica.

Voltando das férias e matando saudades.
Um beijo.

Luis Eme disse...

sim, que coisa linda, sem possibilidade de fuga...

abraço Graça

Nilson Barcelli disse...

"... habito a luz intensa da treva
e guardo, no olhar, a líquida sombra,
que sobrevive na memória dos barcos,
quando a madrugada se rasga,
devagar, na plenitude dos mastros."
Excelente poema, todo ele repleto de belas imagens poéticas.
Beijo, querida amiga.

partilha de silêncios disse...

Muito bonita essa pintura, entrando nela, quem sabe se não descobrimos uma possibilidade de fuga!
Gostei muito do poema.

beijinhos

Virgínia do Carmo disse...

Não há sombras onde não há luz...

(tão bonito, o poema...)

Abraço

teresa p. disse...

"Sem possibilidade de fuga..."

Perturbante o início deste poema, todo ele rico em imagens belas e profundas!
Excelente, também, a pintura de Edward Hopper, mesmo a condizer com as palavras.
Beijo.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"cheiro quente da areia arde em suas bocas" imagem aterradora para um fim de paixao, para algo que só por si se esgota

AFRICA EM POESIA disse...

Lindo passar por aqui.


O ARTISTA

O artista pinta...
Põe a poesia em tudo que toca
O desenhar e o pintar...
São realmente o seu saber amar...

E é essa poesia...
Que faz o artista viver...
Que o faz ser feliz
E o faz sentir amado...

É entre tintas e pincéis...
Que ele consegue amar...
E que transmite os seus anseios.
Num bocado de pano ou de tela...

E tudo fica marcado...
Num bocado de tinta...
E entre cores e cores...
O artista sente-se amado!...

LILI LARANJO

Mar Arável disse...

Nunca serão anónimos os teus olhos

apenas passageiros

Bjs

© Piedade Araújo Sol disse...

que se pode dizer da poesia de Graça Pires, que já não foi dito?

que é bela, rica e perfeita.

por vezes leio e saio calada e em paz.

obrigada por escrever assim.

um beij

Paula Raposo disse...

Gosto imenso deste teu livro: todos os poemas são lindos!
Beijos.

Menina Marota disse...

Poema "Novembro" de Graça Pires entre os 10 mais ouvidos no mês de Julho no Estúdio Raposa.
Para ouvir basta aceder ao link:
http://www.truca.pt/ouro/os-10_mais/os_10_mais_julho_10.html

"...e guardo, no olhar, a líquida sombra,
que sobrevive na memória dos barcos,
quando a madrugada se rasga,
devagar, na plenitude dos mastros."

E no rasgar da madrugada... sentimentos e sensibilidades fluem...

Um beijo e continuação de boa semana

viernes disse...

este poema podia ser um fado, não achas?
tem toda essa força e cheiro a barco no horizonte...
Belo!

Um beijo, graça

Mofina disse...

Os olhos têm sempre uma fresta por onde fugir para além das sombras...

Beijinho

alice disse...

sinto muitas vezes que são as errâncias as grandes inspirações poéticas... um beijinho grande, graça. um óptimo verão para si*

Parapeito disse...

:))
Lindo Graça...
Há momentos em que é bom...não haver possibilidade de fuga...quando aqui chegamos dá vontade de ficar*
Brisas mansas para a Graça***********

mariavento disse...

Sempre inconfundível a tua escrita!

tb disse...

Imagem poética desenhada tanto na foto como nas palavras. Fica sempre este gostinho a (a)mar quando venho por cá passar.
beijinho

De Amor e de Terra disse...

Cada vez que aqui chego, há sempre algo que me enche a alma de alegria ou tristeza, conforme o caso, mas sempre de encanto.
Bj. Graça e obgd. pela partilha.
M.M.

avlisjota disse...

Não há como fugir à errância das sombras, mas há uma intensa luz no rasgar da madrugada.

É um regalo... uma continua aprendizagem, lêr tão bela poesia!
Posso esboçar belos desenhos através dos poemas.

bjs Graça e bom fim de semana!

José

http://cinzasdecarvalho.zip.net disse...

É aqui que colho a leveza expressa da poesia e que, implicitamente, deixa vazar a riqueza do seu interior.
Linda amiga de luz!
Obrigada por compartilhar a essência (nobilissima) do seu ser.
Bj enorme e saudades.
Bárbara Carvalho.

Jaime A. disse...

Uma imagem "contínua", "rasgada" e "plena", sempre.
Adorei mais este seu "impressionismo de e com palavras".
Um abraço.

Nilson Barcelli disse...

Graça, querida amiga, voltei para ler mais poemas teus. Como não há, deixo-te o desejo de uma semana boa para ti.
Beijos.

O Fim disse...

Bom dia.
Procuro escritores que tenham tentado ser publicados e não o conseguiram para dar uma entrevista sobre as dificuldades de publicação em Portugal.
Por favor contacta-me em OfimdaNoite@gmail.com.
Obrigado

Pena disse...

Linda e Preciosa Amiga Poetiza:
Um poema que é um hino fabuloso aos sentimentos mais puros tendo como pano de fundo admirável os barcos e o mar.
Parabéns.
Tem um talento ímpar de sonhar.
Adorei.
Peço desculpa por só agora comentar.
MUITO OBRIGADO pela sua simpatia.
Beijinhos amigos de respeito e estima gigantescos.
Com admiração constante e deslumbrado por tanta beleza poética inconfundível que é a sua.

pena

Bem-Haja, amiga.
É divinal.

A.S. disse...

É sempre um prazer renovado ler os teus poemas Graça!


BjO´ss
AL

heretico disse...

errante teu olhar de luz. malgré as sombras que cultivas...

belissimo. sempre.

beijos

Andrea de Godoy Neto disse...

habitar a luz intensa da treva é para quem tem olhar profundo...

lindo poema, graça. senti miha pele arrepiar
aliás, lindo o teu blog

um abraço pra ti