9.9.10

Memórias de Dulcineia XIX

Ana Pires


Morreste sem alarido.
De que morte?
me pergunto.
Descentrado no tempo,
rasgavas o silêncio
dos caminhos que te perseguiam.
A via-láctea, entretecendo
teu delírio, nunca me devolveu
a forma imprecisa do teu vulto.
Inclino o rosto
para a luz dispersa da lua
e vejo o teu nome
nas pupilas das aves nocturnas.
Deixo, então, que soltem tuas cinzas
na mancha desta página,
onde ainda ressoam os teus passos.


Graça Pires
De Uma extensa mancha de sonhos, 2008

49 comentários:

Paula Raposo disse...

Só sei dizer que gosto. Há poemas que não sei comentar...só os sinto.
Beijos.

Braulio Pereira disse...

a vida apaixonou da morte

e enseguida voou..


beijos meus querida poeta!!

AC disse...

Há poemas que se colam a nós, apelando à sensibilidade latente dos caminhos trilhados outrora. É o caso deste, em que sentires que pareciam adormecidos ficam, de repente, despertos...

Beijo :)

Desnuda disse...

Graça,

as suas poesias são belíssimas. Obrigada pela partilha.


Carinhoso beijo, amiga.

Marta disse...

Em que o tempo fica quieto, à espera....Não se sabe bem de quê...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

© Piedade Araújo Sol disse...

G.

também me comoveu...parece que veio de encontro ao meu, embora eu saiba que não..

e sim, sei porque se comoveu com o meu "ainda doí"

deixo um beijo

carlos pereira disse...

Belo poema; as palavras precisas nos versos certos.
Os fantasmas da morte e a vida para além dela.
Gostei muito.
Vou continuar, decididamente, a visitar o seu espaço.
Um abraço.
Carlos Pereira

Ana Lucia Franco disse...

Tantas são as mortes, Graça, há as que não se sabe e nem se presume, resta decifrar o olhar dos pássaros, ou deixá-los ir.

abrs!

Sonhadora disse...

Minha querida
Apenas fiz silêncio para ouvir este belo lamento feito poema...Lindo e triste.

Beijinhos
Sonhadora

Marcelo Novaes disse...

Graça,


Que nome retumbante, este!




:)







Um beijo.

São disse...

Quantos e quantas de nós morrem sem alarido , merecendo no entanto a doce beleza da tua poesia?
Abraço.

ManuelNeves disse...

Viva!

Profundidade e sentimento à flor da pele.
Obrigado pelo poema.

Se me permite, um beijo

Mar Arável disse...

Que nunca te doam as pupilas

nem os pássaros

nem os dedos

Bjs

dade amorim disse...

Metáfora ou realidade, a morte torna imprecisas as pessoas e cria enigmas.
Lindo poema, Graça.

Um beijo e carinho.

bonecadetrapos disse...

Graça Pires faz parte de um núcleo de poetas consagrados que dispensam apresentação. A sua obra époética inigualável, consistente, madura e estruturada na robustez dos cursos de água, na frutificação das cores é frutada, mágica - um lugar inacabado, promessa de Primavera, onde volto sempre que o tempo inútil não corrompe as vontades.
E leio-a. Leio-a no vagar de todas as rosas, utopia das Dulcineias, companheira, musa, de um D. Quichote intemerato à substância volátil dos sonhos. Leio-a na certeza de que os meus olhos se incendeiam claridade prazerosa, embevecidos com suas palavras, com suas escolhas e nas "searas alheias" donde papoilas nos dão mote a outras viagens. Leio-a na estética psicográfica de uma sinopse onde o conteúdo da obra - a sua vastíssima obra que venho a ler há muito tempo -, me agudiza o imaginário perplexo do conteúdo. Nas entrelinhas de quanto escreve, encontro a tónica distinta do que além do espaço temporal de uma vida perdura. Na memória colectiva. Lírica de referência.
.
.
.
Graça Pires é, indubitavelmente, grande. Grande e generosa. No incentivo do que nos deixa, no espaço que aqui concede. Aqui, estimada Graça, a Boneca de Trapos, descalça os saltos_altos em sinal da maior reverência, consideração. E, em errância [e]terna, parte, não sem

lhe deixar

Saudações com elvadíssima estima e admiração.
*__bonecadetrapos__*

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Essa coisa de rasgar coisas 'abstratas', por assim dizer, dar uma sensação de poder, pelo menos pra mim.

JC

José Manuel Vilhena disse...

...às vezes a memória é como um som triste ao longe,que vai e vem como sinos...não sei,uma tristeza tranquila...
gosto do que escreve,mas isso não é novidade nenhuma.
um beijinho

hfm disse...

Palavras, Graça? Estão todas sintetizadas neste poema.

Lara Amaral disse...

Vindo aqui beber de seus versos incríveis!

Beijo, bom fim de semana.

manuela baptista disse...

morrer baixinho

é de quem sabe o nome das aves

das nocturnas e das outras
como as marcas das cinzas
e dos passos

.

e é Dulcineia afortunada, com uma memória assim...

muito belo, Graça!

um beijo

manuela

Tétis disse...

Olá Graça

Há muito que não passava por aqui.

Nem sempre as coisas são como nós queremos mas o importante é que voltei e, como sempre, fico fascinada com a tua arte, a tua forma tão particular e tão bela de nos transmitires emoções e sentimentos.

Parabéns amiga, hoje e sempre. E obrigada por partilhares e nos proporcionares tão belos momentos poéticos.

Beijinhos


Tétis

pin gente disse...

há passas que sempre ressoarão... mesmo quando o tempo se faz dia e o bulício das horas nos ensurdece.

gostei imenso, apesar de me doer!
um beijo, graça

carol disse...

Quem me dera saber escrever assim!

teresa p. disse...

"...Descentrado no tempo,
rasgavas o silêncio
dos caminhos que te perseguiam."

Palavras e imagens que calam dentro da alma... É mais um poema belo e de grande profundidade!
Linda, também, a foto da Ana Pires.
Beijo.

Úrsula Avner disse...

OI Graça, sua apurada escrita lírica sempre me toca... Bj com carinho.

Luis Eme disse...

a saudade...

abraço Graça

heretico disse...

passos que ecoam pela vida fora...

belíssimo Poema

beijos

Ana Oliveira disse...

Quantos passos de cinza nas páginas da nossa vida e quantos vultos a desvanecer-se no tempo da mágoa.

Obrigada

Um beijo

Benó disse...

Gostei de ler e de ouvir os passos na poesia escrita.
Um abraço e bom fim de semana.

Eduardo Aleixo disse...

Resta concordar com o poema e dizer
Que os nomes
e os rostos amantes
e amados
Conhecidos e desconhecidos
Sonhados
Às vezes não lembrados
Estão no colo das estrelas
E passeiam-se pelos caminhos silenciosos das noites
E falam nos lábios imperceptíveis da brisa
E acenam nos dedos frágeis das ervas...
-----------------

batista disse...

... deixo que o silêncio fale por mim, após ler esses versos.

deixo um beijo fraterno.

Eduardo Aleixo disse...

Graça, o teu poema é triste, mas lindo, e curvo-me face`ao sublime das vozes dos pássaros que o transmitem e às presenças amigas que não nos desamparam muito para além da Via Láctea. Recebe um beijinho.

Helena Figueiredo disse...

Cara poeta,
foi através do blogue "Boneca de Trapos" que aqui cheguei.
Gostei imenso desta poesia, que nos atravessa como flechas, destas imagens, quase vivas, que são cada um dos seus versos.
Parabéns!
Helena

maré disse...

nunca soube que caminhos escolhe a morte quando encontra o coração.
talvez a doença tenha vindo com a sombra que o teu vulto acumulou nos delírios da viagem.
desprendo-me do teu nome e deixo-te as últimas notas: é tão branco o mistério que nos reduz a vida.

______

imenso o meu abraço Graça

Fernando Campanella disse...

"...Inclino o rosto
para a luz dispersa da lua
e vejo o teu nome
nas pupilas das aves nocturnas...".

Maravilha de versos, minha querida amiga, maravilha de poema com metáforas profundas, como a memória da noite.
Grande abraço.

mariavento disse...

O teu estilo inconfundível!!! Belo!

Guilherme F. disse...

gostei do sentido destas memórias.
Gui
coisasdagaveta.blogs.sapo.pt

alice disse...

quando alguém parte num voo sem regresso, deixa deixa as penas das suas asas presas no nosso coração. é a saudade que escreve este poema. um grande beijinho, graça.

afonso rocha disse...

Os seus poemas são uma inspiração para quaquer artista...

"...como seguir uma folha de acácia pela corrente de um riacho..."

Leves...e belos...

Beijo

livia soares disse...

Que lindo, Graça.
Como de costume, aliás.
E mesmo assim, nunca deixa de me causar certo assombro...
mais uma fresta para o desconhecido em nós. Pois não é isso que fazem os poetas?
Um abraço.

Rafael Castellar das Neves disse...

"na mancha desta página,
onde ainda ressoam os teus passos"

Excelente como sempre, Graça...que visão me rendeu!

[]s

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Graçamiga

Eu sou mais de prosa, mas encantou-me este teu poema. E permito-me transcrever os versos que mais me deslumbraram:

Deixo, então, que soltem tuas cinzas
na mancha desta página,
onde ainda ressoam os teus passos.


Creio que vou voltar por aqui e cumentar, com o, sempre que me dê na pobre gana; só te peço que, se assim o entenderes, que dês um saltinho lá à Minha Travessa. Se deixares um que outro cumentário, com o, darei pulos de contente.

Qjs = queijinhos = beijinhos

Mofina disse...

A via-láctea, entretecendo
teu delírio, nunca me devolveu
a forma imprecisa do teu vulto.


Lindo!

viernes disse...

pobre dom quixote, a procurar a efémera imagem de um amor inventado...
belo poema,

beijos!

AnaMar (pseudónimo) disse...

Belo.
Uma dor semelhante se agarra enquanto leio. Sacudo-a devagar, porque sei da importância deste colar substantivo sem perdicado.
Sei da quase morte.
E falo da morte porque amo a vida.
Este poema doeu tanto como a verdade que recuso.
Mas belo. Muito.
Beijo.

Licínia Quitério disse...

Na mancha da página, escrevemos com as cinzas que ficaram que tudo o resto se dispersou.
Um aperto no peito...

Nota: Graça,um MUITO obrigada pelas suas considerações a respeito da minha escrita. Generosa, minha amiga.

avlisjota disse...

Este poema faz-me lembrar uma história que o mestre Luís Alberto me contou.

Permanecemos sempre quem somos mesmo após a morte. Por mais que queiramos inverter a ordem, esta só é durável num tempo ilusório, por fim apenas as cinzas...

Gosto muito do poema!

bjs

José

Jaime A. disse...

"Deixo, então, que soltem tuas cinzas
na mancha desta página,
onde ainda ressoam os teus passos."

Tão secreto, discreto, neste poema há algo de misterioso, algo de escondido que o torna muito belo.
Abraço.

Parapeito disse...

passos em direção à alma de quem a lê doce Graça
brisas doces para si***