15.12.15

Lado a lado com os poemas

Alfredo Cunha

Lado a lado com os poemas desenrolo
nas entrelinhas um glossário reticente
para dizer o que dói neste país de mar
onde se sobrevive amarrando
os pulsos às fragas.
Pesa-me no peito a fadiga das mãos
enrugadas e o choro silencioso
das mães com a fome no colo.
Ferem-me a boca os gritos mudos
em que se desfazem os sonhos
adolescentes previstos no destino.
Há por todo o lado palcos improvisados
onde, em bocas distorcidas, se anunciam
perigos e presságios, ameaças e avisos.
Este é um país de sombras tão baldias
que magoa.

Graça Pires
De Uma claridade que cega, 2015

52 comentários:

Blog da Gigi disse...

Belo poema!!!!!!!!! Ótimo dia!!!!!!! Beijos

Cidália Ferreira disse...

Lindo demais, o seu poema! Parabéns!!

Beijos e um dia feliz.
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Luis Eme disse...

Sim.

Um país que magoa e fere, apesar da beleza e justeza das tuas palavras, Graça.

abraço

LuísM Castanheira disse...

Um belo poema dos dias possíveis...
Cada palavra rasgada na dor
de quem olha um país lindo
mas de esperança ausente
e com fome nos olhos da gente.

Com um beijo, amiga!

Mariangela do Lago Vieira disse...

Oi Graça, amo a tua sensibilidade, que também é a minha.
E fico triste demais, em ver como tantos estão a sofrer, a padecer!
Me magoa o meu País também!
Poema belíssimo e verdadeiro.
Beijos, com carinho!
Mariangela

lis disse...

Os portugueses e suas circunavegações _ há de saber dar a volta e aportar num porto seguro!
Bela poesia cheia de sentimento generoso.
Um bonito Natal Graça
Me orgulho da sua companhia , obrigada.

© Piedade Araújo Sol disse...

sim é!
um país com tantas desigualdades que magoa.
um poema muito rico nas suas palavras escritas com a mestria que já nos habituou.
muito belo
beijo
:)

São disse...

DOLORIDO GRITO, ESTE TEU MARAVILHOSO POEMA!!!!

Abraço fraterno

Teresa Durães disse...

Este é um dos poemas que mais gosto. Parabéns pelo livro

mz disse...

Os poemas têm o peso que lhes queremos dar; choro, fome, grito, sonho, destino. Parece que tocam o fado.

Triste mas muito bonito e emocionante.

Beijo

Mar Arável disse...

Excelente retrato com palavras vivas como são sempre as tuas
poeta amiga
Bjs

José Vilhena Moreira disse...

...sombras às vezes tão claras que...cegam.
bj

Marta Vinhais disse...

Dias difíceis e com sombras... O poema grita toda a dor que se sente...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Daniel Costa disse...

Graça Pires, eis como o poeta, ou poetisa pode ser interventivo. Apetece classificar este um verdadeiro poema alusivo a esta quadra natalícia, em que as desigualdades sociais, mais vem ao cimo, sendo mais visíveis.
Aproveito a desejar Natal de paz!
Beijos

Lídia Borges disse...


"Este é um país de sombras tão baldias
que magoam"

Fiquei presa por longo tempo à sensação de puro desamparo que estes versos me sugeriram.

Obrigada!

Lídia

UIFPW08 disse...

Bellissomo poema complimenti
Maurizio

Maria Rodrigues disse...

Um poema profundo, sentido e belo.
Uma realidade triste e dolorosa.
Beijinhos
Maria

Nal Pontes disse...

". . .Pesa-me no peito a fadiga das mãos, enrugadas e o choro silencioso..."
Poema que reflete o tempo em que vivemos e a dor de quem o bem deseja para si e o próximo.
Parabéns pela palavras que saem da alma. Desejo te ver no meu novo cantinho Pedacinhos de amor sem fim. http://nalpontes4.blogspot.com.br/ Bjs e uma noite maravilhosa

Graça Sampaio disse...

Ui, Graça amiga, que bem descreve aqui a angústia que há meses trago no peito! Era mesmo isto que eu gostaria de ter sabido escrever... Obrigada.

Beijinhos poéticos

Ailime disse...

Boa noite Graça, magnífico poema que com a sua sublime clarividência retrata fielmente a triste realidade que atravessamos.
Tenhamos esperança.
Beijinhos,
Ailime

MARILENE disse...

Um inconformismo belamente descrito. Impossível não sentir a dor que permeia inúmeros corações, face à realidade triste. Não caminhamos de forma diversa. Bjs.

Nequéren Reis disse...

Poema Maravilhoso amei
Vídeo Novo: https://www.youtube.com/watch?v=0r34Wc33xns
Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/

Pedro Luso disse...

Olá Graça.
Gostei muito do seu "Lado a lado com os poemas", poema com toda a sua força social. Parabéns.
Uma boa semana.
Abraços.

Isa Sá disse...

Um espelho daquilo que se vive...

Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia Graça.
Um poema divino que vem de uma alma sensível ao ver o sofrimento alheio, também fico muito triste ao observar uma realidade que não precisava existir se existissem mais amor uns aos outros, muitos vivem falando que a culpa é do governo etc, ate concordo em parte, mas se cada um fizessem a sua parte, o mundo não estaria assim, onde a desigualdade é tocante. Uma feliz semana amiga. Enorme abraço.

Safira Serene disse...

Graça,

Que lindo poema, lado a lado com os sentimentos, revelando-os pouco a pouco. Perfeito.
Beijo.

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Boa tarde, Graça, seu poema nos encoraja a gritar contra as maldades do mundo, não
há como não sentir a dor de um irmão que sofre a dor de não poder nada fazer para amenizar tanto sofrimento, sofremos juntos..... Grande abraço!

heretico disse...

uma rebeldia contida, grito quase a soltar-se,
a latejar no veio do discurso poético

que bela sintese, Graça: "este é um país de sombras
tão baldias que magoa!..."

beijo, minha amiga
.

Morning Dreams disse...

Gostei muito destas palavras!

xoxo, Sofia Pinto
Last Post ♥

Rita Freitas disse...

Palavras profundas e tão sensíveis de uma alma que só pode ser bela.

Beijinhos e um feliz Natal

Fê blue bird disse...

Amiga Graça, deu-nos um poema com a qualidade a que já nos habituou.
Um país, onde a dor, a fome e a ausência, magoa e fere quem tem sensibilidade.

Desejo-lhe um Feliz Natal, com amor, saúde, sorrisos, abraços, respeito, confiança e perdão.

Um beijinho com amizade




Teca M. Jorge disse...

Com intensa agitação interior e repleta de qualidade e sensibilidade...
Um beijo.

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente poema....
Votos de Boas Festas....
Cumprimentos

ManuelFL disse...

A Graça compreenderá que eu invoque a propósito deste seu oportuno poema, que magoa pela sua verdade, um verso de René Char que há muitos anos me deslumbrou: «A lucidez é a ferida mais próxima do sol». São as melhores palavras que encontrei para lhe agradecer este grito, insubmisso a uma condição que não podemos aceitar como pessoas livres e solidárias.

Suzete Brainer disse...

Olá Graça,

Uma foto arte com a tua poética comovente em relação
as dores de um povo em seus gritos mudos...
Este teu poema é um belo grito de alerta!
Desejando um feliz natal com harmonia, paz e amor!
Beijo.

Arroz Di Leite disse...

Belíssimo poema!! Parabéns!!

Bjs

Tânia Camargo

Ana Freire disse...

Um belíssimo poema, Graça, que nos traça um espelho do nosso país... palco de tantas desigualdades e contrastes... mais acentuados ainda, e sentidos, na presente quadra...
Aproveito, para lhe desejar um Feliz Natal, para si e todos os seus... pleno de afectos, paz, e saúde!
Votos de Festas Felizes... a par de um excelente final de semana, que já se avizinha....
Tudo de bom! Beijinhos!
Ana

Maria Sem Limites disse...

Tem mesmo um jeito incrível para escrever...

Pérola disse...

Junto-me neste lamento, neste grito de esperança que parece fugir de nós.

Beijinho

Ives disse...

Parece que o mundo todo esta tão indiferente aos desabrigados né, abração

teresa p. disse...

"...neste país de mar" há dores profundas e silenciosas. É preciso que a esperança chegue ao coração dos homens antes que o desespero se instale.
Este belíssimo poema é como um grito de alerta! A foto é excelente e mesmo a propósito.
Beijo.

Jaime Portela disse...

"Este é um país de sombras tão baldias que magoa"
Dizes tudo (ou quase) neste excelente poema.
Graça, minha querida amiga, tem um bom fim de semana.
E um NATAL MUITO FELIZ, extensivo aos que te são mais queridos.
Beijo.

Lourdinha Vilela disse...

"Este é um país de sombras tão baldias que magoa"
Oi Graça, quanta sensibilidade nesse seu olhar, que de tão belo, suaviza até mesmo a dor . Um trise e real poema. A dor do mundo é tão igual!
Quero desejar a você um Natal de muita paz. Um grande abraço.
bjs.

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Também aqui ao seu espaço, venho desejar-lhe um Santo Natal, com tranquilidade e paz... Mas dizer também que esta imagem toca-me muito, e é o tipo de coisas que valorizo, num poema que a ilustra magistralmente com palavras...

Um beijinho amigo

Magia da Inês disse...

❀✿゚ه
Que nunca percamos a fé no menino de Belém, a pesar de tudo que está à nossa volta!...

Que Ele traga esperança e muitas alegrias para todos nós!!!

Bom domingo! Ótima semana!
Beijinhos.
✿˚ه° ·.

Menina Marota disse...

Dizer-te o que a tua poesia representa para mim seria desnudar a alma de todas as circunstâncias que envolvem o meu pensamento. A luta, a mágoa, os afectos, a ternura, a dor, a alegria, o riso, são um parto que faço sempre que pego num livro teu. Nasço e renasço nas tuas palavras. Obrigada.

Deixo um abraço, Graça. Com afecto e admiração.

AC disse...

Quando a beleza se une à lucidez, eis a caracterização que, de imediato, me assola na leitura do poema.

Um beijinho, Graça :)

Odete Ferreira disse...

Peço desculpa, mas colo-me ao teu sentir; igualo-me neste lamento.
Talvez um dos poemas em que me mais revi pela mensagem.
Dolentemente belo.
Bjo, amiga

Andre Mansim disse...

"Este é um país de sombras tão baldias que magoa"

Que frase mais triste e bela ao mesmo tempo!
Lindo poema, lindo blog!

Parabéns!!!

Marineide Dan Ribeiro disse...

Passando pra te desejar um feliz natal e um ano novo cheio de saúde, paz, e realizações!

Um abraço da Marineide,
http://marciagrega.blogspot.com.br/2015/12/de-que-maneira-voce-colabora-com.html

Toninho disse...

Quando o social bate em nossa boca e turvam nossos olhos.
Os palcos se espalham e crescem nos quatro cantos infelizmente.
Triste mas perfeita inspiração neste outro lado da vida como ela é.
Carinhoso abraço amiga.
Em tempo desejo Um Natal de paz e luz.
Grato pela companhia em 2015 e renovo minha alegria de estar por aqui em 2016
Beijo paz amiga.

Agostinho disse...

Graça Pires,
tinha lido este magnífico poema a rasgar a memória para as realidades presentes. "Nas sombras baldias" a inacção larvar torna esta terra estéril. Que maldição nos atinge - eternos crucificados nas fragas?
Tinha a ideia de ter comentado mas voltando, agora, nada vi.
Bom Ano Novo.