25.9.17

Em seara alheia


Águas vivas

Estão vivas as águas do meu rio,
esta fala e este sentir intenso,
estas escarpas e estas aves
e estas farpas que abrem
asas ao tempo.
Estão vivas estas ervas
que na secura do chão
atiram poemas ao ar
e vestem a fraga nua e dura
de cor, alegria e beijos
de longo e intenso verão.
Estão vivas as palavras
que se roçam aos lábios,
plenas de sentidos, perdidas
na sede da descoberta.
Palavras que atiçam os veios
das águas a fluir no interior da terra.
Palavras que atiçam o gosto
de amoras maduras.

Teresa Almeida Subtil
In: Rio de infinitos. Produção Independente, 2017, p. 52

53 comentários:

Emília Pinto disse...

É bom quando somos capazes de " sentir o gosto das amoras maduras " , quando conseguimos ouvir o chilrear dos passaros, quando tiramos tempo para passear pelos campos e desfrutar das pequenas belezas que nele vamos encontrando; é sinal de que estão vivas as águas do nosso rio, é sinal de que estamos a sentir a vida, a vivê-la com essência, a vivenciar cada pormenor que nos aparece pela frente, embora muitas vezes tenhamos de chorar; a água nem sempre corre de feição, amiga! Com ela vai dor, vai alegria, lágrimas e gargalhadas também, mas é importante que junto mandemos sempre o amor, pois correrá de certeza mais calma, mais serena e muito, muito mais viva.
esta tua " seara alheia " está bela e agradeço muito teres permitido que ,nela, misturasse um pouco da minha. Tentei ser cautelosa para não estragar a sementeira!!! Parabéns à autora, Graça. Um beijinho e uma boa semana
Emilia

✿ chica disse...

Belo compartilhamento.Linda poesia! beijos, ótima semana,chica

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Gostei bastante deste belo poema.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Louraini Christmann - Lola disse...

Muito bom passar aqui,
por este teu cantinho lindo,
neste início de semana.
Busco ânimo.
Busco novas luzes.
Busco...

abraço
Lola

Lídia Borges disse...

Palavra a palavra, o sabor da poesia.

Bj.

Lídia

Alfredo Rangel disse...

Graça
Vivas as palavras de Teresa, a tocar nossos ouvidos e sentimentos com palavras que realmente, como o gosto de amoras maduras, atiçam.
Beijo e uma ótima semana, Graça.

Marta Vinhais disse...

Quando amamos as palavras... deixamos que elas voem assim....
Obrigada pela partilha e pela visita
Beijos e abraços
Marta

Ana Bailune disse...

Está viva a poesia, em tudo o que esteve diante dos teus olhos ao compor este poema... lindo demais!

Cidália Ferreira disse...

Lindo e intenso poema!Amei

Beijo e uma excelente semana.

Agostinho disse...

Viva, amiga Graça!
Escolheu,hoje, um rio generoso, que percorri no gozo pleno dos sentidos (positivos). Ouvi no curso os sons que dele se desprendem. De pedra em pedra.

Quando rio assim são mil
os braços que me enlaçam
de promessas
e beijos

Se correr sem pressas
hão-de emergir espaço e margens
e tempo faz-se em suspenso
no templo das amoras

Bj.

Ana Paula disse...

Pulsante a vida nas palavras, no olhar.
Beijo!

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um poema magnífico que partilha de uma autora que não conhecia, mas que lhe fico muito grata por tê-la dado a conhecer e à sua bela poesia.
Os rios têm tanto a transmitir!
Um beijinho e boa semana.
Ailime

Tais Luso disse...

Belo poema de Teresa, na caminhada, ás vezes extensa, outras nem tanto, mas o bastante para no amadurecimento encontrarmos as amoras maduras. E sem dúvida, vou me considerando premiada...ficando com o que realmente tem relevância.
Beijos às duas!

Mirtes Stolze. disse...

Boa tarde querida Graça.
Que linda poesia. Bela partilha. Devemos saber aproveitar os rios da vida. Horas felizes. Horas alegres e a vida segue. Uma feliz semana amiga. Grande abraço.

María Perlada disse...

Qué bonito tu poema, y así las siento, están vivas tus palabras, tus emociones, tus latidos, está viva tu poesía.

Un beso y feliz tarde.

Mar Arável disse...

Bjs para as duas
Excelente a Teresa

Vanessa disse...

Que belo poema, transpassa muito sentimento!! Gostei bastante
Um grande beijo!

José Carlos Sant Anna disse...

Bela partilha, Graça! Bom conhecer “águas vivas” de Tereza Almeida Subtil, nas quais ela não faz outra coisa a não ser poesia ao elucidar as imagens pelo organismo único e essencial do poema uma vez que, imagem poética, poesia e poema, são única e uma só realidade. É deste modo que ela vai “atiçar o gosto de amoras maduras”.
Um beijo, dileta amiga!

Aline Goulart disse...

Que poesia mais bonita. Além do título ser igual do meu livro favorito, o decorrer da poesia é encantador.

Uma ótima semana.
Beijinhos.

Isa Sá disse...

a passar por cá para conhecer mais um bonito poema.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Graça Pires disse...

Deste livro, “Rio de Infinitos”, escreveu Domingos Raposo no prefácio: Teresa Almeida Subtil, com clareza, sensibilidade estética e cumplicidade com o seu Rio (fonte de sonhos, afetos, desafios, preces, promessas, esperanças…) compõe poemas com essência e perfume, vestindo-os a preceito como se vestisse um corpo com o fato e os adereços do melhor estilista, mostrando que “a poesia é emoção, um grito de liberdade, um brinde à vida” […]
Parabéns, Teresa!

Ana Freire disse...

Palavras, repletas de sentires, sabores e aromas... e que são de facto um verdadeiro hino à vida!
Adorei este poema da Teresa! E descobri-lo, por aqui, Graça!...
Magnífica partilha!
Beijinhos para ambas! Feliz semana!
Ana

Manuel Veiga disse...

as águas em que se move a poesia de Teresa Almeida Subtil, emanam cristalinas do íntimo das coisas, paisagens e rostos que a povoam e acicatam "como sede da descoberta" e atiçam o gosto de sabores primitivos (amoras maduras).

assim, tais águas se apresentam límpidas e vivas, como uma cachoeira onde apetece mergulhar.
como se um baptismo fosse!...

belíssima escolha, Graça.

beijo

Ives disse...

Palavras que atiçam os veios
das águas a fluir no interior da terra.
Palavras que atiçam o gosto
de amoras maduras.
Fenomenal

LuísM Castanheira disse...

Há sempre um rio
que afaga o poema
e como qualquer navio
parte dum porto
em águas do Poeta.

Bela, minha amiga, esta 'colheita'

Um beijo, Graça

Cadinho RoCo disse...

Somos tudo o que vive em nós. www.hellowebradio.com ... você.Vem!
Cadinho RoCo

Sinval Santos da Silveira disse...

Graça Pires, querida Mestra !
As palavras, tão bem descritas por ti,
sim, tem gosto de "amoras maduras",
podendo a tudo traduzir...
Que belíssimo texto !
Aceita, agora, meu fraternal abraço,
aqui do Brasil !
Uma ótima semana.
Sinval.

Victor Barão disse...

Mais uma bela e generosa incursão em "ceara alheia", numa colheita de ricas palavras a finalizar com esquisito doce "gosto de amoras maduras"!
Parabéns à autora Teresa Almeida Subtil e à estima Graça Pires que se predispõe à partilha de palavras ceifadas em ceara alheia
Beijo de consideração e admiração

Marco Luijken disse...

Hello Graça,
Wonderful words.

Greetings, Marco

Existe Sempre Um Lugar disse...

Olá, lindo poema da Teresa Almeida "Estão vivas as palavras" assim continuará, as palavras são importantes em todos as situações quando bem utilizadas.
Continuação de boa semana,
AG

baili disse...

Magical words my friend!

Very Charming ideas dealt with elegance and delicacy!
Loved it!!!!!!!!!!!!!!!!

Teresa Almeida disse...

Maravilhosa surpresa, amiga Graça! É gratificante encontrar um poema - da minha autoria - num blogue de elevado nível.
Reconhecida, deixo um imenso abraço, querida poetisa.

Daniel Costa disse...

Graça Pires
Gostei do ritmo e da subtileza do poema.
Beijos

Pedro Luso disse...

Olá, Graça!
Gostei muito do poema "Águas vivas", Teresa Almeida Subtil, lançado neste ano pela Rio de infinitos. Produção Independente, uma produção independente, como está na tua postagem. Parabéns às duas poetisas, a ti por compartilhá-lo conosco, à ela pelo belo poema e pelo seu livro.
Um beijo. Pedro

FILOSOFANDO NA VIDA Profª Lourdes Duarte disse...

Estais vivas água vivas do meu rio. Bela inspiração, linda poesia amiga. Parabéns! Abraços, tenha uma noite de paz.

Franziska disse...

Hay tantos poetas a los que yo nunca he leído que ha sido un descubrimiento muy a no lvidar, en el futuro. Gracias por compartir.

Hay versos que se quedan y se llenan de significado para quien los está leyendo a mi me han llegado éstos:

Palavras que atiçam os veios
das águas a fluir no interior da terra.
Palavras que atiçam o gosto
de amoras maduras.

El gusto de las moras maduras entre la dulzura y su acento de acidez, son palabras oportunas. Es una bellísima imagen.

Un abrazo. Franziska

Fá menor disse...

E que vivam sempre as palavras vivas, que escorram como águas puras.

Beijinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

Graça

um boa escolha! O poema é sensível bem elaborado e é um hino à vida.

poesia límpida e cristalina que gostei bastante.

beijinhos

:)

Louraini Christmann - Lola disse...

Que linda poesia!
E é tempo de amoras maduras...

abraço
LOla

teresa dias disse...

Olá Graça!
Obrigada por me dares a conhecer Teresa Almeida Subtil - que belo poema!
Mantém viva a "seara alheia", mantém vivas as palavras e continua a deslumbrar-nos com poemas de outros e teus.
É sempre bom passar por aqui.
Beijo.

Jaime Portela disse...

Gosto da poesia da nossa amiga Teresa.
E este excelente poema foi uma boa escolha.
Bom fim de semana, amiga Graça.
Beijo.

Lourdinha Vilela disse...

Lindo!!! E a correnteza desse rio de palavras, me alcançou e embarquei...Nau da poesia.

Sandra disse...

Lindo poema! Bj e bom fim de semana.

Evanir disse...

Não é por falta de carinho,
que tenho ficado ausente do meu blog.
Estou sim com alguns motivos ,
que tem me inpedido de fazer visitas.
Mas jamais esquecerei a grandeza da nossa amizade,
Uma feliz tarde de sabado
Um Domingo abençoado.
Beijos,,Evanir.
Deixei na postagem
mimo sobre Outubro Rosa.
Fique a vontade desejar pegar..
Obrigada amiga és uma das poucas pessoa
que esta sempre presente no meu blog.
Além do sofrimento físico sinto
muita tristeza.
È difícil aceitar que ao ficarmos
com problema .
Sumiu muitas e muitas que só gostou muito de mim,
quando homenageava os blogs sem distinção de ninguém.
Mas ñ fique triste comigo amada,
foi só um desabafo.
Te agradecerei pelo resto dos meus dias.

AC disse...

Já conhecia o poema da Teresa, tão cheio de aromas silvestres. Muito belo.

Odete Ferreira disse...

Mais uma bela e generosa partilha, Graça. Conheço a poesia jactante da poeta e o poema escolhido honra a sua poética.
Bjinho

Maria Rodrigues disse...

Excelente escolha, lindo poema.
Beijinhos
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Tânia Camargo disse...

Amei a sua repartição.
Bjs

Tânia Camargo

Ricardo- águialivre disse...

A beleza inserta no entrelaçar das palavras tornam o poema perfeito. Lindo demais
.
Deixo cumprimentos poéticos.

graça Alves disse...

Bela escolha, novamente.
Bj

FILOSOFANDO NA VIDA Profª Lourdes Duarte disse...

Amigos são como as estrelas no céu. Eles são mais claros nos tempos de escuridão e quando a amizade perdura suportando a distância.
E porque não dizer, podemos chamar de amigos, os virtuais que vence a distância para nos visitar e trazer um elogio, uma palavra amiga, um abraço... E como é maravilhoso! Quantas vezes senti que não estava só lendo seu comentário. Obrigada por sua amizade, que Jesus lhe proteja sempre e se estenda a sua família.
Abraços da amiga Lourdes Duarte.

Profª Lourdes disse...

Querida Graça, essa linda poesia me fez voltar no tempo, quando eu era criança. Era exatamente assim " Como esquecer aquele tempo
em que eu brincava com o vento
e rebolava na erva e cantava"
Linda! Amei. Abraços, fica na paz de Deus.

Profª Lourdes disse...

Uma linda inspiração poética. " À margem de trilhos ao acaso
vagueio para além de mim" Amei!Parabéns querida graça.
Abraços, fica na paz de Deus.