16.9.19

Em seara alheia


Questão

Será o verbo amar uma conjugação calibrada, ou um
mero exercício de hipnose?

Questionava o sonhador, ao apócrifo desenhador de
calçadas propagandistas e ébrias de incertezas.

A resposta esgrimiu vários cenários. Tantos, que o
verbo amar escondeu-se numa falésia,
e apenas exercitou a contagem das ondas num
esboço de marés infalíveis.

José Luís Outono
In: Mares encrespados. Poética, 2019, p. 14

46 comentários:

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Excelente poema, gostei e aproveito para desejar uma boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Giancarlo disse...

Buon inizio settimana

chica disse...

Inspiradíssimo o autor!Linda partilha! beijos, ótima semana! chica

Marta Vinhais disse...

Mas o verbo amar não se pode esconder...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Graça,
Amar é amar e tão somente.
E esse é um verbo para
se conjugar VIVENDO momento
a momento.
Bjins
CatiahoAlc.

silvioafonso disse...

Delícia de trabalho o seu, poeta.
Um beijo e obrigado pela coerência
do relato naquela tarde. Você me
comoveu...

Cidália Ferreira disse...

Muito bom ! :)
-
Fragrância ilusória...
Beijos e um excelente semana

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

El poema que traes a colación sobre el amor, infiere al esconderse que no esperaba tan multipolares conceptos humanos, sobre naturaleza, capaces de ruborizarlo. Un abrazo desde mi cubil colombiano. Carlos

carlos perrotti disse...

Muito obrigado por apresentar este poeta, Graça. Entre os mais interessantes que li há muito tempo.

Abraço grande, amiga!!

Toninho disse...

Este é daqueles poemas Chic, que a gente olha e o vê numa moldura.
Contar ondas e saber a hora de emergir lindamente o amor.
Grato por tão bela e inspiradora partilha.
Beijo amiga e feliz e leve seja a semana.

manuela baptista disse...

é bonito o poema deste autor

e tem a felicidade de se chamar Outono, fica-lhe bem.


beijinhos Graça!

Lucinalva disse...

Olá Graça
Singelo poema, bjs querida.

Giancarlo disse...

Buona serata

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um belíssimo poema do José Luís Outono, que muito admiro e que tive o prazer de conhecer aquando do lançamento do úlitmo livro da Graça.
Quando me iniciei nos blogues visitava igualmente o seu Blogue que não sei se está ativo!
(Mas vou averiguar;))!
Muito obrigada pela partilha.
Beijinhos e uma excelente semana.
Ailime

A Paixão da Isa disse...

Questao quem é que nao faz todos dias adorei bjs bs

Sandi disse...

...interessante...

Makes me wonder.

Franziska disse...

Es cierto que está muy claro para la mayor parte de las especies animales pero que es un laberinto para la mente humana por eso es sano dejar de hacerse preguntas y cuando llegue, limitarse a vivirlo.

Alegres saludos de reencuentro y un abrazo, de propina, por supuesto.

Andreia e Jéssica disse...

Adoramos o poema
Segui-mos o blog
Beijinhos, https://damselme.blogspot.com/

JUAN FUENTES disse...

Los poemas y la cultura,son tus eternos acompañantes

Maria Emilia B. Teixeira disse...

O verbo amar não pode se esconder.
Bonito poema.
Boa noite. Bjs.

Roselia Bezerra disse...

Boa noite de paz, querida amiga Graça!
As marés do Amor são todas contornadas com compreensão e renúncia, coisa que poucos querem hoje em dia.
Doaçao é indispensável e muita paciêcia, pois o Amor merece ser amado.
Tenha uma nova semana abençoada e feliz!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

Sinval Santos da Silveira disse...

Respeitável Mestra, Graça Pires !
Poema prolíxo, já iniciando pelo título.
O Autor, Poeta José Luíz Outono, insere
suas dúvidas em cada verso.
Deixa-me a pensar sobre a beleza da
intenção.
Hipnose ?
Grato, Amiga, pela partilha.
Uma ótima semana e um fraternal abraço,
aqui do Brasil !
Sinval.

Tais Luso disse...

Não conhecia o poeta, minha amiga Graça, gostei muito de seu poema, obrigada por levar-me a conhecer!
Beijo, uma ótima semana!

Isa Sá disse...

Bonito poema.

Isabel Sá  
Brilhos da Moda

Olinda Melo disse...


Querida Graça

Que bom trazer para aqui o Verbo "Amar" para se falar dele
e das suas várias formas de expressão.

Inspirador o poema de José Luís Outono
que nos leva a questionar-nos...

E, na verdade, o Verbo Amar, para se afirmar, só precisa
de ser conjugado nos seus modos e tempos, como nos ensina
Carlos Drummond de Andrade:

"
vamos!
vamos conjugar
o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver."

Beijinhos

Olinda

Anete disse...


Poema que leva-nos a pensar sobre o lindo verbo AMAR... O amor é vibrante e tudo supera...
Abraço nesta boa terça-feira... (Hoje mostro no Fragmentos Poéticos lembranças da querida Portugal.)

Anete disse...


# Digo, querido Portugal!
Com carinho...

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Bom dia,querida Graça.
Os poemas escolhidos e postados, aqui, por você são sempre
motivos para que paremos um pouco dos afazeres diários, e nos debrucemos
nos lindos e reflexivos versos.
O Amor, há tantas maneiras de senti-lo, tantas formas de vê-lo, tantos lugares onde encontrá-lo, saber que ele se esconde...
No final, resta-nos o Amor por inteiro. Muito lindo poema. Grande abraço!

Majo Dutra disse...

É a primeira vez que leio José Luís Outono.
Noto-lhe uma escrita assertiva, veemente, mas ainda assim expressiva.
Grata pela leitura e pelo conhecimento.
Dias realmente bons, minha Amiga.
Beijinhos
~~~~

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Não conhecia o autor chamado Luiz Outono. Poesia é sempre a arte de surpreender, não só com o belo, mas como qualquer arte, com a própria arte que transcende o cartesianismo e o lógico para atingir até ao subconsciente. Parabéns pela postagem e grato pela partilha! Abraço. Laerte.

Delas&Deles ou ViceVersa disse...

Graça,
Hoje venho apresentar um
novo espaço que estamos construindo.
Por lá não falaremos de assuntos
muito comuns, entretanto
são assuntos que fazem parte
da vida de todos nós.
Lá não há o ícone de seguidores,
cada leitor passa por la e lê
o que desejar e comenta se quiser.
Não há obrigações.
Obs: Hoje( e todas as 4as)
temos um conto/
do Palhaço Poeta lá em nossa casa.
Bjins
CatiahoAlc.

fatimawines disse...

Olá, Graça!

Amar como Jesus amou jamais poderia ser um exercício de hipnose.Amar como quem não quer ultrapassa o patamar da hipnose e mergulha no mar do virtual.
Sem qualquer conotação religiosa, Amar é bom e recomenda-se.
bj.
Adriano

CÉU disse...

Olá, minha querida amiga Graça!

Grata pela sua presença e palavras deixadas no meu blogue. Eu sou uma "inventariadora nata" de sentimentos-rs, aliás, aquando da frequência da Faculdade de Letras, "inventariei" muita "coisa" na Biblioteca Nacional, onde passei horas e horas, que recordo com mta saudade. Aqueles meninos de Direito, punham-me a fazer "inventários" sem eu "querer"-rs.

Qto ao seu post, pois é, "isto" é mesmo uma "Questão", bicuda, acrescentarei eu.

Nunca ouvi falar deste escritor, mas pelo que escreveu, ele sabe mto bem aquilo que nos quer transmitir, embora um tanto eruditamente (eu sou popular, mas não popularucha -rs).

O verbo amar, verbo regular da 1ª conjugação, é "o diabo" e não há quem não caia neste paraíso e, por vezes, neste inferno. Sonhadores, racionalistas e sei lá quem mais, vamos todos parar ao mesmo, mas amar é tão bom!

Não vale a pena questionamentos, afirmo eu, pke é algo inato em nós.

Beijos e um sincero abraço.

teresa dias disse...

Olá, Graça!
(e lá voltei eu, da terra das «vaquinhas felizes»)
Gostei de conhecer mais um inspirado poeta da tua seara. E vou ficar pensando nos dois primeiros versos...
Beijo, querida amiga.

Jaime Portela disse...

Muito bom, não conhecia.
Apesar de já ter lido bastantes poemas do autor, que admiro.
Graça, um bom fim de semana.
Beijo.

Gabriel disse...

Ah, amar...
torna-me ébrio até os sentidos.

Bela escolha de poema.

Daniel Costa disse...

Graça Pires valeu a pena passar este produto de Seara Alheia. No meu caso fiquei a fazer ideia de mais um dos bons poetas. Curiosamente, por este poema identifica-se bastante com os teus. Bjs

baili disse...

love is water that take shape of thing which we use to have it i believe

each treat it with it's own philosophy of life but find it one only with one virtue "the depth and the understanding of reason for being in love"

i always enjoy your own poetry and the verses of others you choose to share dear Grace ,spell casting indeed
hugs!

Fá menor disse...

José Luis Outono sempre em grande!

Bom fim-de-semana!

Beijinhos.

ANNA disse...

Gracias por su presencia y las palabras que quedan en mi blog.

Nunca he oído hablar de este escritor, pero por lo que escribió, él sabe muy bien lo que quiere transmitirnos

Besos

manuela barroso disse...

Amar é AMOR
...e só ele, o Amor, nos faz transpor a barreira inexplicável do que será viver nas nuvens.
Só ele, o Amor, nos transporta para um estado alterado( quase) de consciência, isto é, hipnótico.
É um voo. O único fim do nosso plano existencial.
Se não houver Amor, há por exemplo, um planeta em chamas.

Grande Luís Outono. Conheço de nome, sim.
Ótima escolha, minha querida Graça.
Abração

Humberto Maranduva disse...

O amor é um acaso a que nos submetemos por necessidade... ou será uma necessidade a que nos submetemos por acaso? Quer num caso quer no outro, o amor é sempre traumático, e, por isso mesmo "se esconde numa falésia a exercitar a contagem das ondas num esboço de marés infalíveis." O amor é a fantasia que tenta suprir o impossível, para se furtar ao jugo do outro que nos sujeita o corpo e nos cria a ilusão da sujeição objectal... num acto de loucura de-cantada.
Gostei muito deste poema extremamente criativo e essencial, e apreciei, sobremaneira este autor - José Luís Outono - que não conhecia.
Um abraço, Graça Pires, e um bom Domingo.

Agostinho disse...

A contagem das ondas será conformação
de um destino explicável?
A questão foi posta pelo Poeta. Não sei. Gostei do poema.
Beijo.

Teresa Almeida disse...

O amor é tanto que os cenários não têm fim.
Gostei da construção do poema.
Beijinhos aos dois.

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite querida.
Hoje so vim lhe agradecer pelo carinho e amizade. Que Deus te abençoei. Feliz semana. Volto com calma para ler a postagem. Enorme abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...

Graça

fez muito bem em nos trazer a sublime poesia de JLO que admiro muito, como Poeta e fotografo.

as suas crónicas sobre a patuda que ele de vez em quando publica no facebook são deliciosas de ler.

este poema é muito belo e ainda não tinha lido.

Beijos para ambos

:)