9.8.07

Encho os olhos de mar

Michael F. Wood
Encho os olhos de mar
e abro, de par em par,
os meus sentidos,
para deixar passar
todos os barcos perdidos.

Graça Pires
De Outono: lugar frágil, 1993

7 comentários:

Anónimo disse...

lindas fotos y muy lindos cuadros

losochosalvajes@blogspot.com

lena disse...

Hoje não podia passar em silêncio, ler-te e nada dizer.

hoje trazes o mar para oferecer, o mar que tanto adoro, o mar que gosto especialmente quando canta para mim

encho sempre os meus olhos de mar e trago na alma o seu cheiro a maresia

Graça Pires, minha querida Poeta este poema toca-me por inteiro e a tua poesia é sublime, saboreio-a verso a verso, como se cada um fosse um poema

enquanto os barcos vão passando, abraço-te com um grande carinho

um beijo meu

lena

Luis Eme disse...

Que coisa linda... estas tuas palavras, quase salgadas...

Entre linhas... disse...

Olhos de prata em que os sentidos ficam refinados com o rasgo dos barcos a passarem no tempo.
Bom fim de semana
Bjs Zita

Graça Pires disse...

Obrigada anonymus pela informação.

Lena,já percebi que adoras o mar. Eu também, pois nasci numa terra onde o mar se impõe pela fúria e grande beleza. Um grande beijo.

Obrigada Luis e um abraço.

Zita, obrigada pela visita e pelas palavras. Volte... Um beijo.

Menina_marota disse...

O Mar... a minha paixão...

Beijo ;)

Teresa Duraes disse...

tenho vindo ler-te. Infelizmente a minha concentração não anda muito boa. Hoje está melhor. Esta é a justificação (se fosse necessária dar) para não escrever nos blogs dos outros.


Contudo, quis dizer a mensagem.

Tenho lido e gostado