9.9.07

Estranhas cumplicidades

Ansel Adams

Nenhum nome rasga o hálito da escrita.
Nenhum poema nasce de um cansaço submisso.
Corre em minha língua um rio transtornado
e sobe-me, à altura do peito, a raíz de caligrafias
ocultas. Digam-me: em que areal escondem,
as gaivotas, o desterro de seus voos ?
Há sempre uma história ligada à deriva dos navios,
que anuncia a aprendizagem de estranhas cumplicidades.


Graça Pires
De Uma certa forma de errância, 2003

9 comentários:

herético disse...

levanta voo o poema, como navio sem margens. belo, pois claro!

Luis Eme disse...

estranhas mas bonitas... essas cumplicidades...

maria carvalhosa disse...

A descobertas dessas estranhas cumplicidades é o desafio do escritor de ficção, não necessariamente do poeta, que se satisfaz (e alimenta) com o pressentimento das mesmas cumplicidades. Mais, para o poeta, o desvendar dos mistérios pode ter como resultado o seu desinteresse pela matéria que lhe suscitou o sentimento poético.
Estarei enganada, Graça?

Beijos ternos.

maria m. disse...

o poema é feito de cumplicidades, entre a realidade escrita e a realidade ela-mesma e, a nível do texto, entre as palavras, os sentidos, os referentes que evocam, todo um universo de nomes submersos, «desterrados» e à «deriva», que o poeta vai tornando cúmplices na página do seu poema (e não num «cansaço submisso», claro, mas destemido...)

gostei de ler as tuas «estranhas cumplicidades», Graça!

hfm disse...

Repito-me - gosto muito da cadência e da tua poética.

Teresa Durães disse...

é essa história que faz com que um rio transtornado seja necessário ser divulgado

Guilherme F. disse...

Talvez as duas, ao sabor do vento.
Gostei das tuas palavras e agradeço a passagem.
bj
Gui
coisasdagaveta.blogs.sapo.pt

Graça Pires disse...

Obrigada Herético. Tento levantar voo sempre que posso: "como navio sem margens". Um abraço.

Luis, as cumplicidades são sempre misteriosas... Um abraço.

Não está enganada, Maria C. O poeta alimenta qualquer pressentimento e qualquer mistério,mas também se alimenta deles. Um beijo.

Obrigada Maria M. por estas eloquentes e sensíveis palavras. Volta sempre. Um beijo.

Helena, quem não gosta de um elogio repetido? Um beijo.

Teresa, é sempre boa a tua visita. Um beijo.

Obrigada Gui pelas palavras e pela visita. Um abraço.

Mïr disse...

Lindo!!!

Obrigada.