29.1.09

Memórias de Dulcineia XII

Claude Simon
Anoto nas paredes
o eco de teus passos,
mensageiro do mais remoto
assombro em que te sei.


Graça Pires
De Uma extensa mancha de sonhos, 2008

51 comentários:

Gisela Rosa disse...

A Graça chega


"onde se ergue a Flor branca"
poemas ameríndios


São tantas as imagens que recebo deste seu olhar! Obrigada!

Paula Raposo disse...

Muito belas as poucas palavras assim...muitos beijos.

O'Sanji disse...

e o eco ressoa nos meus ouvidos...

lindo, como sempre.
beijo

Mofina Mendes disse...

Seguindo as pistas...

bjs

Maria Clarinda disse...

Maravilha de palavras!!!!Adorei a foto
Jinhos muitos

PreDatado disse...

Não precisam ser muitas as palavras para mostrarem a beleza de um poema.

Teresa Durães disse...

e nas paredes as memórias vão-se acumulando.

pront'habitar disse...

da ingenuidade do traço. ou da sua sofisticação.

belas, a imagem e as palavras.

mundo azul disse...

________________________________

...belos versos!

Beijos de luz e o meu carinho...

_________________________________

maré disse...

... e do eco dos passos

uma árvore

de espanto

e sobressalto

em palavras periféricas
no meu seio.
_____
na aternidade do Belo...
um beijo, grande!

Miguel Barroso disse...

Uma mensagem de saudade-diapasão. Um poema bem regado que floresce dentro de mim.


Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

Miguel Barroso disse...

PS - um eco é algo maravilhoso, ou não conhecemos nós o som do arco-íris?

Hercília Fernandes disse...

Querida Graça,

as memórias da Dulcineia são sempre fantásticas. Lindas aquarelas a colorir paisagens não-esquecidas. Parabéns!

Deixei um "mimo" para você no HF diante do espelho. Quando puder, confira.

Forte abraço,
Hercília.

Mésmero disse...

Sabe mesmo?

hfm disse...

concisão feita poesia - o mais difícil, quase como um haikai.
Dizer belíssimo, é pouco.

mariab disse...

o eco é por vezes o que se grava na memória. tão poucas palavras e tanta beleza...
beijos

espelho sem reflexo disse...

Palavras curtas que chegam longe.
Como o eco dos nossos passos.

abraço

vaandando disse...

... cuidar , na sua mais primeva e humana anotação, a do amor....

Ouço-te_______________
___________ JRMARTO

mié disse...

a memória, essa parede que nos acompanha. sempre.

Um beijo

Leila Andrade disse...

o que nos interessa/assombra ecoa em toda parte da casa...
Bjo

fred disse...

Belo, Graça.
Beijo

Mar Arável disse...

Também nas paredes

sim

JPD disse...

Lindíssimo!
Bjs, Graça

Multiolhares disse...

e as paredes não esquecem
beijos

Véu de Maya disse...

a sonoridade do eco na alma poética que vem da nascente. breve mas intenso e belo.

bjinho

véu de maya

casa de passe disse...

sou um gajo simples que gosta de coisas simples. mas não de todas. e embora não goste que se escreva nas paredes, aqui gostei. muito.


Ernesto, o avô

Isabel disse...

anoto as tuas palavras. como elegia do meu silêncio.







beijo.



(piano)

teresa p. disse...

"Eco" que vai direito ao coração...
Belo o poema e a imagem.
Beijo.

AnaMar (pseudónimo) disse...

Belas palavras em silêncios do passado.

De Amor e de Terra disse...

Passou a ser lugar comum dizer-te que gosto MUITO do que escreves.

Beijo Graça.

Maria Mamede

O Profeta disse...

Dizes tanto...sentes imenso...


Doce beijo

Eduardo Aleixo disse...

Pequenino, mas de ...grande beleza.
Beijo.
Eduardo

adelaide amorim disse...

Poucas palavras para dizer tanto!
Beijo, Graça.

heretico disse...

assombros que teimam...

belíssimo.

beijo

Rogéryo de Sá disse...

Mas quem era a Ducineia?

Pedro S. Martins disse...

Assombro onde nos sabemos todos.

anareis disse...

Estou fazendo uma campanha de doações para criar uma minibiblioteca comunitaria na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,preciso da ajuda de todos.Doações no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Que DEUS abençõe todos nos.Meu e-mail asilvareis10@gmail.com

Pena disse...

Estimada Amiga:
Um poema soberbo de significação imensa. "Um assombro" muito belo!
A Alma, imprescindível ao "sentir" e "ser" das pessoas. Uma sensível Alma que retrata com um doce viver. Que abrange nestes tempos modernos exigentes e inconstantes.
Uma poema "povoado" pela sua intensa beleza de uma pessoa de bem, fantástica e fabulosa que acarreta encanto, ternura e fascínio.
Registei a significação.
Beijinhos.
Sempre a respeitá-la e a estimá-la de forma gigante.
Com cordialidade e amizade...

pena


Bem-Haja, preciosa amiga!
OBRIGADO pela sua amizade e pela partilha deslumbrante de um sensível e gigante poetar.

Adriana disse...

assombro, assobio de que sabemos...bom ou ruim.

Marinha de Allegue disse...

GUAU!!!!.

Apertas Graça encantoume.
:)

Cöllyßry disse...

Nas poucas palavras se diz muito...

Tem presentes, bjca terna

Aqui



ölhår_Îñðîscrëtö...Å ¢µ®¡ö§¡dädë

irneh disse...

São os ecos da memória que vão ficando, são eles que nos fazem sonhar ou chorar...

Bom fim de semana!

Maria Toscano disse...

Caríssimos defensores da Palavra:
hoje,
tocou-me a mim,
oferecer-vos um Prémio,

o qual não vos obriga a nada mais do que,

se quiserem,

saberem de que Prémio se trata
acedendo ao link abaixo

http://sulmoura.blogspot.com/2009/01/blog-post_31.html


Grata pela Vosa Lavra, mt

Vieira Calado disse...

Olá, Graça!

Cá recebi os seus livros.

Muito agradeço.

Eu leio devagar, dois ou três poemas por dia!
Para poder saborear.

A grande qualidade dos que já li, não é novidade para mim.

Sou incondicionalmente seu fã.

Bom resto de fim de semana.

Beijinho.

maria m. disse...

belo este dizer do alongamento da distância.

beijo, Graça.

São disse...

Admirável.
Gosto de textos breves e densos.
Boa semana, Gracinha.

Ailime disse...

Muito sucinto, mas emanando muito amor este seu tão sublime poema.
Admiro-a muito.
Beijinhos.

simplesmenteeu disse...

Talvez se perca a memória dos pés e do andar...
Mas não o eco dos passos de quem abriu caminho dentro de nós...
Abraço

jugioli disse...

Uma beleza de imagem e poema.
JU

dona tela disse...

Cada vez gosto mais de poesia. Acredita, Dona Graça?

Muito boa noite.

Parapeito disse...

...e que belas que ficaram essas paredes ****