2.1.09

Os pássaros

David Valle
Junto ao pelourinho da cidade
as gaivotas convivem com as pombas.
Que aventuras permutam entre si,
quando as manhãs de janeiro
se decoram de quantas viagens
nos cabem nos olhos?
Em seu lento voo, as gaivotas
transportam as habitações sem alma
para incendiar as quilhas
com que as pombas hão-de reinventar
a cúmplice peregrinação da luz.
Este é o tempo em que amamos
o desamparo das mãos.
Os mastros, donde avistámos o sul,
ainda são os mesmos.


Graça Pires
De Ortografia do olhar, 1996

47 comentários:

PreDatado disse...

Apesar da beleza do poema nunca me esqueço do estado em que me deixam o carro.

:)

JPD disse...

Bela abertura de ano, Graça.

Prefiro o voo dos pombos.

Se bem que o filme «João Capelo Gaivota» tenha sido uma magnífica reabilitaçao das gaivotas.

Como a distância entre o Terreiro do Paço, o Município e Belem, afinal, até nem é grande, eis-nos perante um exercício «Manuelino»

Bjs

Paula Raposo disse...

Um poema calmo. Assim o senti. De gaivotas...muitos beijos.

d'Angelo disse...

Asas que se entremeiam a memórias, indagações, reinvenções da luz e constatações que levam ao vôo maior que é a poesia.

hfm disse...

Uma peregrinação pela beleza das tuas palavras.

J.R. Lima disse...

só voar é preciso...

Um abraço!

Isabel disse...

os pássaros ....

o voo que Tu persegues....e alcanças.



sem sombra de espanto.
antes a mesma certeza dos teus livros....que re.leio.

voando. em silêncio.



sou-te grata GRAÇA!

Luis Eme disse...

sim, uma bonita aventura, com olhos para sul...

abraço Graça

gisela ramos rosa disse...

Tu te tiens dans l´air
qui ne te retient pas.

Jean L.Giovanoni, Pas Japonais, p.45



...o desamparo das mãos, a sul, os pássaros, a elevação...


Um grande abraço Graça

Parapeito disse...

e as tuas palavras voam nas asas das pombas...

****

Licínia Quitério disse...

E nós quem somos agora?!

Bom Ano, Poetisa!

Pena disse...

Uma brilhante reecontro disputado pela Luz, num fascinante poema sensível de beleza e imensa agradabilidade de ler e "escutar" com atenção pela sua gigante significação.
Deixou-a com um extrato de um texto meu:
A Pérola preciosa que é a Felicidade quando surge e nos abarca com encanto e magia, não se consegue descrever. Está assente num cantinho precioso de nós!
É intransmissível! É nossa! Faz parte do que nós somos!
Basta um só gesto. Basta um só sorriso! Um só acto. Um semblante emanando simpatia. Muita simpatia!
Porque não havemos de ser simpáticos para com todos?

Beijinhos de respeito.
É agradável lê-la.
Ano perfeito de 2009.
Com cordialidade e simpatia

pena

José Manuel Vilhena disse...

Obrigado pela sua visita ter excedido a simples cortesia.
"...a cúmplice peregrinação da luz..."
Os animais migrantes percorrem enormes distâncias e voltam sempre.Não creio que o façam por se lembrarem.De igual modo a escrita se dirige para dentro...
Sou uma espécie de animal migrante deste seu refúgio...

© Piedade Araújo Sol disse...

para abertura de ano, aqui nos deixa mais um belo poema.

esta frase está sublime:

Este é o tempo em que amamos
o desamparo das mãos.

fica um beij

maré disse...

"os mastros de onde avistámos o sul"
.
.
.
e navegam os olhos
uma rota

voo gaivota
nos dedos-navio
do poeta

______

sempre, reabilitada
com um beijo Graça

LM,paris disse...

Maravilhoso, empolgante viagem sempre nas suas maos!
Lindo convivio entre passaros, magnifico poema.
merci mon amie,
beijinhos de paris,
LM

Vieira Calado disse...

Venho saudá-la

neste dia dos primeiros do Novo Ano.

Bjs

Cata-Vento disse...

Mais um belo poema, amiga.

Os pássaros e a sua liberdade sempre me atraíram. Como é bom voar ainda que com os pés assentes na terra. É a poesia!

Beijinhos

Pena disse...

Ternura Amiga:
Deixo a sua inconfundível beleza e enorme encanto com um extrato de um texto meu:
Neste Ano Novo de 2009, acreditem em Vós e acreditem que há sempre um lugar para a Felicidade.

Sinto perplexidade e espanto quando me assolam pensamentos que advêm de seres infelizes, descrentes de uma felicidade que tarda a chegar, não sei por que razão.

Nem que seja por instantes. Presentes. Pausadamente respirados. Ou sôfregos. Emotivos. Ou frios. Doces. Ou distantes. Ternos. Ou sem ternura. Alegres. Ou tristes.
Mas, intensamente vividos. Plenamente! Repletos de autenticidade. Verdadeiros. Sentidos. Únicos.
A Felicidade também pode ser sofrida. Angustiada porque não surge camuflada, escondida. É real ou sonhada em sonhos bons.

Beijinhos de um sonhador ignorado do mundo...com muito respeito, estima e um "sentir" gigantesco de amizade e encanto pelo que carinhosamente "constrói" com dedicação imensa...
Com cordialidade sentida e sincera

pena

OBRIGADO por existir!

viernes disse...

Os mastros onde avistamos o sul, ainda são os mesmos- Muito belo este final, um bom poema para começar o ano, desde o mesmo mastra, talvez, mas com a confiança renovada na procura.
Um beijo

teresa p. disse...

Um bater de asas e toda a magia do voo...
Acho maravilhosa a frase:
"Este é o tempo em que amamos
o desamparo das mãos"
Beijo.

Mofina Mendes disse...

Por momentos, a maresia deste poema limpou-me o peito e fez-me voar...

Obrigada, obrigada, obrigada.

Pedro S. Martins disse...

Pelo menos voam sem a obrigação de fechar os olhos.

gisela ramos rosa disse...

Muito obrigada Graça pela arte mágica das suas palavras. Um grande abraço

isabel mendes ferreira disse...

e depois de muito voar na procura de palavras que calem, plano aqui de novo. assim como quem sempre regressa. em gratidão.


pois.

beijos e silêncios.

Mar Arável disse...

Tudo de bom

apesar do tempo que faz

antes que ardam

as velas

Benó disse...

Lindo poema, Graça.
Com a cumplicidade da peregrinação da luz te desejo um Bom Ano.

Um abraço.

Susana Miguel disse...

um beijinho, graça. gostei muito deste texto (...) há uma certa melancolia no voo dos pássaros e lisboa sem eles não teria o mesmo encanto. deixo-te um abracinho de amiga e que 2009 seja muito bom e cheio de coisas simples daquelas que ficam;)

Eduardo Aleixo disse...

O mais importante do poema, para mim, é o que as gaivotas disseram às pombas e o que as pombas disseram às gaivotas. Não sabemos. Mas gostava de saber. Porque gosto muito de pombas. E gosto de gaivotas. E acho que deviam fazer amor para que nasça um pássaro filho de pombo e de gaivota. Isto é, da terra e do mar. Esse pássaro será completo, se o amor for bem feito e os genes bem distribuidos.
Bom Ano, querida amiga.
Beijo de gaivotão.
EA

Teresa Durães disse...

mas as gaivotas são agrestes apesar do seu voo ser magnifico

alexandrecastro disse...

Pela qualidade do seu blogue, decidi partilhar consigo o Pémio Dardos.
Passe pelo meu cantinho.
Um beijo
alexandre

batista disse...

que os homens aprendam com as gaivotas e pombas permutar a grande aventura em busca da Paz.

deixo o meu abraço fraterno, nesse momento em que minh'alma contristada dirige uma oração pelo término do massacre contra os irmãos palestinos.

hora tardia disse...

Graça..............



(não mereço...não...as palavras na dispersa palavra....)


.


abraço. bom.

heretico disse...

infelizmente por entre gaivotas e pombas e a doçura de seu voo planado, adejam os falcões. predadores.

tempo de desamparo das mãos. tens razão.

comovente poema.

beijos

São disse...

...e como doem as mãos desamparadas.

Que tenhas as romãs que desejas neste Dia de Reis: as minhas te aguardam lá em casa.

Um Dia feliz, Graça!

mié disse...

...

saio


em peregrinação da Luz.



um beijo

Hercília Fernandes disse...

Querida Graça Pires,

Mais um belíssimo poema, fruto da fortuna criadora de uma alma sonhadora. Parabéns!

Mas, venho também em o Ortografia do olhar agradecer-lhe o envio dos livros. Sim, eles chegaram!

Você não calcula a minha alegria ao recebê-los. Estou encantada com o seu delicado gesto, e irei degustá-los com os sentimentos e os cuidados devidos.

Inicialmente, parabenizo-lhe pela boa escolha dos títulos e bom gosto na apresentação visual-gráfica das obras. Belo!

Querida amiga,

“eu não sabia que a noite podia incendiar-se nos meus olhos” (Graça Pires, 2007), porém percebo que:

“Em seu lento vôo, as gaivotas
transportam as habitações sem alma
para incendiar as quilhas
com que as pombas hão-de reinventar
a cúmplice peregrinação da luz”.

Que bom que nesses vôos [de poetas] podemos nos encontrar!

Muitíssimo grata por sua generosidade.

Forte abraço,
Hercília Fernandes (RN-Brasil).

trouble sleeping disse...

Olá

Véu de Maya disse...

lindíssimo como sempre...
que 2009 decorra com saúde, amor, sonhos e muita felicidade...

abraço

Véu de Maya.

Nilson Barcelli disse...

Confesso que não consegui descodificar satisfatoriamente o teu poema.
Talvez devido ao cansaço após um dia de trabalho.
Mas voltarei, e em voo picado (espero não afugentar a passarada...) descerei ao âmago do poema, entrarei nessas "habitações sem alma", que ainda não sei quais são (vou entrar nas casinhas da obra e ver se as gaivotas, umas porcas, cozinham e comem no mesmo sítio...), e aquecerei as minhas mãos nessa luz, que não sei de onde vem... será do calor dos bolsos...?
Resumindo, às vezes és mais difícil que o Camões...
Um beijo.

Victor Oliveira Mateus disse...

Cidade de cumplicidades partilhadas: as gaivotas trazem o que depois os pombos iluminam...
ao contrário do desamparo das mãos.
Foi o que consegui ler...
Um beijo, Graça.

AnaMar (pseudónimo) disse...

"Este é o tempo em que amamos o desamparo das mãos."

Quanta beleza na força desta frase.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Lindo. Um olhar único de poeta sobre a cena.
beijo no coração

De Amor e de Terra disse...

Muto belo! Muito dor!!!

Bj

Maria Mamede

Assis de Mello disse...

Mestra,
Majestoso lirismo.
Li, reli, voltei a ler. Hoje quero adormecer pensando nessas aves.
Um beijo,
Chico

pront'habitar disse...

os mastros, de onde avistámos o sul, são ainda os mesmos e, os homens continuam sem seguir o exemplo das gaivotas e das pombas...

maria m. disse...

«Este é o tempo em que amamos
o desamparo das mãos.»

Belíssismo, Graça!