6.4.09

Na proa dos barcos


Na proa dos barcos reconhecemos
os ventos tropicais.
Um cais torna-nos marinheiros
de um destino sem remorsos.
Ninguém põe em causa a perfeição
do voo das gaivotas nos corpos dos meninos
que rebolam, pela areia, a inocência do olhar.
Há uma rota, plural de outras rotas,
que pressente naufrágios a poente dos afectos.
Sal que vicia os lábios e magoa
como um punhal de sede.
Braço de água-doce
comprometido com um mar inacessível.


Graça Pires
De Conjugar afectos, 1997

48 comentários:

Licínia Quitério disse...

"Um cais torna-nos marinheiros
de um destino sem remorsos."

E não há retorno.

Obrigada, Graça.

maria m. disse...

todo um imaginário marítimo perpassa por este poema, riquíssimo em imagens e de uma beleza extraordinária.

beijo, Graça.

Adriana disse...

Há uma rota, plural de outras rotas... Graça, é assim também na vida, mil rotas que levam a outras mil, não há um só caminho, um só jeito...que bom é ser plural.Muito significativo.bj

simplesmenteeu disse...

Cais onde perdemos o olhar...
Sonho de mares por descobrir.
Onde estendemos as asas e ensaiamos voos impossíveis... Divididos entre o estar e o partir. Entre o sabor adocicado do que se conhece e o sal tentador da aventura...

Lindas imagens como sempre.
Beijo. Sempre grata.

Isamar disse...

Gosto muito da tua poesia e quando o tema se relaciona com o mar ainda mais.

Lindo, lindo poema!

Beijinhos

Bem-hajas!

d'Angelo disse...

Um texto maravilhoso de um livro idem. Qual a razão de ainda não terem batizado uma estrela ou uma constelação com o nome de Graça Pires?

Pena disse...

Linda Amiga:
A sua linda poesia "enfeitiça" de ternura qualquer pessoa.
"...Ninguém põe em causa a perfeição
do voo das gaivotas nos corpos dos meninos
que rebolam, pela areia, a inocência do olhar.
Há uma rota, plural de outras rotas,
que pressente naufrágios a poente dos afectos..."

Que "coisa" mais linda e deliciosa.
Parabéns sinceros.
Extraordinário.
Beijinhos de gratidão pela sua amizade.
Com respeito e poderosa estima

pena

Adorei! Sublime.

Peter Pan disse...

Linda Amiga:
A sua sublime poesia expressa magia, doçura e encanto.
São versos-"explosivos" de beleza e pureza. Lindos e deliciosos.
Parabéns pelo brilhantismo que manifesta.

Beijinhos de respeito e gratidão pela sua amizade.
Com respeito e sensível estima

pena

Adorei! É linda, sabe?

alice disse...

o mar é bem mais navegável com as suas palavras, querida graça. um grande beijinho.

Eduardo Aleixo disse...

Não tenho palavras para a beleza inebriante do teu poema. Talvez a palavra Magia. Tudo tão lindo, querida amiga
Beijo. E boa Páscoa.
Eduardo

Vieira Calado disse...

Excelente, como sempre!!!!

Beijinhos

Marta disse...

O fim ou principio de tudo???
Descobre um novo porto, um novo rumo, às vezes uma nova vida....
Lindo
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

segredo disse...

Texto encantador;)
Beijo de lua*.*

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Quando 'um cais torna-nos marinheiros de um destino sem remorsos', a vida ganha o sentido da aventura perfeita dos nossos sonhos.
Belo e único como todos os que escreve. A tua pena, Graça, tem a marca da singularidade.
beijos de luz e inspiração!

Jaime A. disse...

Um mar que brota, comprometendo...
Gostei muito.
Abraço.

maré disse...

"há uma rota, plural de outras rotas"
e um silêncio despido
uma respiração que treme
rendida à própria sede.

_______
e é tão belo, tão belo Graça, que já me havia tirado a respiração
.
e entrego-te um beijo, imenso.

Teresa Durães disse...

lindo poema que nos dá umainmagem muito viva!

dona tela disse...

Apesar das circunstâncias vigentes, auguro-lhe uma Boa Páscoa.

Até breve.

fred disse...

Belíssimo poema.
Beijos

Luis Eme disse...

sim,

ninguém põe em causa, e há uma rota, o o Sal que vicia e greta...

nem o mar inacessível...

abraço Graça

JMV disse...

"Um cais torna-nos marinheiros"
E poucas coisas são tão verdade!


um beijinho

Naty e Carlos disse...

Olá passei para te desejar uma feliz Páscoa.
bjs naty e carlos

heretico disse...

"punhal de sede"... que teu poema ilumina.

belíssimo.

beijos

teresa p. disse...

Imagens poéticas de imensa beleza e profundidade...
A tua poesia "Braço de água doce
comprometido com um mar inacessível." Maravilha!
Beijo.

Vanessa disse...

Lindo poesia!
Eu adoro as pinturas do Monet!

bjs

São disse...

Continuo a gostar !
E te desejo uma doce Páscoa com os teus.

De Amor e de Terra disse...

"Na proa dos barcos", conhecemos, por vezes, as origens deles e nossas, a alegria da chegada e a nostalgia da viagem, sempre que o repouso cansa...

Bj

Maria Mamede

A.S. disse...

Há uma rota, plural de outras rotas... mas o poeta procura sempre a rota nos obscuros redemoinhos...

É sempre uma deliciosa aventura, navegar nesta mar Graça!...


Beijos e Boa Páscoa!

Pena disse...

Admirável e Extraordinária Amiga Gigante:
Que musicalidade tão doce e maravilhosa num poema lindo de palavras extraordinárias.
Excelente, amiguinha. Um talento e génio notáveis.
Um maravilhoso "instante" poético grandiosamente significativo de sonhar e sonhar...
Sensacional, a sua Arte mágica num blog de maravilhar e fascinar. Repleto de ternura e encanto...
Beijinhos amigos de imenso respeito.
Bem-Haja, amiga!
Com admiração e estima enormes
O AMIGO SINCERO

pena

MUITO OBRIGADO pela sua amizade.

VFS disse...

"Há uma rota, plural de outras rotas (...)"

na conjugação dos afectos é imensa a pluralidade.

Graça, que belo poema!

Baudolino disse...

Excelente!
Boa Páscoa.

Mofina Mendes disse...

Que essa rota de todas as rotas se alcance!

Bjs e Boa Páscoa.

Gisela Rosa disse...

palavras de "água-doce"
comprometendo esse "mar inacessível"..

Lindo_________________________
Um beijinho Graça

ESCONSOLADO disse...

Fizeste novamente. O texto encaixou em algo interior e arrancou para fora por identificação. Posso usar com citação?

Nilson Barcelli disse...

Talvez por falta
de bússola,
perdi o rumo...
Naufraguei,
sem aportar ao cais
do entendimento,
porque que me perdi
no mar de sargaços
das tuas palavras.
Fiquei sem leme
e sem hélice,
com a proa
sem destino…

Cara amiga, Páscoa Feliz.
Beijo.

Véu de Maya disse...

A leveza do teu olhat tão poético num cenário tão lírico e intenso.

votos de Páscoa muito feliz.

beijinhos,

Véu de Maya.

Peter Pan disse...

Linda Amiga:
Fantástico. Fabuloso. Lindo.
Só as estrelas poderão "comungar" consigo a bela poetisa que é neste momento poético delicioso e mágico na amizade e reflexão da comemoração Pascal que se celebra em todo o mundo Católico.
É preciosa, sabia...?
Linda...!
Beijinhos

P.P./Pena

Desejo-lhe uma Feliz Páscoa junto dos seus.
Bem-Haja pela grandiosidade do Ser Humano que é.

Marta disse...

Passei para te desejar uma boa Páscoa
Beijos e abraços
Marta

mateo disse...

Um mar de metáforas. Um cais para uma nova partida/chegada.
Bjs

Lou disse...

Seus poemas nos brindam com lirismo e beleza!

Um grande abraço,
Lou

viernes disse...

um cais torna-nos marinheiros de um destino sem remorsos...

palavras acertadas que desvelam a viagem que nos define como pessoas... sempre um cais expectante...

um beijo

Monte Cristo disse...

Tudo - também o voo das gaivotas, as inocências plurais e, até, o sal - se conjuga nos versos hábeis. É poesia que em todos habita - e não o contrário.

Gostei muito...

Um grande beijo.

Isabel disse...

nesta proa sempre "minha"....sou sempre um barco a navegar sobre as suas palavras.



Um forte abraço. Graça.




(piano)

partilha de silêncios disse...

Lindo poema !

O cais, onde perdemos o olhar, lembra-nos que a nossa vida é uma viagem.
Sempre divididos entre o estar e o partir de um destino sem remorços.

No cais, devemos manter a perfeição da inocência do olhar.

um beijo

Victor Oliveira Mateus disse...

"Na proa dos barcos reconhecemos
os ventos tropicais"

Eu li "isto" aplicado aos humanos,
à forma como intuimos as tempesta-
des... e a bonança também.

E depois aquele Monet... hum, fica um post magnífico!
Um beijo, Graça.

Maria Clarinda disse...

Maravilha, Graça!!!!

Parapeito disse...

..Que graça de poema Graça...
E que hajam sempre cais para partidas...e chegadas.
**********

deep disse...

praia de palavras salgadas escorredno pelo olhar