20.8.09

Itinerário do silêncio

Ana Pires

À espera de um momento de luz
retorno, sem hesitar, ao itinerário
secreto do silêncio e cultivo a solidão

multiplicando as sombras.
Peregrina de outra luas,
resgato a música
que me restou da infância,
como um sobressalto,
ou uma canção de embalar,
ou água fresca a ferir-me a boca,
de tanta sede.


Graça Pires
De Não sabia que a noite podia incendiar-se nos meus olhos, 2007

47 comentários:

Marta disse...

Sempre bom ter recordações felizes...
Música que nos fazia sentir bem..
Livro antigo que nos fez e continua a fazer chorar...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

simplesmenteeu disse...

Peregrina de caminhos da solidão, onde as sombras se fecham sobre a luz.
E, sempre o retornar ao tempo da inocência, para resgatar a fé perdida, quando todas as ruas se abriam à cidade imaginária dos sorrisos e da ternura.

Como sempre, aqui, a magia das palavras. Como o sobressalto de uma pureza esquecida.

Um abraço(cheio de ternura)

Paula Raposo disse...

Muito belo, Graça! Como sempre. Gosto muito de te ler. Obrigada pelo teu carinho. Beijos.

Amélia disse...

Gostei - gosto - muito, Graça.Um beijo

james p. disse...

"resgato a música,
que me restou da infãncia"

Lindo poema,que me levou de volta,por um instante,de volta ao passado.Parabéns e um abraço.

casa de passe disse...

recordações

dentro ou
fora
do barco?


(nini)

JMV disse...

Poema lindíssimo!!!!!

um beijinho

hfm disse...

Onde as sintonias e as empatias falam tanto quanto a poética. Belíssimo!

nina rizzi disse...

dei uma lida no blogue. engraçado é que eu pensava no seu olhar e agora levanto um pouco os meus e vejo que o nome do blogue diz algo assim.

e o seu olhar é bem particular, graça, como uma flor. gostei :)

beijos.

Fred Matos disse...

Belo, Graça.
Beijos

Ana Oliveira disse...

Tanta sede de água e de luz...sempre.

Obrigada pelo previlégio da leitura.

Beijos

Ana

VFS disse...

"(...) itinerário secreto do silêncio (...)"

onde se ouvem as luzes da criação.

belíssimo poema!

beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema como sempre muito bom, transmite pinceladas de memórias e paz.

obrigada!

© Piedade Araújo Sol disse...

Em tempo!

a foto está muito bem "casada" com o poema.

um beij

Vieira Calado disse...

O ritmo adequado e escorreito
impôe-se neste seu belo poema.


Bjs

Pormenor disse...

Poeta é silêncioso
e berrante na escrita.

Obrigado pelo minuto passado ;)

Adriana disse...

Graça, lindo.Cultivar a solidão é muitas vezes motivo de sabedoria...

rouxinol de Bernardim disse...

Recordar é viver

Fernando Campanella disse...

a alma tão vasta, a multiplicidade dos eus... a memória, tantas vezes, um silêncio que nos resgata - límpido poema, belíssimo , assim como a foto, tudo muito bonita, quando a memória é poesia. Bjos.

maré disse...

o itinerário secreto do silêncio.
o caminho de todos os encontros na sede inocente da luz.

em que instante morremos nas sombras e ressuscitamos no silêncio a tactear a secreta luz onde poisar?

_______

é tão belo Graça.
e eu poiso-te um beijo, imenso e límpido.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Graça,

Esse momento de luz ilumina toda essa trajetória.

Beijo grande, menina linda.

Rebeca

-

Luis Eme disse...

o silêncio pode e deve ter luz...

(e música e poesia)

abraço Graça

Priscila Lopes disse...

Hummmmmmmmmmmm... adorei, especialmente o "desfecho"!

Escrevinhador disse...

Olá,

Antes de mais, quero dar-lhe os parabéns pelo seu magnífico blogue. Acho que é deste tipo de blogues onde se promove, entre outras coisas, os hábitos de leituras que fazem falta na blogosfera. Vou ser leitor assíduo dos seus textos que são muito interessantes. Aliás, tornei-me seguidor para puder acompanhar o seu blogue com mais atenção.Continue o seu trabalho

Convido-o a visitar o meu blogue: o Interjeições, em interjeicoes.blogspot.com.

Escrevinhador

Paulo Monteiro dos Santos disse...

Graça,

Obrigado por mais esta, entre outras incontáveis, pausas.

Paulo

LM,paris disse...

Querida Graça,
esta luz que nos atrai num silêncio de sombras antigas...
é lindo, como uma cançao de embalar dores, antigas, elas também.
Bjos de Paris com muito
carinho para si.
Sempre tao belo e comovedor este seu espaço, acompanha-me cà dentro.
sua LM.

heretico disse...

"água fresca a ferir-me a boca
de tanta sede..."

bebida assim pela concha da mão!

belísismo.
beijo

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Graça,

Escrever com o amor totalmente alterado deixa o texto perfeitamente encantado.

Noite de luz, menina linda.

Rebeca

-

viernes disse...

quando ouço falar de sobresaltos e canções de embalar, penso no Zeca...
belo poema

Beijos

avlisjota disse...

Um momento cultivado, no silêncio e na penùmbra. Resgatado na Infância, para saciar a sede!

Muito poética, a sua poesia Graça gosto muito!

Beijos José

Jaime A. disse...

O silêncio, sempre, para sempre. Adorei a multiplicação das sombras, as músicas que vêm da infência...
Feliz o que tem memórias felizes...

Gisela Rosa disse...

"retorno, sem hesitar, ao itinerário
secreto do silêncio e cultivo a solidão"


Graça esse "itinerário secreto" é também uma forma de "embalar Deus dentro de si" como nos diz M.Teresa Dias Furtado a propósito de Rilke em O livro de Horas,



Um grande beijinho

partilha de silêncios disse...

Sem multiplicar as sombras, cultivo a solidão à espera de um momento de luz. Adorei o seu poema, obrigada.
bjs

Ailime disse...

Silêncio e solidão proporcionam-nos momentos únicos para nos reencontramos com as lembranças dos tempos que fazem parte da nossa história.
Muito lindo.
Um beijinho.

Carlos Teixeira Luis disse...

tão belo quanto um passeio de silêncios...

abraço.

São disse...

Que a tua semana seja de água fresca e pura.

Abraço.

Teresa Durães disse...

são as recordações da infância que muitas vezes nos lembram os nossos alicerces

Regina disse...

As mais belas músicas são as da infância, sim!

Beijo grande.

Marinha de Allegue disse...

Gratificante itinerario Graça.

Unha aperta de novo.
:)

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Retornar ao itinerário secreto do silêncio é cultivar a solidão de nós mesmos.
Esse poema soou-me tão familiar, Graça e você sabe o porquê.
Tuas palavras matam-me a sede.
beijo no coração

Jaime A. disse...

O caminho do silêncio, a opção da multiplicação das sombras.
Sempre certeira nas imagens que tão bem cria.

Chris disse...

Peregrina das palavras subtis.
É uma honra passar por aqui...
Bjs
Chris

Mar Arável disse...

Boa memória

Bjs

Licínia Quitério disse...

Indesmentíveis reflexos da infância. Sempre em fundo do quadro que vamos pintando. Muito belo, Graça.

Parapeito disse...

Bonito...muito bonito
Que se fala Luz
Dias cheios de brisas mansas
***

Maria Clarinda disse...

E maravilhosa descoberta...
Lindo, adorei!
Jinhos mil

gabriela rocha martins disse...

ainda há peregrinas de poemas abertos às memórias da infância

belo



.
um beijo