17.10.09

Outono: lugar frágil

Edouard Boubat


Acendo as mãos para aquecer o olhar
de quem atravessa apressadamente o outono.
Um morno ruído desdobra o voo quebrado
dos plátanos obstruindo um caminho
desenhado a carvão por onde passeio
à beira dos acontecimentos e das sílabas,
alheia a tudo, como se pudesse passar
o resto da vida à sombra do pólen das palavras
e adormecer no confluir da transparência
e da luz, neste outono: lugar frágil.


Graça PiresDe Outono: lugar frágil, 1993

51 comentários:

Paula Raposo disse...

Belíssimo este teu poema! Um lugar tão frágil o Outono, tal como nós o somos...beijos.

Úrsula Avner disse...

Oi Graça, lindo poema como tantos outros que já apreciei aqui. Bj e um ótimo fds.

Gisela Rosa disse...

Graça, o poema e a imagem que escolheu completam-se. O seu poema tem imagens líndíssimas. Adorei!


Um grande beijinho

Mésmero disse...

aqui só tem duas estações: o verão e a Estação Ferroviária. rs


um abraço!

Eduardo Aleixo disse...

Lindo o seu poema, amiga.
Mas fragilidade aparente: preparação secreta para os frios rigorosos do inverno!
Doce e terna fragilidade...
--------------------------
Obrigado pelo interesse na aquisição do meu livro.
Fico contente.
Se me desse a sua morada eu mandavo-lho, assim como o meu NIB.
Pode contactar-me para o meu email,sff, já que eu não teho o seu.
Beijo

Marta disse...

O Outono, apesar das cores fortes e bonitas, torna-nos frágeis realmente...
Gostei da imagem...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

romério rômulo disse...

graça:
venho e te deixo um abraço.
romério

Ana Oliveira disse...

É a alma que assim vê o outono!
Um tempo suspenso, que se quer breve, entre o passado e o futuro.
Dói-nos sempre.

Lindo!

Um beijo

Ana

JMV disse...

É lindíssimo.Como um canto baixinho.

© Piedade Araújo Sol disse...

GP

tanto o poema e a imagem estao muito bons, retratam bem a estação.

um bom fim de semana.

um beij

São disse...

O Outono não é estação de que goste, mas a tua poesia sim.

Um grande abraço.

Adriana Karnal disse...

Ai qe triste e kindo poema Graça...sabes tirar a delicadeza da imagem ,bem como sua crítica.É sempre uma poesia esar aqui.

Fred Matos disse...

Ótimo poema, Graça.
Bom fim de semana.
Beijos

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Graça,

Palavras que têm polén sabem o valor da flor de um sentimento.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Tétis disse...

Olá Graça

É sempre com prazer que aqui passo e te leio.

Mais um momento maravilhoso de poesia que nos ofereces com este teu "Outono: lugar frágil".

Parabéns amiga e obrigada.

Beijinhos

Pena disse...

Oh, Perfeita Poetiza Amiga:
Que lindo poema, cuja fragilidade delicia e maravilha no epílogo de um Outono sentido de fascinar e maravilhar.

"...desenhado a carvão por onde passeio
à beira dos acontecimentos e das sílabas,
alheia a tudo, como se pudesse passar
o resto da vida à sombra do pólen das palavras
e adormecer no confluir da transparência
e da luz, neste outono: lugar frágil..."

Parabéns por todos estes instantes de magia poética pura e extraordinária. Maravilhosa.
Bem-Haja pela sua amizade.
Com imenso respeito e estima.
Admiro-a imenso, sabia?
Beijinhos amigos de sinceridade.
MUITO OBRIGADO pela fabulosa visita que adorei.
Sempre a lê-la atentamente...

pena

A sua poesia sente-se em cada verso. Em cada instante.
Deslumbra, amiga!

Benó disse...

Tudo é frágil neste breve tempo da nossa existência.
Um abraço e um óptimo fim de semana, Graça.

Luis Eme disse...

lindo...

neste Outono quente, ainda armado em forte, a esconder as "fragilidades"...

abraço Graça

Isabel disse...

a fragilidade nunca será o seu lugar Graça. Nunca.


antes a extrema força da sagesse e da cumplicidade com o adentro do sentido das estações de uma escrita que se cumpre.

(gosto tanto).



beijo. da imf.

DE-PROPOSITO disse...

lugar frágil.
---------
A fragilidade é constante para os desfavorecidos da sorte. É algo que os deuses determinaram.
------------
Que a felicidade ande por aí.
Manuel

maré disse...

ou não fosses a ponte que desbobra o caminho das sílabas

ou não fosses o tronco inteiro da palavra que aquece o olhar e redime do frio...

_______

o mais forte possível
e de imensíssima ternura o meu abraço, querida Graça. Falta pouco para um beijo

viernes disse...

a fragilidade é ler con calma um poema, como quem olha para um retrato pintado...
belos versos outonais...
beijos!

JPD disse...

Bonito.
Muito bonito.

Belíssimo, este teu poema.

Convite:

http://oguizoeogato.blogspot.com

(Agora que «A Gaiola De Darwin» evoluiu para "etiqueta")

partilha de silêncios disse...

Lindo poema sobre o outono e a sacralização das árvores e do amor.

bjs

Véu de Maya disse...

enternecedor e muito belo...

beijinho,

véu de maya

d'Angelo disse...

Impossível passar apressadamente por seu poema ou deixar a vida sem a luz de suas palavras, Graça.

Fernando Campanella disse...

...à beira dos acontecimentos e das sílabas,
alheia a tudo, como se pudesse passar
o resto da vida à sombra do pólen das palavras
e adormecer no confluir da transparência
e da luz, neste outono: lugar frágil.

Que beleza de versos, querida amiga. Tuas palavras têm a delicadeza de poesia mais maturada, e transparecida. Muito bonito. Beijo.

mundo azul disse...

________________________________


A fragilidade de certos momentos, muito bem expressa nesse seu belo poema!


Beijos de luz e o meu carinho...

__________________________________

Amélia disse...

Já tantos comentaram aquilo que eu também penso...continuo a gostar muito de passar por aqui, Graça!

PreDatado disse...

Tantas imagens belíssimas.

teresa p. disse...

"Acendo as mãos para aquecer o olhar..."
Sublime esta imagem poética com que começas o poema.
Lindo!!!
Beijo.

avlisjota disse...

Olá Graça lindo!

"acendo as mãos para aquecer o olhar"

Beijos José

O Profeta disse...

Corre assombração
Vai para outro mundo numa toada de vento
Afasta de mim este cálice
Deixa-me aprisionar a morte na vida por um momento

Deixa-me sentir com a alegria dos sentidos
Deixa-me acreditar no voo do por-do-sol
Deixa-me beijar as águas de um lago feliz
Deixa-me navegar sem rumo, perder o control



Mágico beijo

Argos disse...

Olá

Nunca tinha pensado no Outono desta forma: um lugar frágil.

Mas desde que li este poema, dou comigo, a repetir em silêncio esta frase!

Obrigado e um grande abraço

heretico disse...

de uma vibração quente e acolhedora. a tua sabedoria...

admirável Poema.

beijos

Mofina disse...

Com o frio tudo fica mais frágil...

Beijo

De Amor e de Terra disse...

Frágil, como corações de vidro, almas de vidro, sentimentos de vidro...mas forte, como a vontade das Mulheres e também como elas colorido, este Outono, estação da minha preferência e da minha paixão.
AMEI Graça, amei; obrigada por me /nos dar a conhecer.
Bj
Maria Mamede

Licínia Quitério disse...

Lugar de fragilidades como "a sombra do pólen das palavras". O Outono a perpassar o poema e a cumprir-se nele. Como tu sabes fazer.
Um beijo.

rouxinol de Bernardim disse...

As palavras também têm pólen, também têm viço, beleza!

Parabéns pela mestria e pela sensibilidade fina e refinada!

Um achado1

Laura disse...

Lindo, este Outono...

Bia Pedrosa disse...

a imagem é perfeita para o poema. ambos de uma sensibilidade incrível, como o outono.

sempre que venho aqui, me apaixono.

beijos, querida!

Nilson Barcelli disse...

Claros que não podes "passar o resto da vida à sombra do pólen das palavras e adormecer no confluir da transparência e da luz"...
Porque és a diva da poesia (para mim), querida amiga.
Beijos.

Mar Arável disse...

Um beijo

em todas s estações

Carlos Teixeira Luis disse...

Os poemas da Graça emanam uma tranquilidade por vezes melancólica que me enternece.

Este, gostei particularmente, porque o Outono entre os plátanos da cidade, dá-me alento.

Um abraço.

Joao Norte disse...

Muito bonito.

Fa menor disse...

Outono, lugar de nostalgia. onde as gotas de água se misturam com as gotas de lágrimas. e tudo brilha. frágil.

Muito bonito o teu poema.

Bjos

Vieira Calado disse...

Um lugar frágil noutro belo poema,

o de hoje!

Na próxima semana conto enviar os livros.

Obrigado pelo seu pedido.

Beijinho

Maria Clarinda disse...

(...)Um morno ruído desdobra o voo quebrado
dos plátanos obstruindo um caminho
desenhado a carvão por onde passeio
à beira dos acontecimentos e das sílabas,(...)


Outono é sim um lugar frágil.Jhs

mariabesuga disse...

A vida é um lugar frágil... e nós, nela, frágeis seres à deriva das palavras...

Beijinho Graça
Não vinha cá há tanto tempo.
Muito bonitos estes dois últimos trabalhos...

ellen disse...

Lindo!!!

Bjinho

gabriela rocha martins disse...

uma ligação perfeita entre a iamgem e o poema


como se de complementos directos se tratasse


.
um beijo