10.6.10

Em seara alheia

UMA VIDA

A lua lambe os limos fétidos. Aborda o cais. Espreguiça o sono. Isto era um rio.
O nosso. Reconheces aqueles dois? Há três mil anos que ali estão. Uma vida.
Ora acordam, ora adormecem. Às vezes gritam, mas ninguém os ouve.
Às vezes amam, mas o amor pesa-lhes. Da janela vejo-os passar. Buscam.

Alice Fergo
In: Quando junto às horas se ilumina um rio. Fafe: Labirinto, 2010

37 comentários:

AC disse...

Um histórico de vida, a insatisfação como herança. Embora com alguns laivos de esperança (Buscam), o adormecimento é notório.
Será que ainda vamos a tempo?

Bj

Gigi disse...

E quem busca sempre alcança...Beijinhos

Paula Raposo disse...

Obrigada pela partilha! Um belíssimo poema.
Beijos.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Anestesiados, nem a lua consegue fazer cócegas. Apodrecer é a única saída, uma pena, já que a esperança continua batendo no peito.

até mais.

Jota Cê

Parapeito disse...

uma busca eterns de certeza...
Bonita partilha
Brisas doces para si Graça******e obrigada pelos parabéns meus e da filhota :)

Pena disse...

Preciosa Poetiza Amiga Linda:
Um poema, metaforicamente, lindo de ver e sentir.
Perfeito poema sensível e extraordinário.
Parabéns sinceros.
É uma enorme poetiza de sonho. Adorei.
Bem-Haja, pela forma sublime do seu ser.
Sempre a respeitar e a estimar o seu talento divinal.
Beijinhos amigos de gratidão.
Bem-Haja, pela ternura no meu blogue.
Com admiração constante e sempre, mas SEMPRE!

pena

Excelente, doce amiga e notável poetiza que fascina e maravilha.
Possui uma magia maravilhosa e gigante no que concebe poeticamente.
De novo: Parabéns!

Gisela Rosa disse...

que belo poema, tão verdadeiro...


beijinho Graça e obrigada

hfm disse...

Gos muito destas searas. Um beijo, Graça.

[ rod ] ® disse...

O amor floresce igual vida verde... quando a maturidade chega já está a ódio!

Bjs moça.

manuela baptista disse...

Graça

este poema
é deste dia, 10 de junho

ora acordamos
ora adormecemos

às vezes gritamos
buscamos

um dia
descobrimos tanto

outro
pensamos que somos apenas a ausência de luz num rio...

obrigada pela seara tão pouco alheia!

um beijo

Manuela

Adriana Karnal disse...

um rio é uma boa metáfora para vida, inexoravelmente eles passam.

AFRICA EM POESIA disse...

Graça
Vim dizer que gostei da visiota e vai serbom irmos partilhando oque gostamos...


Fale-me do seu livro... Em que

zona do País vive?

Eu pergunto pois dia 19, tenho na feira do Livro no Porto uma sessão de autógrafos dos meus livros Sporting em poesia e pais e Mães...


Se estivesse no Norte era muito bom tomarmos um café...
Um beijinho


BEIJOS

CamilaSB disse...

« ...Buscam » o rio... como salmões, ora nadam contra a corrente, em busca de paixões...ora
desvanecem, esgotados pl'as emoções...
Um grande beijo e obrigada pelo carinho!

Marta disse...

Numa solidão....
Triste, embora haja alguma esperança...
Gostei muito...
Beijos e abraços
Marta

gabriela r martins disse...

a eterna busca do eterno.......





.
um beijo

maré disse...

o rio

eterna testemunha de um tempo que corre como as suas águas e nelas reflete a vida...

__

um beijo enorme, querida Graça.
e um abraço de imensíssima saudade

AFRICA EM POESIA disse...

GRAÇA

De Aveiro para Lisboa um beijinho grande
Vou continuar a visitar o teu blog.
Um beijinho.
Deixo para ti...


Vou sacudir o tempo...
Vou sacudir o vento...
Que me leva os pensamentos...
E em troca nada me dá...

Vou sacudir o tempo...
Vou fazer uma aliança...
Vou deixar que me leve...
E continuar a ter Esperança......

E depois desta aliança...
Ou deste contrato falado...
Eu acredito que ele é verdade...
E vai cumprir o tratado...



Lili Laranjo

© Piedade Araújo Sol disse...

uma bela escolha de um poema belissimo da Alice Fergo.

deixo o meu beij

Virgínia do Carmo disse...

Não buscamos todos? ...

Beijinho

viernes disse...

palavras adecuadas e precisas, bela imagem final... Gostei muito do pomea,

um beijo

Victor Oliveira Mateus disse...

Que pontaria a minha, Graça!

Vou a passar aqui na rua, espreito, e apanho logo com uma aliteração da Alice no olhar...

Ambos sabemos que é um bom livro!
Um beijo pªa Alice e outro para ti, minha amiga.

V.

Taninha Nascimento disse...

Lindas imagens...

Bela escolha.

Beijos!

Fa menor disse...

Vida em ciclo vicioso, quantas vezes!

Bjos

teresa p. disse...

"Às vezes gritam, mas ninguém os ouve."
Solidão...
Gostei do poema e da partilha! Parabéns à autora.
Beijo.

Licínia Quitério disse...

Esta seara é mesmo fértil. Belíssimo poema. Obrigada.

Um beijo.

segredo disse...

A lua é inspiradora:)
Beijinho de lua*.*

heretico disse...

uma bela seara.

todos buscamos.e ardemos por vezes. na busca...

asas de cera. as nossas.

beijos

tb disse...

Partilhar é também uma procura de vida... :)
obrigada pela partilha.
beijinho

Eduardo Aleixo disse...

Belo poema nos trouxeste, Graça. Beijo

Fernanda disse...

Andei por aí e aqui vim parar!

Nada acontece por acaso!!!
Já li três ou quatro poemas e fiquei boquiaberta.
A vida é uma eterna busca...

Voltarei, pode ter a certeza.

Bjs.

Na casa do Rau

Vieira Calado disse...

Obrigado pela partilha.

Beijinhosss

São disse...

Além de talentosa, és generosa.

Bem hajas!

Nivaldete disse...

Bela descoberta fiz, em aqui chegando. A começar pelo título do blog...
Um abraço.

Nilson Barcelli disse...

Belíssima escolha, querida amiga Graça. Gostei.
Beijos.

alice disse...

já conhecia este título, que acho notável, mas ainda não tinha tido oportunidade de ler nenhum poema. obrigada, graça. como sempre, partilha boa poesia connosco. um grande beijinho.

tecas disse...

Belo poema...na procura da esperança.Metáfora perfeita.
Parabéns á autora e obrigada querida Graça pela divulgação. Não conhecia.
Beijos

Fernando Campanella disse...

Muito bom o poema, forma inusitada, quase uma prosa poética, estilo suscinto, mas cheio de beleza, profundidade. Parabéns a Alice. Bjos.