21.10.10

Habito a deriva dos labirintos

Paul Strand


Habito a deriva dos labirintos,
com vontade de ser cativa de uma presença,
de um nome, de um aceno.
Sou um peregrino.
Recorto nos pés o caminho da terra prometida,
embora um estranho afecto
prenda os meus passos a um rumo incendiado.
Sou Ícaro rasando, imprudente, um amor proibido.
As minhas asas se fundem no absurdo de sensações
que me levam a um qualquer tormento,
abismo do meu próprio imaginário.

Graça Pires
De Conjugar afectos, 1997

45 comentários:

Marta disse...

Ás vezes, andamos mesmo à deriva...
Nem sempre conseguimos encontrar a saída desse labirinto, que muitas vezes, somos nós próprios quem tecemos...
Esta semana, o Com Amor tem um desafio e gostaria muito que participasse.
Basta enviar um poema sobre "beleza" e/ou "fogo". Eu publico e comento.O mail é martavinhais@gmail.com
Beijos e abraços

Marta

AFRICA EM POESIA disse...

GRAÇA
A vida também está no meio do labirinto.Com cuidado encontramos a saída.

Um beijo

Daniel Hiver disse...

Ícaros em seus vôos rasantes jamais pensariam noutra coisa que não abandonar a companhia dos céus e voltar ao caminho da terra prometida, em busca de novos afetos, mesmo que estranhos!

Mas quando é impossível descer dos céus que nos prendem, restam os abismos do nosso próprio imaginário atormentado.

Ana Lucia Franco disse...

Que lindo, Graça. Bom ser peregrino, não sei se à deriva de labirintos, mas quem sabe possamos nos livrar deles com asas, não as de ícaro, outras...

bjs.

Pena disse...

Oh, Estimada, Doce e Consagrada Poetiza Amiga de sonho:
Registei:
"...Sou um peregrino.
Recorto nos pés o caminho da terra prometida,
embora um estranho afecto
prenda os meus passos a um rumo incendiado...."

Tem uma Alma poética Gigante onde cabe o Universo de ternura e encanto peregrinos de fascinar.
De deslubre imenso, a sua poesia.
Excelente.
Parabéns.
Abraço amigo a si e ao seu talento.
Sempre a respeitá-la e a admirá-la

pena

Bem-Haja, pela pura amizade expressa no meu blogue.
Saiba, que adorei.
É linda, sabia?
Gostei muito dos seus mágicos versos.

Paula Raposo disse...

"a um rumo incendiado."
Uma beleza de poema! Beijinhos.

São disse...

Somos todos peregrinos, linda. Só que alguns t~em o condão de o transmitir poeticamente...

Um abraço grande

Licínia Quitério disse...

Peregrinos somos, entre a terra e o céu, na perdição dos labirintos, na beira dos abismos.

Assim habitei o teu belo poema.

Um beijo, Graça.

Benó disse...

Mais um poema que nos incendeia e nos leva, não para um estranho afecto mas, sim, para a admiração e gosto de ler a sua poesia.
Um abraço.

Lou Vilela disse...

Lindo e sensual!

Beijos

Luis Eme disse...

os labirintos...

os caminhos...

e o teu imaginário...

beijinho Graça

carlos pereira disse...

POETISA Graça Pires;

Na vida, por vezes, temos que ultrapassar labirintos e percursos difíceis para conquistar um amor proibido, mas nunca utilizando as asas de Ícaro, mesmo que retendo os conselhos de Dédalo, seu pai, para que não se aproximasse demasiadamente do Sol para que a cera, utilizada na concepção das asas, não derretesse; aqui, também, o calor gerado por um amor proibido derretê-las-ia.
Em todo o caso, nunca devemos perder a ambição da conquista do amor, sustentáculo primordial da nossa existência.
Gostei imenso deste magnífico poema, com a qualidade de sempre.
Um beijo.

hfm disse...

Abismos, labirintos o sangue e o sal das nossas vidas. Mais um poema de ressonâncias. Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema onde se revê a mitologia grega, onde icaro tenta voar e assim encontrou a morte.

que dizer da posia de Graça Pires,que já não foi dito?!

eu apenas digo uma palavra e assim resumo toda : Excelente.

um beij de admiraçao!

manuela baptista disse...

rumo incendiado das palavras,

as suas!

Ícaro teria inveja de umas asas assim,

um beijo, Graça

manuela

carol disse...

Que belas imagens! E todo o conjunto fonético e rítmico das suas palavras é lindíssimo! Além de que a mensagem vem ao nosso encontro com a simplicidade e a facilidade das coisas muito bem feitas.
Ignorância minha e por isso peço desculpa, mas não conhecia os seus poemas e são tão bonitos!
Obrigada.

maria manuel disse...

Ícaro e peregrino, assim somos nesta vida de labirintos, construindo caminhos e buscando amores e sonhos. um belo poema, Graça. beijo.

Eduardo Aleixo disse...

"Habito a deriva dos labirintos,
com vontade de ser cativa de uma presença,
de um nome, de um aceno.
Sou um peregrino."
Subscrevo.
Tb sou sorvido pelos interstícios qúe me acenam às fontes do mistério.
Lindo o que escreveste.
Poema que me diz muito.
Beijo terno.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Esse absurdo de sensações inunda o afago cheio de espiritualidade.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Véu de Maya disse...

"Sou Ícaro rasando, imprudente, um amor proibido" Forte...a poesia por brotar da paixão pela vida rasga as proibições...Lindo.

beijinho,

Véu de Maya

teresa p. disse...

Estranhos e difíceis são os caminhos dos afectos...

É muito belo e profundo tudo o que escreves!
A fotografia condiz na perfeição.
Beijo.

Vivian disse...

...às vezes nos sentimos
à deriva, e daí vem os amigos
nos resgatar com amor.

obrigada pelo carinho das
palavras lá em meu canto.

um beijo, querida!

AC disse...

A procura, a constante procura de algo que nos surpreenda, que nos toque, que nos marque...
Graça, e que bela forma de o dizer!

beijo :)

dade amorim disse...

É sempre o imaginário a nos desencaminhar rumo a labirintos e tormento. E nesse rumo somos todos peregrinos. Um belíssimo poema, cheio da verdade mais profunda.

Beijo, Graça.

alice disse...

quanto mais abismal. mais poético. um beijinho muito grande, querida graça*

livia soares disse...

Desses abismos é que vivemos, não é?
Um abraço.

FlorAlpina disse...

Olá Graça,
Li hoje um poema seu no blogue do Manu(Toca a escrever) segui o link, e gostei muito do que já li!
Voltarei com mais tempo para a conhecer melhor.

Até lá...Bjs dos Alpes

batista disse...

o ofício das mãos é também espalhar versos, semear magia... tuas mãos, a espargir - seja na maré baixa, seja na maré alta, seja nos labirintos, seja do alto do monte -, pura magia de incontáveis versos!

grato, de coração.

viernes disse...

labirintos e fios perdidos de ariadnas acontecem na escrita de um poema, que abra saídas novas e labirintos novos,

muito belo, graça!
um beijo

Baudolino disse...

Nem sei bem há quanto tempo não passava aqui.... Foi bom voltar.
abraço

JORDAS disse...

A deriva não me angustia.
O que me angustia é não ter barco, nem asas de Ícaro.
O que me faz sofrer é não ter sol para derreter as máscaras e sentir o abraço da presença errante do meu destino, no labirinto do tempo.
Profundo e metafísico este poema.

rouxinol de Bernardim disse...

Graça:

Esta visão fascinante dos labirintos este eterno andar à deriva deixa-nos espaço para meditação... e profunda!

Gostei demais!

Artur Gonçalves Dias disse...

óptimo reler a sua poesia
sempre deliciosa


um abraço

partilha de silêncios disse...

"habito a deriva dos labirintos, com vontade de ser cativa de uma presença..."

Fez-me lembrar o Pincipezinho e o "cativar", essa palavra esquecida que significa "criar laços".

Adore o seu poema.

beijinhos

De Amor e de Terra disse...

Há sempre um chão peregrino, como peregrinos os passos que o percorrem.
Há sempre caminhos de recomeço,
apesar dos silvados!

Bjs.
Maria Mamede

Jorge Manuel Mendes dos Santos disse...

Habito na paisagem
da voz à deriva,(sem rumo)
não deixo na terra
uma só vagem de vida,
talvez porque a minha margem
seja a da silva agressiva
que transporto na bagagem
do imaginário desarrumo...

Joel Matos...(10/2010)

Nilson Barcelli disse...

"Sou Ícaro rasando, imprudente, um amor proibido."
Excelente, querida amiga Graça.
Beijos.

heretico disse...

belos os "rumos incendiados" que teimam no voo. ainda que as asas tombem. e queimem...

para se erguerem (de novo) do abismo!...

grandioso. teu poema

beijos

Jaime A. disse...

Ser peregrina nos labirintos: que maneira tão inteligente de escrever a vida (às vezes).´
Um poema de uma coerência, de uma estrutura absolutamente magníficas.
Sou fã (como sempre)...

Fernando Campanella disse...

São palavras as tuas que expressam muito do que vai dentro de mim. Na verdade estamos, todos, a deriva desses labirintos que o viver nos ensina. E a poesia, para quem escreve, para quem lê, é a terra prometida de que falas, ah, a utopia necessária.
Um beijo amigo.

G I L B E R T O disse...

Existe muita inteligência em teus versos, Graça, e tudo isso colado com muita sensibilidade em versos poderosos!

Gostei de viajar nesta noite pelo mundo virtual, gostei mais de ter aportado aqui!

Abraços, estejas bem!


gilberto (nel mezzo del cammim)

afonso rocha disse...

POEMA MAIOR...o teu Graça...
deliciosamente labiríntico...

Obrigado por tuas palavras sempre tão simpáticas...
não mereço tanto...

Um abraço amigo

avlisjota disse...

Vivemos em labirintos, somos cativos de outros e de nós mesmos. Somos imprudentes qual Ícaro que voou rente ao sol, deixando-se levar na sensação e na liberdade de voar...

belo poema Graça! Prendou-nos com a mitologia grega.

Bjs

José

Parapeito disse...

peregrina dos seus poemas...confesso...
lindo Graça*

Andrea de Godoy Neto disse...

maravilhoso poema, Graça!
Em relação ao amor somos assim, esquecemos que as asas podem ser de cera, Ícaros imprudentes, ardentes de desejo pela vida.

eu adoro teus versos
um beijo