27.10.10

A velha nespereira

Ana Pires


Em contraluz, a velha nespereira
tem um perfil de vigília.
Quem dela se aproxima pode ver os múltiplos
ângulos do dia explodindo na ramagem
dando à terra um rosto iluminado.
Ao fundo da noite haverá sempre um luar
marginal com que ilustrarei o poema.

Graça Pires
De Quando as estevas entraram no poema, 2005

42 comentários:

Benó disse...

Graça, eu também tenho uma nespereira. O luar também se esconde entre as folhas.
Gostei particularmente, deste poema.

Luis Eme disse...

sim, e é tão bom quando a terra parece um rosto iluminado...

beijinho Graça

João Videira Santos disse...

Os dons da natureza definidos no seu próprio olhar.

De apreciar, pela singularidade.

Abraço

EROS disse...

Antes de mais, quero agradecer a tua visita ao meu espaço.
Eu também tenho uma velha nespereira: exibe as marcas da minha traquinice quando era criança, mas agora é alvo da minha contemplação quando o sol se põe por entre os seus ramos nos lindos finais de dia de verão.

Um beijo.

São disse...

Continuo gostando da tua poesia, sim.
Um abraço, linda

Aníbal Raposo disse...

Olá Graça,
Aqui estou eu de novo a ler-te com imenso prazer.
Sou igualmente um amante da natureza. Camponês de fim-de-semana.
Obrigado pelo incentivo no meu blogue.
Beijos

Licínia Quitério disse...

É esse luar ao fundo da noite que nos ilustra o poema, a vida.

Muito obrigada pelo teu talento.
Beijo.

Jortas disse...

Nascido na ruralidade, sempre convivi com as nespereiras que o meu avô plantara, nos cantos dos poios. Muitas delas serviam de baloiço nas tardes quentes de Verão, enquanto os mais velhos ceifavam o trigo. Em Março os suculentos frutos saciavam o apetite, quando ela se vestia de ouro.
No Natal alguns ramos eram sacrificados para embelezar a lapinha.

Do teu poema guardo a recordação desses tempos na memória dourada da infância.
Obrigado por ter passado no cronicando.

carol disse...

Gosto mesmo das suas imagens! São luminosas!
Bem haja por no-las mostrar!

Vivian disse...

...e eu me encanto com teu
canto e com todos que por
aqui cantam!!

bjbjbj, querida!

obrigada sempre!

José Manuel Vilhena disse...

"Ao fundo da noite haverá sempre um luar
marginal..."
Quando tinha dezoito anos gostava de dizer que marginal também queria dizer ao lado do mar...
um beijinho
:)

alice disse...

consegue sentir-se o aroma, querida graça. um grande beijinho*

A.S. disse...

O teu olhar de poeta, por entre os ramos de uma nespereira... Lindo!


Beijos
AL

© Piedade Araújo Sol disse...

o que uma arvore pode desencadear...a inspiraçao, de palavras ternas e bonitas.

gosto muito da sua poesia.

um beij

Marta disse...

E um sorriso rasgado...
Lindo....
Adorei...
Obrigada mais uma vez por me deixares publicar o teu poema...
Beijos e abraços
Marta

manuela baptista disse...

em contraluz
vigiamos

gulosos de nêsperas

ouvindo os poemas vindos das estevas!

um beijo

manuela

Lara Amaral disse...

Vc que ilustrou a paisagem com seu poema!

Beijo.

maría nefeli disse...

Uma imagem para viveres no seu coração sempre...
Um beijo

Fernando Campanella disse...

Poética elevada ao mais alto grau de beleza. Que lindo poema, Graça, maravilha, gostaria de escrever assim. O texto cria imagens belíssimas. Um beijo amigo, minha querida poeta.

hfm disse...

Na marginalidade das palavras se encontra a poesia. Belíssimo!

Laura Ferreira disse...

Bela imagem. Gostava de me lá sentar a ler um livro!

Virgínia do Carmo disse...

Encantador perfil tem este poema!

Beijos

carlos pereira disse...

Minha querida POETISA Graça Pires;
Belo quadro poético, este seu poema, onde as palavras sãos magnificentes cores que pintam o nosso imaginário quotidiano.
Gostei imenso.
Um beijo.

Tania disse...

Oi, Graça!

Delicado como um hai kai...

Chamou-me atenção o detalhe:
"... Quem dela se aproxima pode ver os múltiplos ângulos..."

Às vezes, perdemos tanto quando não nos aproximamos...

Um beijo! Estava com saudades!

teresa p. disse...

Conheço bem a tua "velha nespereira" à sombra da qual nos sentávamos algumas vezes a conversar e, até, a fazer belas sestas, em dias quentes de Verão.
A foto da Ana captou bem uma imagem do poema, onde dizes que ela dá "à terra um rosto iluminado".
Beijo.

partilha de silêncios disse...

Magestosa, ilumina tudo em seu redor,visível para todos os que têm a alma desperta para os dons da natureza.
Muitas e felizes memórias da minha infância.
Um Excelente fim de semana.

Beijinhos

dade amorim disse...

Poesia, tal como a entendo, é assim: esse toque que torna a realidade irresistível, e que está presente em todos os poemas seus que já li.

Beijos, Graça.

Mofina disse...

As árvores dormem em pé...

Beijo

Jaime A. disse...

Adorei estes ângulos do dia que explodem pela ramagem: um poema-imagem que se auto-ilustra.

Monte Cristo disse...

Há quanto tempo, Graça!

O trabalho e a luta contra os senhores do feudo não me deixam tempo nem pachorra para estas visitas. Mas uns dias de férias... e cá estou.

Conheci duas nespereiras como a tua. Mágicas! Davam frutos carnudos e saborosos como os da tua. belos.

Continua a cantar.

Eduardo Aleixo disse...

Simples e luminoso, o teu poema. Como a nespereira, irradia luz.
Como a terra, nós ficamos agradecidos pelo calor recebido dos ramos.
Com essa luz, escreveste o teu poema.
Bonito.
Beijo grande.

viernes disse...

tantas histórias moram ao pé de cada ángulo de sombra... belas palavras, Graça

Um beijo

AC disse...

O poeta, uma árvore, um olhar...
Depois, bem desenhadas, as palavras insinuam-se, e a árvore quase adquire alma...

beijo :)

Pena disse...

Estimada Poetiza:
"...dando à terra um rosto iluminado.
Ao fundo da noite haverá sempre um luar
marginal com que ilustrarei o poema..."

Que "coisa" mais linda, perfeita e sublime de beleza imensa.
Parabéns.
Abraço amigo de respeito e sempre a admirá-la

pena

Nilson Barcelli disse...

A minha nespereira
deixou as vigílias...
morreu...
E agora
sinto mais o luar,
porque era ela
que o comia...
Belo poema. Gostei.
Beijos.

Lou Vilela disse...

Belas imagens, caríssima!

Abraços,
Lou

avlisjota disse...

Em contraluz as formas são mais perceptíveis devido à luz que ilumina os rostos...

bj Graça

José

heretico disse...

não que mais admirar - se o belo poema se a "transparência" da fotografia.

excelente composição.

beijos

Maria Clarinda disse...

Lindo Amiga, o poema e a foto.Jhs

De Amor e de Terra disse...

Nespereira faz-me lembrar infância...foi árvore de ao pé da porta a guardar memórias e açafate de amarelos (quase ocres) em meio ao verde.
Obrigada Graça, principalmente pela recordação que o poema me trouxe.
Bjs.
M.M.

Parapeito disse...

doce Graça...que continue haver sempre luar nas suas palavras******

tb disse...

Belíssimo como a luz descrevendo raios se palavras que lhe saem dos dedos...
um abraço