10.7.14

Dança

Degas


Contavam-me quando era menina 
que, em noites de lua cheia, havia mulheres nuas 
junto às fontes dançando ao ritmo da vertigem 
das suas ancas, até de madrugada. 
Calavam-se os pássaros e o vento. 
Convocavam-se lobisomens e cães negros. 
E dizia-se que eram bruxas. 
Nunca as vi. Mas sonhei ser uma delas muitas vezes.

Graça Pires
De Caderno de significados, 2013

44 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

Um poema que retrata o imaginário 'antigo'. Lembra-me de ouvir contar muitas histórias idênticas. E com convicção as pessoas o diziam.
---------
Felicidades
Manuel

ॐ Shirley ॐ disse...

Muitas vezes, Graça, viajamos nos sonhos e pensamos ser dançarinas da madrugada...
Gostei! Beijos!

Marta Vinhais disse...

Mas dançamos sempre nos sonhos...
Há sempre risos, paixões...
Na brisa, no abraçar da Lua...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Ives disse...

A dança sob o luar em seus sonhos poéticos! Lindo lindo! abraços

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
Desde de miúdos que sempre tivemos no nosso imaginário algo relacionado com bruxas, o que escreve é lindo e faz recordar o imaginário passado.
Fique bem
AG

http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

Lídia Borges disse...


O imaginário que nos "constrói".

Beijo meu

Lídia

Mar Arável disse...

Belas memórias minha amiga

Verinha Portella disse...

Graça Pires!!!


Maravilhoso, amei!!
Muito me alegra estar aqui, sonho,magia,amor,sensibilidade.
Um beijo querido...
veraportella

manuela barroso disse...

De uma recordação, sonhos que continuam agora em maravilhosos passeios poéticos.
Beijinho meu!

Graça Sampaio disse...

Que belo texto! Tão depressa me transportou para as noites, para o imaginário da minha infância...

E que bem ilustrado! Um Degas é sempre algo de muito poético.

Beijinhos

heretico disse...

... e celebravam um culto antigo de que eram oficiantes e oferenda!

... que empalidecia a lua!

... e desatava o uivo desesperado dos lobisomens e dos cães negros.

(ainda hoje o feitiço paira no ar em noites de luar e de tempestades)

belíssimo.

beijo

Mel de Carvalho disse...

Graça, sabe do meu apreço (ENORME)pelo que escreve, pela pessoa generosa, simples, que é. Sabe que, se aqui não venho com regularidade comentar se deve ao facto de ser essa a minha natureza - emudecer o verbo perante aquilo que, por tão belo, só poderá ser relido em silêncio. entro e saio, leio, releio. hoje Graça, saiba, disse exactamente isto a alguém sobre si: A Graça é uma Senhora que me honra conhecer. E, como prova da minha estima, partilho consigo este texto, antigo, onde à minha maneira, digo algo semelhante a este poema; perdoe, de todo e longe de mim, qq equiparação. apenas me tocou. tanto!!!

aqui lhe deixo, então, do ano de 2007: "... serei talvez poeta, fada ou feiticeira"
(http://noitedemel.blogs.sapo.pt/34406.html)

beijo com carinho, grata
Mel

Fá menor disse...

As histórias e a imaginação a voar :)

beijinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

pois diziam....

memórias que ficam e que bem retratas em poesia.

gostei!

:)

Ailime disse...

Boa noite Graça, uma dança maravilhosa realçada pelo seu excelente poema!
Um beijinho e bom fim de semana.
Ailime
(Muita bela a imagem também)!

Fê blue bird disse...

A minha avó contava-me estas histórias/lendas que não me deixavam dormir :)
Nunca sonhei ser uma delas.

beijinho e bom fim de semana

Pérola disse...

Lendas, histórias populares. Uma poesia com arte.

beijinhos

Reflexo d'Alma Fase 2014 disse...

Que delícia de sonho,
e que seja uma
certeza poética.
Ador o nome de seu blog
em especial.
Bjins
CatiahoAlc./ReflexodAlma

Anónimo disse...

Prosa Poética, que pelo seu estilo narrativo poderia ter sido um Balo Conto. Se tivesse sido mais extensa.

Exigente

Nilson Barcelli disse...

Também me contavam isso.
Mas nunca as vi, apesar de ao cair da noite, que mais tarde tinha medo, ter feito algumas excursões para as ver com os meus amigos...
O poema é excelente. E a foto foi muito bem escolhida.
Tem um bom fim de semana.
Beijo.

José María Souza Costa disse...

Olá.
Meus desejos de um maravilhoso, bom fim de semana. Mas, quero falar de futebol, já que estamos, no período de reta final, da Copa do Mundo. Vamos falar sim. Mas, lá no meu blogue. " Tô te esperando "
Abraços

teresa p. disse...

Crenças populares que, nós crianças, escutávamos com assombro.
Excelente a forma poética de relatar esses mistéros da noite, razão de medos e de alguns estranhos sonhos...
A pintura do Degas fica muito bem nesta "Dança".
Beijo

manuela baptista disse...

não é um conto,
é um poema verdadeiro

um abraço, Graça

Agostinho disse...

Graça Pires,
traz aqui um poema maravilhoso que faz recordar o conduto do imaginário popular, histórias sem fim nos serões dos nossos avós (sem TV).
Nas encruzilhadas dos bosques renovavam encontros fantásticos desde tempos imemoriais. Seres restolhavam sob os carvalhais em danças febris em noites de lua cheia.

M D Roque disse...

Fantasia e desejo de mudança num enlevo duma noite de luar. Lindo de ler.
Beijinho e BFS. D

http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Que venham, bruxas...
Dizem que dia 12 Agosto voltarão... ;)

Beijo amigo

São disse...

Feiticeira das palavras, pelo menos, isso és!

Um quadro muito bonito , acompanhado por um poema que muito me agradou.

Bem hajas, amiga :)

Maria Emilia Moreira disse...

Belos sonhos que povoaram a nossa infância! E que bem contas aqui...no teu poema...
Um abraço, Graça.

Ana Tapadas disse...

Como Degas ilustra tão bem o belo poema que veio do ouro da infância!

Beijinho

ManuelFL disse...

Graça Pires, neste seu belo e inquietante poema, transporta-nos a um universo onírico de contos de fadas, carregado de mistérios e assombro. A poeta insinua, com a sua arte singular, a vertigem de uma sexualidade a que não sabíamos dar o nome na infância. Os narradores, quase sempre mulheres, partilhavam connosco, crianças, sem se aperceberem, uma catarse e uma iniciação.
As “feiticeiras” do quadro de Degas, que dialoga com o poema, são de uma sensualidade delicada e solar.

Zilani Célia disse...

OI GRAÇA!
TEU POEMA É UM RESGATE DE HISTÓRIAS ANTIGAS QUE POVOARAM NOSSA INFÂNCIA E NOS ENCANTAVAM.
LINDO.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Gaby Soncini disse...

De tanto ouvir começamos a fazer parte.

Muito bonito!

Beijos!

Teca M. Jorge disse...

Também já tive esse sonho...

Beijo.

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Graça. Adorei o poema e me vi no meio dessas mulheres, também me sinto com esse poder meio de bruxa do bem, que paralisa a Natureza e ao mesmo tempo a respeita.
Encantador!
Tenha uma semana de paz!
Beijos na alma.

dade amorim disse...

Lindo, lindo teu poema!

Beijo pra vc!

Andrea Liette disse...

Queria Graça,

Elas tiveram o seu renascimento  e

"musas", gozaram de muitos talentos.

Grande beijo.

Jaime A. disse...

De repente fez-se noite e mergulhei num sonho de lua e de sibilas nuas...
Lindo, lindo.

Sinval Santos da Silveira disse...

Querida amiga, Graça Pires !
O que seria da vida, sem os sonhos ?
Continua sonhando e, desta vez, sonha acordada... tens o direito !
Um carinhoso abraço, aqui do Brasil.
Sinval.

anamar disse...

Que maravilha, Graça.

De bruxinhas, todas temos um pouco... Nem que seja uma de bruxinha boa. :)

Obrigada pelas visitas.
Bom fim de semana.

Beijinhos

Menina Marota disse...

Não resisto a levar para o FB esta pintura de Degas e o poema, claro!

Neste Caderno de Significados há um tema que não tendo título a explicá-lo, está em todos os seus poemas: Sonho.

Um grande abraço de carinho. É sempre tão bom ler as suas palavras!

author casulo-online disse...

Gostava dos contos de quando éramos crianças; e eu sempre queria ser a princesa, na história em que tinham bruxas...

Cris

Carmem Grinheiro disse...

Olá Graça,
o imaginário desde sempre povoou a mente humana. E levou a grandes histórias, lendas, romances, descobertas. Que o fantástico continue sempre a fazer parte das nossas vidas, intrigando-nos, preenchendo-nos.
bjo amigo

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Essa dança poética que realizas com as palavras, possui um encantamento lírico que faz nossos corações rodopiarem, qual dervixes em sagrada dança.
Um beijo de alem-mar.

Lou Vilela disse...

Belíssimo!

Beijos,
Lou