3.7.14

Casa

Dorothea Lange

Antes da casa havia o teu olhar 
e a rega exasperada das rosas 
a desaguar imensa em minha boca. 
Houve dias e dias em que se tornou urgente 
um ponto de fuga pela noite dentro, 
não fosse a alvorada deixar de ser
uma ave liberta em nosso peito. 
Depois, ninguém sabe de onde veio o fascínio 
que nos colou a este chão.

Graça Pires
De Caderno de significados, 2013

48 comentários:

Marta Vinhais disse...

Um mistério no olhar, na casa...
O conforto do tempo, no horizonte...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

José Vilhena Moreira disse...

Em cada casa há um ponto de fuga secreto dentro...
Lindíssima a ligação da fotografia com o poema.
um abraço

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia,
um ponto de fuga pela noite dentro, ninguém sabe de onde veio o fascínio.
É lindo e profundo o que escreveu, na verdade, não sabemos de onde surge inesperadamente o fascínio,o não saber é melhor para que mantenhamos sempre a esperança pelo mesmo.
Fique bem
AG
http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

lupuscanissignatus disse...

de janelas e portas abertas para o mistério do amor. de alicerces
fundos, o corpo dessa casa. casa-mãe.

ॐ Shirley ॐ disse...

Parece que as asas se quebraram...
Lindo poema, Graça.
Beijos!

Luís M.Castanheira disse...

prisão dourada em noite calada
e o rio gritando uma enxurrada...
detido no sonho da pessoa amada

belo poema

silvioafonso disse...

.

Para lê-la eu visto
a melhor roupa. Na cara
ameaço o melhor sorriso
e a alma, a todo pano,
deixo-a ir mar afora.

Beijos, senhora das letras.




.

Ailime disse...

Boa tarde Graça, muito belo o seu poema!
Há mistérios insondáveis que apenas o olhar da alma poderá desvendar!
Um beijinho e bom fim de semana.
Ailime

Rita Freitas disse...

Muito bonito. As palavras e o mistério no olhar :)

beijinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

uma maneira sublime de escrever amor, cumplicidade e um toque muito subtil de sensualismo.

gostei muito!

:)

Ives disse...

Olá! Você conta uma historia toda de forma deliciosa, poética! Agradecido como sempre por acompanhar minha historinha! abraços

São disse...

É sempre necessário um ponto de fuga....

A foto é linda, embora eu prefira as de cores.

Abraços, Gracinha

Lara Amaral disse...

Belíssimo, Graça!
A ânsia de pertencer; as coisas etéreas chamando um lugar físico.

Beijo.

manuela barroso disse...

Cada vez me rendo mais à sua poética!
Uma poesia envolta em tanta nostalgia como esse olhar que vem de longe e vai para lugar nenhum
Encantada!
Beijinho meu, Graça

avlisjota disse...

Lindo! "Antes da casa..."
Bjs, Graça.

José

Maria Emilia Moreira disse...

Boa noite Graça!
Eu diria que há um mistério insondável nesse olhar e que o poema consegue adensar de uma forma sublime. Um abraço.

Lou Vilela disse...

Belíssimo! Um abraço!

Cristina Cebola disse...

Poesia transbordante, em ecos que se aninham dentro do peito, ou da casa, onde comungam os sentimentos mais sublimes...

Beijinho imenso...:)

Jota Effe Esse disse...

Casa que te quero casa, quem casa quer casa... Gostei do poema CASA. Meu beijo.

teresa p. disse...

A "Casa" porto de abrigo, a paz da chegada ao lugar certo...
A imagem faz parte do poema. Um "fascínio"!
Beijo.

heretico disse...

assim o orvalho nas rosas - no fascínio de seu perfume...

(sem chão que o salve...)

beijo

Agostinho disse...

"Uma ave liberta em nosso peito"!
Um poema de amor magnífico,obrigado.

Ani Braga disse...

Seu blog é super legal!!!
Tudo lindo e de muito bom gosto.
Se puder dá uma passadinha no meu e segue também se gostar.

Beijos
Ani

HTTP://cristalssp.blogspot.com.br

Sissym Mascarenhas disse...



Graça,

Que fotografia bonita!

Depois de ler seu texto poetico, lembrei de uma casa abandonada que me chamava muita atenção quando eu era criança. Costumava pensar nos misterios.

bjs

idolidia gonzalez disse...

Hermoso!!! Saludos!! :)

Maria Luisa Adães disse...

E o poema nos faz olhar para a foto!

E gostei do que escreveu, mas ficou acorrentada à casa!

Não partiram mais nas asas do vento
e lamento!

Ficou a beleza do que escreve!E é muito!

Maria Luísa

Mariazita disse...

A foto é linda, e o olhar parece envolver o mistério da casa que não existia.
O fascínio surgiu não se sabe donde, mas é real.
Poema cheio de lirismo e beleza.

Bom fim de semana
Beijinhos

PS – Obrigada pela colaboração no “desafio” na minha «CASA».
Respondi lá mesmo. Gostava que visse…

Ana Tapadas disse...

Muito belo, mesmo!
Talvez por ecoar fundo dentro de mim...fascina-me.

Beijo

Fê blue bird disse...

O amor sempre procura um ninho para ficar. Lindo e mágico o seu poema.

beijinho

José María Souza Costa disse...

Olá.

Sábado de sol. Tardes de entretenimento.
Meus desejos de um tempo de paz e Saúde.
Abraços.

ManuelFL disse...

Este poema, tal como a fotografia, é de uma beleza que quase dói. Ave liberta, desaguar imenso, alvorada, olhar, boca, rega exasperada, fuga pela noite dentro.

Graça Pires declina todos os tempos do verbo amar, para nos conduzir à casa, o chão a que o fascínio colou os amantes e onde todos os dias “amar é durar”, como escreveu Rilke.

Lídia Borges disse...


As casas, lugares cheios de raízes que transformam os homens em árvores.

Lindo!...


Um beijo

Zilani Célia disse...

OI GRAÇA!
VERSOS BELOS COM A INTENSIDADE E BELEZA QUE TE É PECULIAR.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

hfm disse...

Obrigada, Graça. E diria também que bom ter voltado a esta casa - da poesia.

Anónimo disse...

Bonito Rosto, assim como o Chapéu que o enfeita!

Do seu Perfil Completo. Só se sabe que Mora em Portugal.

Curioso

ediney santana disse...

Teus poemas, são encantamentos poéticos

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
Desculpe a minha curiosidade, "para quando uma novo e belo poema?"
Abraço
AG

http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

Nilson Barcelli disse...

Como sempre, fiquei impressionado com este poema.
Excelente.
Tem uma boa semana, querida amiga Graça.
Beijo.

Lyra disse...

Descreveste algo que eu sinto bem lá no fundo~! Adorei voltar a apanhar-te no teu canto! Bjs
Lyra

Lyra disse...

Coisas que sinto e tu verbalizas tão, tão bem!!! Obrigada pela partilha!
Lyra

Lyra disse...

Lindo!!!
Beijos da Lyra

Andrea Liette disse...

que linda imagem "a alvorada deixar de ser uma ave liberta em nosso peito"... sinto o renascimento ao nascer do sol! No entanto, o fascínio que nos devolve ao chão é a irrevogabilidade da morte.
penso a poesia enquanto um ponto de pausa e esperança em hálito de rosas.
Beijo Imenso.

tb disse...

Sabe-se lá de onde vem, minha amiga... mas eu sei uma coisa: adoro a tua poesia.
Deixo um beijinho

manuela baptista disse...

quem saberá

dos fascínios que nos prendem e das asas que nos libertam

um abraço, Graça

a noite (ser) disse...

As casas, o fascínio das casas, feitas abrigos no peito de quem parte. Magnifica poética que tanto admiro.

Um beijo no coração querida amiga Graça - entre nós: TUdo.

Olívia Santos

Pérola disse...

Um olhar como ponto de fuga e uma rega que se pede.

Beijinhos

Evanir disse...

Depois de algum tempo uma tentativa de voltar
para agradecer seu carinho e comentário.
Quero muito ficar bem e voltar a ser aquilo que sempre fui
com minhas amizades.
Minha luta tem sido grande ,
mais tenho certeza não estou sozinha.
Um beijo meu carinho e minha saudade.
Sua amizade me faz feliz..
Evanir.

Agostinho disse...

As rosas brotam ao crepúsculo
no albergue do amor:nesta ortografia do olhar um POEMA fundacional.