7.8.15

Xenofobia


Havia cordas de aço 
a amarrar-lhe os dias pouco a pouco. 
Era estrangeiro. 
E nenhuma infusão 
o livraria da forma cruel 
com que o condenavam 
a um premeditado exílio.

Graça Pires
De Caderno de significados, 2013

35 comentários:

Célia Cavaco disse...

Um exílio forçado,onde se perde o mais elementar do ser humano a "Dignidade" depois de tudo a chama da alma,a única parte que nos deixa num sopro.
Como sempre, a sensibilidade na escrita da poeta Graça Pires.
Abraço!

LuísM Castanheira disse...

tempos de escravidão, tão actuais como actual é o poema.
em poucas palavras, o retrato preso ao presente, onde
há um mar triste a navegar, e uma europa com medo de acabar.

muito belo, o poema, e a sensível escolha da foto, minha amiga.

bjs.

© Piedade Araújo Sol disse...

e dói tanto ...tanto....

curto e intenso.

bom fim de semana.

beijo

:)

Marta Vinhais disse...

Tão maltratado está, sem luzes no horizonte...Roubam tudo até mesmo a identidade...
Intenso...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Silenciosamente ouvindo... disse...

Amiga estou de férias, com os meus meninos que vivem no estrangeiro.
Quero estar o máximo de tempo com eles.Só venho ao computador
de fugida, mas não quis deixar de vir ao seu blogue deixar um
beijinho e desejar que se encontre bem.
Bj.
Irene Alves

Pérola disse...

Um tema complicado.


Como dar o que não temos?


Delicado demais para comentar.

Beijinhos

Cidália Ferreira disse...

Maravilhoso texto!
Amei!

Beijinhos, bom fim de semana

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite Graça.
Horrível a forma que muitos são tratados, independente da nacionalidade todos deveriam ser bem tratados, falta amor uns aos outros. Um lindo fds. Beijos.

ॐ Shirley ॐ disse...

Somos todos irmãos...
Belíssimo, Graça!
Beijos!

✿ chica disse...

Lindo poema, triste realidade! bjs, chica

Zilani Célia disse...

OI GRAÇA!
OBRIGADOS AO EXÍLIO E SUJEITOS A INDIFERENÇA.
LINDO E INTENSO TEXTO.
ABRÇS
-http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Teresa Durães disse...

Infelizmente a xenofobia não se aplica só a estrangeiros mas também a quem é estrangeiro de si. Como sempre, um belo poema!

Isa Sá disse...

Infelizmente é uma realidade.

Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Gaby Soncini disse...

E como dói estar sempre nessa posição de estrangeiro.

Abraços.

Ana Freire disse...

Uma realidade bem actual, infelizmente, a cada dia que passa com tristes desenvolvimentos, conforme vemos, nos meios de comunicação, e para a qual inexplicavelmente os países, não parecem ter qualquer solução, conforme vemos pelas imagens que nos chegam, do mediterrâneo, por exemplo... em que tudo acaba, na melhor das hipóteses, num campo de refugiados... aguardando por um futuro repatriamento...
Brilhante poema.
Passando por aqui, agradecendo a visita e palavras, por lá no meu canto...
Até breve, Graça!
Bjs
Ana

Lucinalva disse...

Olá Graça
Passando por aqui para te desejar um belo dia. Poema bastante reflexivo. Bjs amada.

Ana Tapadas disse...

Síntese poética notável.

Beijo

Jaime A. disse...

e um dia,
entre dois travos de ar
vazios,
ergueu os olhos
e viu terra,
e abraços apertados;
voltara à Terra,
Marte ficara
muito, muito
lá para trás...

Sinval Santos da Silveira disse...

Oi, amiga Graça Pires !
Amarga constatação da vida, por vezes
sem retorno. Um carinhoso abraço, aqui
do Brasil !
Sinval.

MARILENE disse...

É muito triste ver o aumento desses grilhões. Fogem de um drama, em busca de sobrevivência, e encontram outros que não os deixam livres. Belo! Bjs.

ONG ALERTA disse...

Belo bj Lisette.

teresa p. disse...

"cordas de aço" para quem procura apenas a liberdade para viver.
Muito injusto e cruel, mas uma realidade bem atual, infelizmente...
O poema e a imagem complementam-se na perfeição.
Beijo

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia Graça.
Passando para lhe desejar uma semana cheia de alegrias e muita paz. Beijos.

Agostinho disse...

Escrito a fogo a reclamar urgência.

Os profissionais da decência
Crocodilos de olho vesgo
Puseram gravatas pretas
Para chorar em Lampedusa

Como podem afirmar o credo?

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, é dramático para quem foge da guerra e da miséria, ficar amarrado com cordas de aço sem oportunidade de atingir os objectivos da dignidade.
AG

Louisette disse...

Bom dia del Belgica, bello poema.

Ailime disse...

Boa noite Graça, um poema incisivo sobre a realidade atroz de tantos povos condenados à morte e exílios precoces.
E não se enxergam vontades que abram caminhos para soluções justas.
Um beijinho.
Ailime

ManuelFL disse...

Este poema da Graça, tocante e doloroso, que a imagem completa na perfeição, é não só actual como infelizmente perene. O medo ou a aversão ou a negação do outro, do diferente, daquele que interpela o nosso conforto egoísta e cego, é não só de agora, é de sempre.

Majo disse...

~~~
~~ Perfeita e realista expressão poética
~ da cruel xenofobia.
~~~~~~~~~~~~~~~~~

~~~~ Abraço amigo. ~~~~
~ ~ ~ ~ ~ ~

ruma disse...

Olá, Graça Pires.

Suas obras é abraçado em sua gentileza.
E encantos mensagem doce meu coração.

A oração por toda a paz.
Desejo a todos o melhor.

Tenha um bom dia. do Japão, ruma ❀

EU disse...

Para uma praga que não terá extinção, um poema muito bem conseguido!
Bjo, amiga

Toninho disse...

Ainda tem coisas que não sabemos entender.
Fim de todas as intolerâncias.
Bjs

Patrícia Pinna disse...

Boa noite,Graça.
Uma triste verdade descrita em belos versos.
Como é ruim um mundo desse jeito tão sem tolerância!
Tenha uma semana de paz.
Beijos na alma.

Carmem Grinheiro disse...

Cordas de aço,
cordas de medo,
cordas de ódios que nem sabem de quê, os que odeiam.

Parapeito disse...

cordas de aço...
arame farpado de indiferença...
onde a Esperança nao vence...
Tão cheio este seu grito de alerta.
Abraço doce Graça **