18.1.16

Recordo as mãos da minha mãe



Pode parecer absurdo
este cantar de dor a meia voz,
este cantar de amor em grito mudo. 
Recordo as mãos da minha mãe: o sabor
do pão quente, do leite, do mel;
as memórias, a coragem, o amor;
uma canção de embalar
que em luz se transfigura, 
e se faz puro afago no meu peito.

Sei agora que a terra é menos árida
nos lugares onde as mulheres
não morrem por terem as mãos
presas à pele dos filhos.

Graça Pires, 2016

55 comentários:

Louisette disse...

Wonderfull text about mother hands memory, love much, best regard from Belgium

✿ chica disse...

Comovenmte, lindo,Graça! Voltando, matando as saudades e muito feliz! bjs,. chica

regina disse...

Só recentemente tomei conhecimento da sua poesia de que gosto muito. O seu blogue já faz parte dos meus favoritos.Se não vir nisso qualquer inconveniente vou colocar poemas seus( devidamente identificados, é óbvio) no meu blogue (docaosaocosmos.blogspot.com)
Regina Gouveia

Cidália Ferreira disse...

Excelente texto! Adorei as suas palavras.

Beijo e uma excelente semana

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Bell disse...

Mãos que cuidaram e afagaram são mão eternizadas.

bjokas =)

mz disse...

Que emoção infinita tem este grito.

Um abraço para si, Graça e, para todas as filhas cujas mães já partiram.
bjs

Blog da Gigi disse...

Lindo!!!!!!!! Ótima semana!!!!! Beijos

Poções de Arte disse...

Acredito que o amor de mãe é o amor que mais se aproxima do de Cristo para com a humanidade.
Abração esmagador e linda semana.

Marta Vinhais disse...

Em nada absurdo recordar alguém que fará sempre parte de nós...
Adorei...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

silvioafonso disse...

Meu Deus, que coisa linda.
Pena que você não tem como
beijar, fora das lembranças,
é claro, aquela que tanto
ama.

Um beijo, vou seguir você.
Siga-me se achar que deve.



.

Jaime Portela disse...

Também acho que ninguém morre enquanto tiver "as mãos presas à pele dos filhos".
Excelente, como sempre.
Boa semana, Graça.
Um beijo.

Daniel Costa disse...

Ás mulheres mães são flores, que os filhos jamais esquecem. Logo vivem sempre nas suas memórias.

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Boa tarde, Graça, que poema mais lindo, comovente repleto de lembranças,
lembrei das mãos de minha querida mãe.
Quantas coisas experimentei pelo trabalho das mãos de minha mãe,desculpe estar misturando meus sentimentos aqui, mas mexeu com meu coração. E, tenho a certeza, de que ela não morreu , pois esteve sempre com as mãos presas na pele dos filhos.
Grata, querida! Beijos!

Agostinho disse...

Obrigado pela beleza da partilha.
Um poema que é um sublime gesto de amor.

Para sempre connosco, Graça, as mãos.
A luz que nos guia, a energia que corre
pelo eterno cordão - da mãe -
umbilical, para além da compreensão.
Os olhos até vêem o que sente o coração.

Alfredo Rangel disse...

Graça bastante comovente tua poesia, principalmente para quem, como eu, teve uma Dona Maria Baptista como mãe e sentiu, durante dota a vida dela o que é ter uma mãe maravilhosa, como eu tive. Você me fez relembrá-la ao ler mais uma poesia perfeita como as que você escreve. Mais do que elogiar tua poesia, quero te agradecer por tudo o que escreves. Parabéns por existires e, apesar da distância, estar sempre presente em minha vida. Beijo.

Mariangela do Lago Vieira disse...

Mãos abençoadas por Deus para agregar os filhos junto a si, dom divino
eternizado em nosso coração, Graça. Lembrei-me da minha mãe também,
Que tanto fez para com seus filhos.
Lindo e emocionante poema, querida amiga.
Beijos com carinho!
Mariangela

Maria Rodrigues disse...

Um poema que transpira um amor eterno e puro.
Maravilhoso!!!
Beijinhos
Maria

Majo disse...

~~~
Ternamente amoroso e tocante...

~~~~ Muito belo, Graça!

~~~~~~~ Beijinhos.
~~~~~~~~~~~~~~~~

Lucinalva disse...

Olá Graça
Lindo poema. As mães são bençãos de Deus na vida dos filhos. Bjs querida.

Teca M. Jorge disse...

Que espetáculo!!! Amei o poema!
E que saudade eu também tenho do afago de minha mãe...

Beijo grande.

Isa Sá disse...

Bonito poema.

Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia Graça.
Que poema lindo e emocionante,me fez lembrar da minha mãe, com certeza não existe mãos mais inesquecível do que aquela que nos deu a vida estendeu as mãos para nós direção na vida. Mãe uma palavra tão pequenina, com um significando enorme. Uma feliz semana. Beijos.

ManuelFL disse...

«Estava tudo maravilhoso», dizia a mãe da Graça, e eu ficava encantado, deslumbrado, com tanta simplicidade e sabedoria. Louvor das coisas simples, força serena e afectuosa, presença aconchegante que nos fazia sentir melhores. Luz na noite.
Sim, nós fomos melhores porque ela estava ali, dando-nos o privilégio de partilhar com ela o tempo que nos foi dado viver.
Ela estava, ainda está, e sempre estará connosco. Uma lição de vida.

Quanto ao poema da Graça e às mãos da sua mãe, eu fico mudo de emoção e também
«Recordo as mãos da minha mãe: o sabor do pão quente, do leite, do mel;as memórias, a coragem, o amor;»

teresa p. disse...

Sim, a Mãe estará sempre no coração dos seus filhos e nunca esqueceremos a sua coragem e o amor que silenciosamente nos dedicava. As suas mãos eram, na verdade, umas mãos cheias de magia, que a nada se poupavam para nos facilitar a vida e torná-la mais doce. Por isso, estou contigo nesse "cantar a meia voz" nesse "cantar de amor em grito mudo".
Este poema, tão comovente e belo, é uma lindíssima homenagem à Mãe, que tenho a certeza, ela adoraria. Obrigada, Graça, por o teres escrito.
Beijo

São disse...

É muito bom quando se pode recordar assim as mãos de alguém principalmente de quem nos deveria amar incondicionalmente.

Belo e terno poema, amiga.

Abraço grande

Suzete Brainer disse...

Belo e comovente!!
"As mulheres não morrem por terem as mãos
presas à pele dos filhos."
Uma eternidade sublime nas mãos do afeto!...
Beijo.

Mar Arável disse...

Se os afectos estiverem vivos

não há morte nem princípio

Ailime disse...

Mãos de amor, de afectos, de ternura, Graça!
Mãos de Mãe, amor e(terno)!
Comovente e muito belo poema, como ode à sua mãezinha.
Um beijinho muito grande e uma boa noite.
Ailime

Fê blue bird disse...

Minha querida amiga, não consigo comentar estou muito emocionada.

Beijinho

Graça Sampaio disse...

Porque será que mais cedo ou mais tarde, todos nós sentimos um desejo sobre humano de trazermos a nossa infância de volta?

O texto está/é lindíssimo. Muito comovente.

Beijinhos.

Lídia Borges disse...


Muito comovente este dizer materno.

Beijinho

Lady Viana disse...

Querida Graça,

Lindas palavras, que nos fazem lembrar esse amor maravilhoso de mãe, eu tive uma avó-mãe que acalentou meu coração, que me sustentava com lindas preces, que me tocava a face com doces beijos... Esse lindo ser, me ensinou a amar, plantou em mim a semente que se enraizou e floresceu em mim, quando tive meus filhos, pude dar o acalento, as preces e os beijos doces na face dos meus filhos, assim como recebi, coisa boa demais.
Beijo doce, querida, lindas linhas.

Pedro Luso disse...

Graça,
Quantos de nós guardamos a cálida lembrança do sabor do pão quente, do leite, do mel, como você diz em seu poema; e quantas mulheres fazem de seus filhos o centro do seu mundo!
Uma boa semana.
Abraços.

© Piedade Araújo Sol disse...

Graçinha

estou muito emocionada...e comovida.

palavras para comentar não as tenho, porque o poema está transbordante de sensibilidade, saudade e amor.

muito obrigada, pela sua partilha.

um beijo

:)

Ana Freire disse...

Profundamente comoventes, as suas palavras, Graça!...
Também eu fiquei emocionada com o seu post... já vivendo um pouco esta fase, com a minha mãe, em que se vai sentindo aos poucos que um dia a mais... será um dia a menos...
Beijinho
Ana

Marineide Dan Ribeiro disse...

Que coisa mais linda mais cheia de graça...
Mãe é tudo de bom na nossa vida...e as mãos delas então...
Obrigada por compartilhar conosco estes momentos de puro amor!

Bjussssssssss

Márcia Luz disse...


Oi, Graça,

Fiquei extremamente emocionada com a beleza e a delicadeza deste poema.

Acabo de efetuar a compra de seu livro "Uma claridade que cega". Já estou ansiosa para recebê-lo!

Beijos,

Márcia.

Maria Sem Limites disse...

Oh meu Deus, não...

Silenciosamente ouvindo... disse...

Fez-me chorar ao lembrar-me das mãos da minha mãe. Que saudades e como
eu nunca as esqueci e que falta me faria um toque.
Bjs.
Irene Alves

heretico disse...

muito belo, Graça.
comovente ternura das mães.

beijo

Nidja Andrade disse...

Faz 28 anos que minha mãe partiu para a morada do Pai, mas não tem um dia sequer que eu não lembre dela!...
AbraçO

Sinval Santos da Silveira disse...

Graça Pires, querida Poetisa !
Verdades que vivem para sempre, tão
bem lembradas em teu maravilhoso
poema. Li-o com os olhos embaçados
por teimosas lágrimas...
Muito grato e parabéns.
Um carinhoso abraço, aqui do Brasil.
Sinval.

Gaby Soncini disse...

Que lindo Graça, mãozinhas de mães sempre abençoadas.

Um imenso abraço!

Ana Tapadas disse...

Posso dizer que me comoveste e não apenas de emoção estética.

Beijinho, Graça

Ani Braga disse...

Oi Graça querida


Que lindo poema...
Fiquei com um nozinho na garganta...

Beijos
Ani

As Mulheres 4estacoes disse...

Bom dia Graça!
Às mãos que cuidam,ofertam carinho e espalham amor, sempre são recordadas.
Lindo, me fez recordar minha mãe.

Magia da Inês disse...

Lindo demais... as mães tem mãos de anjo!...

Bom domingo! Boa semana!
Beijinhos.
❤ه° ·.

AC disse...

Ah, Graça, as malhas com que tece a sua sensibilidade são um espanto!
Agradeço-lhe, pleno de gratidão.

Um beijinho :)

tulipa disse...

Graça

obrigada pela sua sensibilidade

fez-me regressar à Infância

perdi a minha querida Mãe tinha eu apenas 20 anos,

há 40 anos que deixei de ter o colinho que tanta falta faz...

no entanto sei que ela me protege a cada momento

Boa semana. Beijo

MARIPA disse...


Graça,amiga querida.

Um abraço enorme de carinho e emoção.

Benó disse...

As mãos das mãe sempre meigas e suaves mesmo quando calejadas da enxada.
Ainda recordo as de minha mãe quando me penteava e me fazia caracóis prendendo-os em laços de fita e já por fim, as suas mãos enrugadas, finas a afagarem o bisneto. Recordo....
Um grande abraço de ternura, Graça.

manuela baptista disse...

de mão dada

para atravessar o deserto do mundo


beijinhos, Graça


Odete Ferreira disse...

É precisamente através de algo físico que a memória dos que se amam se faz saudade; no caso, as mãos, mas umas mãos que envolvem todo o mundo sensorial que te (nos) liga a esse ser amado.
Gostei imenso desta abordagem no poema, Graça.
BJO :)

Ana Paula disse...

Guardei esse título em meu coração porque sabia que ele traria emoção. Então esperei por um momento que eu pudesse acolher a beleza dessas palavras, dessas mãos.Obrigada!

Blog Donna Gatta disse...

Que lindo Graça!! 👏🏻👏🏻👏🏻
Beijos.