20.3.17

Percorro devagar a minha sombra

Olga Astratova

Percorro devagar a minha sombra
para não assustar o bando de aves
adormecidas sob os dedos.
Vou traçar o perfil das árvores e do vento,
respirar o sentido da luz para contornar
os muros, até encontrar um campo de trigo
cúmplice dos primeiros aguaceiros de março.
Percorro devagar a minha sombra,
eu que precisei de cegar para sentir
o murmúrio desvairado dos pássaros,
subitamente despertos para um voo livre
envolto na memória antiga de um fuga.
E sobre a minha sombra, que percorro devagar,
sobreponho a fragilidade do poema.

Graça Pires
In: As vozes de Isaque. Macedo de Cavaleiros: Poética, 2016, p. 20

57 comentários:

Benó disse...

Quantas sombras percorremos, muitas vezes sem alcançar claridade. Gostei muito desta leitura matinal. Um abraço, Graça.

Cidália Ferreira disse...

Que bonito poema!
Amei :)

Beijo e uma excelente semana.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, o campo de trigo está mesmo ali, desfrute do mesmo na linda primavera que chegou hoje, feliz primavera.
AG

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Um belo poema de que gostei bastante e muitas vezes há que percorrer as sombras para alcançar a luz.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Bell disse...

Acredito que todo mundo uma vez na vida quis pegar a sombra.

bjokas =)

AvoGi disse...

Um poema que me faz lembrar que por muito que não queiramos a nossa sombra persegue-nos.
Kis :=}

✿ chica disse...

Que lindo e deu pra imaginar uma cena assim...Seguindo a própria sombra!Adorei!Linda primavera por aí! bjs, chica

inestcastro disse...

Que poema tão bonito.
Boa semana :)

Chic' Ana disse...

Um bonito poema! =)
Quando fechamos os olhos, parece que "ouvimos" o mundo de outra forma..
Beijinhos

baili disse...

Shadows are meant to read skilfully and you seem there brilliantly
Thank you for sharing such fascinating piece of writing friend.
Happy March! Hugs

Lucinalva disse...

Boa tarde
Lindo poema. Abraços.

Teresa Durães disse...

Do meu ponto de vista precisas de te soltar para que a sombra não te persiga.

Rita Freitas disse...

Ás vezes é preciso fechar os olhos para poder sentir verdadeiramente. "O essencial é invisível aos olhos".
Lindo e profundo.
Beijinhos

Marta Vinhais disse...

As cores são mais fortes... o canto das aves mais doce e o sussurro das árvores uma carícia...
Lindo....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Célia Rangel disse...

Percorro sempre e bem devagar a minha sombra... é autoestima garantida no melhor...
Abraço.

Fernanda Maria disse...

Um percurso decerto doloroso mas precioso, como preciosa é a vida.

Um beijinho

O Toque do coração

Cadinho RoCo disse...

Pela leveza do vagar eis que as palavras fazem brotar o que então nos oferece o poema.
Cadinho RoCo

Mar Arável disse...

Há sombras assim que se movem nos dedos (os teus)
Sempre boas as tuas mensagens
Abraço amigo

Manuel Luis disse...

Sombra que sempre nos acompanha. Se fechar os olhos por momentos, sinto o efeito das sombras nesta primavera que vai seca.
Boas entradas.
Bjs

Fernando Santos (Chana) disse...

O presente é a sombra que se move separando o ontem do amanhã. Nela repousa a esperança.
~Frank Lloyd Wright
Cumprimentos

Teresa Almeida disse...


Devagarinho, as tuas palavras ganharam asas e trouxeram memórias de voos livres e desvairados.
Assim, a sombra permitiu uma maravilhosa fuga poética.
Parabéns, Graça.
Beijinho.

Pedro Luso disse...

Olá Graça.
O gostei muitíssimo do teu belo poema, Percorro devagar a minha sombra. Na sua leitura ou releitura, como fiz, percebe-se a tua sensibilidade e vocação para a poesia. Parabéns, minha amiga.
Um beijo.
Pedro.

Aline Goulart disse...

Belíssimo poema que não tem nada de frágil. Beijinhos...

FATIMA WINES disse...

Olá, Graça!

Sombra e luz, verso e reverso.Um não sobrevive ao outro.
Fantástico poema escrito com tinta de alma.
bj.

Smareis disse...

Tão lindo o poema Graça! Me fez pensar por alguns instantes como é preciosa a vida. Estou a percorrer sempre devagar na minha sombra...
Uma boa semana!
Um beijo!

Isa Sá disse...

E não é nada fácil enfrentar as sombras que muitas vezes nos perseguem...


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Agostinho disse...

Superlativo, Graça.

De repente um tropel!
Ouço-o claramente na vibrante feitura
de sons encantatoriamente escritos em sinfónica harmonia.
Sinto as árvores torneadas pelo vento,
sinto o perfil dos muros contornados pela luz,
sinto as vidraças embaciadas
intensas até ao louro auge
do matraquear das teclas sob os dedos.

Bj.

As Mulheres 4estacoes disse...

Para conhecer a si mesmo, é preciso saber percorrer as próprias sombras.
Um abraço

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia querida Graça.
Um poema com muita sensibilidade. As vezes temos que percorrer o caminho sabendo aceitar as nossas sombras. Um feliz dia. Abraços.

Manuel Veiga disse...

sombras a que a luminosidade do poema suavemente se sobrepõe
a abrir clareiras de luz nos campos de trigo
percorridos em afã de Primavera.

muito belo, Graça

beijo, minha Amia

manuela barroso disse...

A suposta "fragilidade do poema" , fortalecido com as chuvas de março, e pássaros em voo incandescente.
Muito belo!
Beijnho, Graça

Daniel Costa disse...

Graça Pires
Para mim o poema deu recordação, de que não ficaram saudades, porém o poema, de certo modo de tão belo provocou, nostalgia, perante o facto. Só tem uma coisa: a saga da cega, daqueles finais dos anos cinquenta, era sol a sol e jornadeando, não dava tempo do observar os pássaros.
Bjs

Alfredo Rangel disse...

Encontrei o campo de trigo e estou em busca de tua sombra. Teu poema encontrei e ele é lindo, muito lindo. Nunca me canso desta procura. Desta espera! Beijo...

São disse...

Boa comemoração do Dia da Poesia !

Beijnho

Ana Tapadas disse...

Que bom que a seara, hoje, é tua!
Belíssimo o poema!

Beijinho

Sofia disse...

Perfeito para esta primavera que está a chegar (=

Beijinhos

Majo Dutra disse...

As asas das aves adormecidos sob is dedos
e subitamente tão despertas e desvairados,
contribuíram para a singularidade do poema
que, tal como as searas, fortalece e
embeleza com as águas de Março...
~ Beijinhos ~

Aleatoriamente disse...

Um poema e sua semente
Suave
pleno
belo...

Beijinho

ManuelFL disse...

A fragilidade das palavras, pathos da arte poética, é procura de sentido, de absoluto, urgência de uma vida plena. Exige ou impõe ao poeta um preço e uma recompensa, «cegar para sentir o murmúrio desvairado dos pássaros, subitamente despertos para um voo livre.»
A magnífica ilustração escolhida pela autora interpela o poema. Ignoramos, nunca saberemos, se as folhas que esvoaçam procuram um livro para se abrigarem ou se soltaram dele para definitivamente serem livres.
Beijo, Graça.

teresa p. disse...

"Percorro devagar a minha sombra" é um poema muito belo e profundo. As árvores, o vento, "respirar o sentido da luz para contornar os muros, até encontrar um campo de trigo..." é o modo poético de falar da Primavera e da liberdade com que a natureza nos desperta para a vida. Gostei muito!
Beijo.

LuísM Castanheira disse...

Frágil como a pena, o poema.
E na arquitectura da sombra
Interpõe-se o deslizar do corpo
A sentir...
E a pena se faz voo.

Mto belo, Graça.
Um beijo, minha Amiga

Arroz Di Leite disse...

Belo poema!
Bjs

Tânia Camargo

Tais Luso disse...

Com o caminhar, com o tempo, trouxe minha sombra para ser minha amiga.
Hoje estamos caminhando de mãos dadas... acho que da sombra, deu-se apenas um contorno, bem delineado.
Beijo, querida amiga!
Você é especial.

Toninho disse...

O que fica debaixo das sombras e que nos revelam cada verso.
Uma beleza de inspiração no desvestir do poema.
Muito lindo Graça.
Meu terno abraço de feliz fim de ano e uma Primavera florida.
Bjs de paz poetisa amiga.

Marta Moura disse...

Belíssimo uma vez mais.

Cristina Cebola disse...

Que as aves se soltem livres, para que a poesia nasça em cada momento, em todas as sombras que nos acompanham a vida...
Muito belo Graça. Beijinho e bom fim de semana.

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um poema majestoso que se sobrepõe às sombras, que libertas, deixam que o brilho da poesia brilhe.
Um beijinho, minha Amiga, e bom fim de semana.
Ailime

Simone Felic disse...

Olá Graça
Seu poema ilustra nossa fragilidade entreleçada com a a fragilidade
do ambiente em que o personagem vive.
Bjs e bfs

http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

AC disse...

Não sei que mais dizer, a não ser: maravilhoso!
Parabéns, Graça, muito cá do fundo!

Um beijinho :)

Maria Rodrigues disse...

E ao percorrer lentamente a sua sombra ganhou a força interior e a liberdade plena de viver.
Belíssimo poema
Beijinhos
Maria

Odete Ferreira disse...

O poema só é frágil na proporção da fragilidade do poeta aquando da sua criação. Depois, fortalece-se a cada leitura. E eu, na minha, leio o talento de colocar em verso a sensiblidade e a emoção de que o eu poético se reveste quando as coisas lhe falam. Mas também a poeta diz muito através das coisas. A cegueira é apenas aparente.
Bjinho, Graça 👏

manuela baptista disse...

adormecem as aves,
à sombra das palavras, bonitas


um beijo, Graça

Ana Freire disse...

Quantas vezes a vida não nos obriga a recriarmo-nos...
É nessa recriação que nos elevamos, e distinguimos, das nossas sombras... e que nos vamos descobrindo a nós mesmos, também um pouco mais...
Belo, e profundo trabalho, Graça... como sempre!
Beijinho! Boa semana!
Ana

Ives disse...

Fenomenal! Sob as sombras a zéfiro das luzes. beijos

Marta Moura disse...

Escreve tão bem Graça!

Cadinho RoCo disse...

As aves voam e nossas fugas também.
Cadinho RoCo

graça Alves disse...

A Graça sabe que a admiro imenso por escrever tão bem!!!
Divino este poema!
beijinhos