18.2.19

Queria prender no cabelo

Robert Coombs

Queria prender no cabelo
uma haste de sol ou um pássaro,
mas ninguém retirou as trepadeiras secas
para que a hora de verão retocasse a cal
dos muros sulcados pela chuva.
Ninguém indagou o brilho deslumbrado do olhar
quando o golpe da noite desafiava o vulto dos corpos.
Apenas o azul silencioso dos cumes
se abrigou no regaço onde as meninas
escondem o abraço das mães
para que o mel regresse às colmeias silvestres.

Graça Pires
De Uma vara de medir o sol, 2018, p. 24

62 comentários:

Larissa Santos disse...

Bom dia Amiga Graça Pires. Parabéns pelo majestoso poema. Adorei. Obrigada pela partilha:))

Hoje:- Sou tudo, sou nada. Sou o coração vadio.

Bjos
Votos de uma óptima Segunda - Feira.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Excelente e belo poema, gostei e aproveito para desejar uma boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Rejane Tazza disse...

Tanta doçura em versos.LINDO! beijos, ótima semana,chica

Sandi disse...

linda!

Olinda Melo disse...


As meninas e as mães, o azul silencioso
e o mel nas colmeias silvestres. Senti
um afago no coração, querida Graça, perante
a harmonia e doçura que essas palavras me
trazem. Praza a Deus que nada nem ninguém
ofusque o brilho desse quadro.

Beijinhos

Olinda

Cidália Ferreira disse...

Poema tão bonito. Amei!!
*
Silenciadas ilusões
Beijo e uma excelente semana.

Marta Vinhais disse...

Sol, carinho, dia tranquilo e cheio de tudo...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

carlos perrotti disse...

Qué beleza Graça, poema inspirado, amiga, iluminado, eu diria.

A imagem de Coombs me traz a nostalgia de outros tempos de caminhar procurando o destino por tantos sonhos e caminhos...

Amei a sua poesia mais uma vez. Abraço grande. Muito grande.

Toninho disse...

Poema carregado em delicadeza Graça. Fruto da sensibilidade.
E um girassol orna os cabelos da menina no colo da mãe.
Belíssimo amiga.
Uma semana abençoada com poesia.
Beijo amiga.

José Carlos Sant Anna disse...

Gosto de ler-te, Graça!
Repito o que me dizes sempre. Ler-te é reaprender que é tempo de esperar "que a hora de verão retoque a cal dos muros sulcados pela chuva"; que é tempo de esperar "que o mel regresse às colmeias silvestres; e acrescento que é tempo de esperar para reaprender a conjugar o verbo amar como o fazes em cada poema, mostrando o rastro de esperança que o homem que precisa reencontrar.
Beijo, minha querida amiga!

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Tão belo este poema, repleto da beleza e sensibilidade que caracterizam a sua poesia.
Gostei imenso.
Um beijinho, minha Amiga e enorme Poeta.
Desejo-lhe uma boa semana.
Ailime

Teresa Almeida disse...

Inspirado e inspirador. O amor bem ao alto, minha amiga!

Um poema azul.

Beijos.

maría del rosario Alessandrini disse...

Toda una bella inspiración poética, gracias.
Abrazo

A Paixão da Isa disse...

Lindo lindo parabens bjs

Cadinho RoCo disse...

A gente sempre quer o que por vezes se mostra tão incessível.
Cadinho RoCo

JUAN FUENTES disse...

Para mi es una delicia leer un poema sobre la mujer

Franziska disse...

Me ha encantado el poema porque está lleno de emoción sobre la nimiedad de un deseo no cumplido. Precioso. Un abrazo.

Sam Seaborn disse...

Lindo... muitos parabéns, gostei muito, das palavras e do sentimento

teresa dias disse...

"Queria prender no cabelo
uma haste de sol ou um pássaro"
Graça, que lindo é este teu poema.
NUNCA deixes de escrever. O teu poetizar é brilhante!
Beijo e boa semana, querida amiga.

Roselia Bezerra disse...

Boa Noite de paz, querida amiga Graça!
Muito lindo!
Sua suavidade me encanta...
Que o azul sempre encontre o recôndito do seu lindo 💙!
O regaço acolhedor seja um ninho para o Amor a se repartir.
Tenha uma Noite serena e feliz!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
😘😘😘

Mar Arável disse...

Como sempre escreves por gestos
Bj meu

Tatiana Moreira disse...

Quanta delicadeza nas palavras...
Impossível não encantar!

Um abraço carinhoso querida Poetisa!

Isa Sá disse...

Mais um bonito poema.


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Lua Azul disse...

E é esse mel que tudo adoça...
Bjo.
Boa terça-feira!

Lourdinha Vilela disse...

Um milagre acontece cada vez que te leio. Tão suave e ao mesmo tempo determinante, sublimando a vida.Parabéns Graça . Um abraço.

Agostinho disse...

Mais uma paisagem física, ou psicológica, deslumbrante, pintada pela mão certa da Poeta. Com o propósito de nos deixar maravilhados a divagar num imaginário ímpar.

Beijo, Amiga Graça Pires.

O embaraço dos cabelos
ou a surpresa da inocência?
quebrada
daí o pretexto.
Daí o segredo dos abraços.
Daí o mel.
Inclino-me para os cumes
azuis rosmaninho
Não tardam...

Marco Luijken disse...

Hello Graça,
What a great words you've write again. Wonderful/
Nice image above!!

Best regards,
Marco

Acrescenta Um Ponto ao Conto disse...

Caros amigos leitores!

Agradecendo as vossas visitas, convidamos-vos hoje a ler o capítulo 8 do nosso conto escrito a várias mãos "Ecos de Mentes". Esta semana pela mão da Fernanda Simões, interpretando Sebastião.
https://contospartilhados.blogspot.com/2019/02/ecos-de-mentes-capitulo-8.html

Com votos de uma excelente semana,
saudações literárias!

Majo Dutra disse...

A menina não terá prendido a «haste de sol» no cabelo...
E chegou o ocaso tardio, hora de regressar ao caloroso
lar e ao puro e dulcíssimo carinho maternal.
Um texto de grande sensibilidade e subtileza poética.
Para si, Poeta, dias maravilhosos.
Beijinho, querida Amiga..
~~~~

Minhas Pinturas disse...

Maravilhosa poeta Graça,
Poema cheio de sensibilidade, e maravilhoso.
Lê-lo traz a primavera para meu coração.
Obrigada por compartilhar. Beijinhos,
Léah

Maria Rodrigues disse...

Um poema sublime, obrigado por este tão belo momento poético.
Beijinhos
Maria
Divagar Sobre Tudo um Pouco

JLynce disse...

Um bonito e profundo poema...

Humberto Maranduva disse...

As surpresas, as perplexidades, as inseguranças e incertezas a tecer os medos ansiosos de que se insinua, afinal, a vida; mas esta é também o mel que a adoça (ou não).
Mais um excelente poema, minha amiga.
Beijos.

Ulisses de Carvalho disse...

E é sempre bom e frutífero que queiramos mais mundo também dentro em nós, pois gente que se abre para o novo - e até para o que às vezes aparenta ser inalcançável - expande mais a sua alma. Sinta-se abraçada através dessas palavras como eu às vezes me sinto através das tuas, Graça, um beijo.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, linda partilha poética em sintonia com a bela imagem.
AG

Quase Cinderela disse...

Um poema lindíssimo e profundo, cheio de entrelinhas e metáforas lindas
Adorei ❤️
Beijinho

Gil António disse...

Magistral e deslumbrante poema.
.
*** Mulher: O suor da doce envolvência. ***

Daniel Costa disse...

Graça Pires sempre com metáforas e sempre bem conseguido poema, além que gosto e admiro o estilo de poesia.
Beijos

Luísa Fernandes disse...

Olá Graça!
Um belíssimo poema, como sempre.
Gostei muitíssimo.
Beijinho.
Luisa

manuela barroso disse...

Além de ler os teus livros , sempre volto com a curiosidade da surpresa . E surpreendes sempre tanto com a tua doçura que te procura para adoçar o poema !
Obrigada minha amiga
Terno abraço

Tais Luso disse...

Muito linda as metáforas usadas, e a imagem acima está bela, querida Graça.
Conjunto perfeito!
Um bom restinho de semana.
Beijo, minha amiga.

Jaime Portela disse...

Brilhante, como sempre.
Essa "Vara de medir o sol" é inesgotável... o que é bom...
Graça, continuação de boa semana.
Beijo.

Suzete Brainer disse...

Que bela obra de arte única, Graça.
O título, a imagem escolhida e o poema é o
voo das palavras no máximo desta arte poesia!...

"Onde as meninas escondem o abraço das mães para que o
mel regresse às colmeias silvestres."
A perfeição alcançada na expressividade poética sobre o
valor das mães neste afeto doado e no ensinamento da
arte de ser mulher...

Um beijo, Graça.

© Piedade Araújo Sol disse...

poema onde a Poeta descarrega toda a sua sensibilidade e delicadeza de palavras poéticas

como era bom que todas as meninas tivessem sempre o abraço e o colo das mães...

muito belo

beijinhos

:)

Manuel Veiga disse...

"Queria prender no cabelo
uma haste de sol (ou um pássaro)" - "reconcilias-me" com as metáforas assim a penderem
de uma haste de sol.

muito belo, Graça

beijo

Marta Martins disse...

Muitos parabéns, obrigada pela partilha, adorei.

Arthur Claro disse...

Linda poesia, meus parabéns.

Arthur Claro
http://www.arthur-claro.blogspot.com

ManuelFL disse...

Também nós ansiamos pelo regresso do mel às colmeias silvestres.
E nos abrigamos no regaço da poesia sensível e encantatória da Graça.

Beijo.

Emília Pinto disse...

O tempo passa, tudo muda e, se pararmos para pensar, vamos com certeza recordar os anos em que corriams livremente pelas estradas da aldeia, pelos campos floridos e tudo servia para enfeitarmos os cabelos compridos. E como era bom retornar a casa e ter o consolo do regaço da mãe que nos afagava carinhosamente, tirando os pequenos galhinhos que ficaram presos nos fios longos e emaranhados pela brincadeira. Voltei atrás, inevitavelmente,
e revi-me nesse quadro, com palavras sublimes aqui pintado, com umas saudades tremendas desse regaço, um regaço que agora precisa de colo, precisa que a deixem pousar , num regaço sedoso, os seus calelos agora curtos, mais rarinhos, mas bem cuidados, como sempre gostou de os ter. Mas, há muito que as trepadeiras secaram na casa dela e que também foi minha, os invernos rigorosos tiraram a cor às paredes que tristes permanecem em pé, já sem esperanças de que a vida volte àquele lugar. Mas uma coisa me consola, amiga, a trepadeira secou, as paredes escureceram, mas o regaço continua à minha espera, lá naquela nova casinha, do outro lado do Atlântico, onde as orquideas florescem na paredinha branca da varanda fazendo a alegria daquele colo que me quer aconchegar e que anseia pelo meu para nele também repousar. E assim, amiga, são os tempos, tempos em que recebemos colo, outos em que precisamos e devemos retribuir o colo, se possivel com mais carinho. E assim, também, Graça, de novo me alonguei, de novo deixei que, depois de ler esta ternura, o meu coração divagasse. Talvez deva pedir-te desculpas, mas...não sei, creio que não. Será dificil para mim parar o meu coração quando ele decide abrir-se. Parabéns, amiga! Um beijinho e bom fim de semana
Emilia

Pedro Luso disse...

Pois é, querida amiga Graça, aqui neste simpático espaço encontro sempre a Poesia tratada com o carinho e o talento que tens, como vemos nesses belos versos do seu delicado poema:

"Ninguém indagou o brilho deslumbrado do olhar
quando o golpe da noite desafiava o vulto dos corpos."


Um excelente final de semana com alegria e paz.
Beijo.
Pedro

teresa p. disse...

Há lugares outrora belos que se foram degradando pelo abandono humano. Este poema invoca, por meio de metáforas delicadas, mas sublimes, a tristeza desse abandono.
"Apenas o azul silencioso dos cumes / se abrigou no regaço onde as meninas / escondem o abraço das mães / para que o mel regresse às colmeias silvestres."
A imagem também é maravilhosa.
Beijo.

Mariazita disse...

Com tanta beleza e doçura... apetece pousar a cabeça mo regaço e... descansar!
LINDO!

Estou muito grata pela presença na festa de Aniversário do meu “pimpolho”. Ele gostou muito de a ver lá… 😘
Obrigada!

Desejo bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite querida Graça
Uma imagem bem delicada e bela. Amei a poesia. Feliz domingo e semana. Beijos.

Aline Goulart disse...

Estava com saudade da tua poesia. Logo, estou aqui.
Linda e delicada poesia. Excelente!

Beijinhos.

Sinval Santos da Silveira disse...

Querida Mestra, Escritora/Poetisa, Graça Pires !
Visualizei a cena, por ti, descrita.
É linda !
Parabéns pelo belo texto.
Um fraterno abraço, aqui do Brasil, e um feliz
domingo.
Sinval.

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Graça
Que coisa mais gostoso ler
esses versos tão delicados!
Bjins de encantamento
CatiahoAlc.

Branca disse...

Belo poema!

Fá menor disse...

Belíssimo poema! Gosto sempre tanto das suas palavras, em frase sempre tão bem desenhadas!
Não consigo comentar melhor, tal é a luz que emite! Gosto mesmo muito!

Boa semana, amiga!
beijos.

LuísM Castanheira disse...

na mesma orla,
onde o mar acalma
a dissipar sombras
ou nos longínquos montes,
a expandir sonhos,
há um olhar poético
fixo na beleza.
(e a poeta colhe, tanto o cantar suave dum pássaro, como a cor seca dum raio de sol)

mais um belíssimo poema, Graça.

um beijo, minha amiga.

Anónimo disse...

Very nice and lovely blog. I like your blog
https://47biz.com

Ana Freire disse...

Maravilhosa inspiração... que parece conter a essência primordial da vida, do entusiasmo, da esperança, do encanto... já se respira Primavera, por aqui!...
Maravilhoso... como sempre, Graça! Parabéns!
Beijinhos
Ana

manuela baptista disse...

em breve a hora de verão e um pássaro a desprender cabelos

muito belo este poema

um beijo, Graça