14.10.07

Contra o peito da noite

Christian Hang


Contra o peito da noite me aconchego
sem medo da manhã.
Sei que não sou rival do vento,
nem é minha irmã a lua cheia.
Urgente de viver, simulo o futuro,
como quem saboreia a pureza
no limiar do pecado.
Deitada sobre a terra gravo,
nas paredes côncavas do firmamento,
uma palavra de amor recém-nascida.
E, nem o mais leve movimento das mãos,
abertas sobre a fantasia,
mostrará a dança das sílabas sobre a boca,
onde existe um barco de vidro gritando por um rio.


Graça Pires
De Conjugar afectos, 1997

10 comentários:

soledade disse...

Não sei se colho o que a poeta semeou. Mas, como Pessoa, acredito que sentir sente quem lê. E a mim cativa-me a afirmação tranquila de impossibilidades que não paralizam, antes impelem à criação, ao sonho de futuro, à "palavra de amor recém-nascida". E no verso final bem se escuta a urgência deste apelo.
Belo poema, Graça. Para uma boa semana :)
Um beijo

maria m. disse...

sente-se um incentivo à vida, apesar de tudo, um desejo forte de viver.
gostei!

hfm disse...

Da simplicidade da interrogação que está longe de ser mera especulação. E a poesia aqui habita.

alexandrecastro disse...

por mero acaso vim aqui a parar...confesso que gostei do que por aqui se sente.voltarei mais vezes.

isabel mendes ferreira disse...

contra o dia...eu diria....todo ele claro.

todo luz.


porque é de luz que o teu peito fala na calada da noite.


belíssimo aconchego!!!!


beijo.

Mïr disse...

"... a dança das sílabas sobre a boca,
onde existe um barco de vidro gritando por um rio"

Lindo.

Marinha de Allegue disse...

A noite sempre feiticeira e sobre o peito máis...

Unha aperta.
:)

Luis Eme disse...

contra o peito da noite...

sem medo da manhã...

deitada sobre a terra...

onde existe um barco de vidro...

Graça Pires disse...

Soledade, concordo com Pessoa: sentir sinta quem lê... Mas gosto que goste do que eu escrevo.
Maria a poesia, a minha, é sempre um incentivo à vida.
Helena, a poesia habita aqui sim...
Alexandre, obrigada pela visita e volte sempre.
Isabel, é de luz, sim que o meu peito fala na calada da noite. Lindo.
Mïr, gosto da tua visita.
Marinha de Allegue, unha aperta.
Luis, foi bom teres vindo.
Um beijo a todas e a todos

herético disse...

"simulo o futuro,
como quem saboreia a pureza
no limiar do pecado..."

apenas um Poeta maior poderia dizer. assim. tão belo.