10.10.07

A ninguém revelaste o teu nome



Disfarçado na melancolia das trevas,
a ninguém revelaste teu nome.
Eras um vulto, em primeiro plano,
tão indeciso como um pássaro.
Vinhas carregado de remorsos e paixões.
Cicatrizes antigas, denunciaram teu retorno.
Uma mulher rememorou, em teu perfil,
quantos barcos avistou pela proa do olhar.


Graça Pires
De Uma certa forma de errância, 2003

11 comentários:

Mïr disse...

"(...)a ninguém revelaste teu nome.
Eras um vulto, em primeiro plano,
tão indeciso como um pássaro(...)"

Lindo!

Mar Arável disse...

Os mares estão cheios de barcos

à vista

e de naufragos

Os pássaros

de tão livres ficam com o nome que nós lhes damos

maria m. disse...

belo, Graça!
sinto como que uma nostalgia e um momento de regresso não apaziguado ainda...

hfm disse...

Dos vultos que ainda difusos continuam a percorrer os nossos sentidos e o imaginário. Soberba construção poética.

herético disse...

há sempre um porto, um seio ou um bálsamo para cicratizes de barcos cansados.

belo

Luis Eme disse...

Belo retrato do homem dos mares...

hora tardia disse...

um barco de quilha"Alta".

o teu poema. navegante.


belo. como nos habituas....:)))bem!


beijo.

soledade disse...

Um poema de sarar com retrato em fundo. Gostei muito de ler.
Um beijo, bom fim de semana

multiolhares disse...

existem vultos carregados de magoas
só quando o coração se aquieta
podem aportar em porto seguro

beijinhos
luna

perola&granito disse...

., . - . - , _ , .
.) ` - . .> ' `(
/ . . . .`\ . . \ Ofereço uma rosa
|. . . . . |. . .|
. \ . . . ./ . ./
.. `=(\ /.=` perfumada
.... `-;`.-'
......`)( ... , para aromatizar
....... || _.-'|
........|| \_,/o teu dia...
........|| .*´¨)
¸.•´¸.•*... ¸.•*¨)
(¸.•´ (¸.•` *
*´¨) мιℓ вєιנoѕ♥*♥
¸.•´¸.•*... ¸.•*¨)
(¸.•´ (¸.•` **♥*♥

Graça Pires disse...

Mïr, obrigada pela visita e por achares lindo. Também gosto muito do teu espaço.
Gostei Mar Arável das palavras tão cheias de poesia "Os pássaros
de tão livres ficam com o nome que nós lhes damos" Belo.
Maria, a espera, o regresso, o reencontro. Nem sempre fáceis...
Helena, és sempre generosa comigo.
Herético tão cheio de sentimento o que dizes. Bem hajas.
Luis é Ulisses este homem dos mares.
Isabel, gostei do barco de quilha alta...
Soledade bem haja pelas palavras.
Luna tens razão "só quando o coração se aquieta" é que se pode fazer o que quer que seja.
Perola&Granito obrigada pela rosa perfumada. O cheiro ainda paira por aqui.
Um abraço a todas e a todos.