6.6.08

Os dias de Junho

Robert Doisneau


Neste lugar, onde as giestas
derramam o mel junto aos caminhos,
medimos os dias de junho
pelo exacto despertar do horizonte,
quando os homens se levantam
para soltar o gado
e, por dentro dos seus olhos,
a lua se esconde, perturbada.


Graça Pires
De Quando as estevas entraram no poema, 2005

21 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

são meus os dias de junho....:)



Graça.



obrigada.


tanto e tanto. pela gentil companhia...


_________________e pelas suas LETRAS. maiores.


beijo.

Vieira Calado disse...

Belo!
Mais um.
Bom fim de semana.

Luís disse...

neste lugar...

a lua nunca se esconde...

abraço Graça

(luis eme)

Pena disse...

Simpática Amiga:
Um poema lindo feito de gentes que conheço tão bem.
Enaltece-os de forma linda e admirável de ternura gigantesca. O imenso significado belo de você e da linda pessoa que é e pensa.
Pessoas singelas e simples, mas poderosas e brilhantes no sentimento.
Gostei muito de ler.
Fez-me recuar no tempo. Fiquei maravilhado.
Beijinhos de elevada estima e amizade.
Sempre a admirá-la e a respeitá-la

pena

scaramouche disse...

dias quentes de saudade.
gostei bastante,
parabéns.
scaramouche.

alice disse...

a lua esconde-se no olhar... desta ortografia peculiar :) beijinho, graça. bom fim de semana!

DE-PROPOSITO disse...

Em junho,
mês das ceifas,
coisas que passaram à história.
Fica bem.
E a felicidade por aí.
Manuel

São disse...

Luz levo eu sempre daqui com a beleza do que nos ofereces.
Bom fim de semana, Graça.

herético disse...

tempo de colheitas...

e de luares estonteantes. ou serãos olhares?...

muito belo

herético disse...

"serãos"? nunca ehehehe

JRL disse...

a lua esconde-se, perturbada. um beijinho e bom fim de semana.

teresa p. disse...

Toda a luz de Junho neste pequeno grande poema.
Beijo.

dona tela disse...

Tenho lá um desafio muito giro.

P.S. Então é assim: Como ainda não sinto categoria para comentar, vou deixando o mesmo recado em todos os senhores(as). Certo??


Até logo.

© Piedade Araújo Sol disse...

muito belo!

como já nos vens habituando!

beij

pin gente disse...

envergonha-se de mostrar a sua pose
o seu lugar no céu
àqueles cujos olhos de cansaço
depertam num imenso breu

Ailime disse...

Lindo poema, que me fez regressar aos campos da minha infância, me fez lembrar tantas coisas belas que vivi...
Obrigada e parabéns.

Marinha de Allegue disse...

Días de celebración, nacín o 4 de xunho...

Beijos linda.
:)

Licínia Quitério disse...

Hora de sol e lua. Bonito, bonito.

Beijo, Graça.

inominável disse...

"soltar o gado": para os homens, sempre demasiado cedo; para o gado, sempre demasiado tarde...

(e como o homem tem alma de gado dentro!)

maria m. disse...

poema de mãos dadas com a natureza.

beijo.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Acho que todos escondemos luas dentro dos nosso olhos. Simplesmente belíssimo.