27.6.09

Perto do Tejo



Mais perto do Tejo, há palavras
que tocam o sossego dos lábios
para dizer o sul da mágoa,
no voo convergente das gaivotas,
quando os barcos se abrem
ao argumento ondulado das marés.

Graça Pires
De O Tejo e a margem sul na poesia portuguesa: antologia, 1993

42 comentários:

maré disse...

No voo convergente, os lábios escravizam-se de azul
quando de ti bebo marés.

____
tão cheias, minha querida Graça.
Um beijo imensíssimo

viernes disse...

sempre aconteceram-me palavras à beira do Tejo, belo poema!

um beijo

simplesmenteeu disse...

"há palavras que tocam o sossego dos lábios" e ficam presas, dentro de nós, como pássaros de lume.
No voo das suas asas, nos desvendamos.

Cada palavra, uma gota de água a reflectir a luz!

Beijo carinhoso

Marta disse...

Que lindo - sentir o vento a beijar-nos os lábios à beira rio..
Não o Tejo, mas o Douro no meu caso...
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

E que o sossego saia dos seus lábios em forma de canção.

Beijo grande, Graça linda.

Rebeca

-

maría nefeli disse...

O Tejo diz palavras, palavras que não mudam...embora seja um rio quem fala...
um grande beijo

Pena disse...

Oh, Preciosa e Simpática Amiga Poetiza de sonho:
Cada palavra deixada no meu "Cantinho" foi lida e relida com toda a atenção e ternura.
"Construiu" um belo poema de amor com "imagens" literárias do extraordinário Tejo e as suas ondas. Lindo. Extraordinário.
De enternecer e encantar.
Uma inspiração poética fabulosa. Linda.
OBRIGADO por assim.
Beijinhos agradecidos e sempre a respeitá-la e a estimá-la

pena

OBRIGADO pela sua preciosidade humana amiga.
Bem-Haja, amiga!

hfm disse...

Daqueles que nos encerram.

JMV disse...

Só para dizer o Sul...

um beijinho

Tchi disse...

O Tejo deixa dizer tanto do seu parapeito, mesmo que os lábios não se movam em horas de espanto.

Beijinhos.

Lembro-te.

Isabel disse...

e quando as palavras convergem assim quem há-de sobreviver a tanto saber?
quem?


.



perto de si. sempre.


beijo. sobre a água do tempo.


Graça.




(piano)

partilha de silêncios disse...

Quano os barcos se abrem ao argumento ondulado das marés,também nós ao argumento ondulado da vida.
Gostei muito, como sempre.

Bom fim de semana.
bjs

triliti star disse...

o tejo com quem converso desde miúdo. que me responde às vezes. outras caminha calmamente sem parecer dar por mim, calmo, muito calmo.


outras ainda, sujo e malcheiroso como pobre sem casa vivendo debaixo das arcadas ou em bancos de jardim.

... transportando dejectos, transportando gentes, gentes, dejectos, gentes, dejectos, dejectos gentes. convergentes.

as gaivotas.

os gritos.

os bancos de pedra (estão lá ainda?).

os turistas (convencidos que estão muito distraídos).

os larápios (à espreita dos distraídos).


e eu hoje em dia muito não.

desculpa.















um belo post.




eu é que não estou grande coisa hoje...

Paula Raposo disse...

Muito bonito! Como sempre, Graça! Muitos beijos.

Luis Eme disse...

perto do Tejo, há sempre poesia, da boa...

abraço Graça

Hercília Fernandes disse...

Lindas imagens poéticas, Graça.

No voo das gaivotas, as tuas palavras expandem pura poesia.

Belo, minha amiga.

Beijos :)
H.F.

vaandando disse...

e o que há , Poeta!
breve a leitura , e este rumor nos lábios....
um prazer lê-la , como sempre ...
um beijo!
______ JRmarto

tecas disse...

" para dizer o sul das mágoas". Belo. O mar é e sempre será uma das fontes ( mesmo de água salgada), que sacia a sede dos poetas. Poucas palavras...e...encontra-se o sumo.
Bji amigo querida Graça

Teresa Durães disse...

gosto da imagem desses barcos que se abrem

Tétis disse...

Graça

Belo poema ao Tejo, às suas águas, às gaivotas e aos barcos que o sulcam.

E o nosso Mondego? Por acaso não tens nenhum poema a ele dedicado?

Amiga, aproveito para te comunicar que tens um prémio no nosso blog para recolheres e trazes para junto de ti.

Este prémio é para ti porque tens um "coração de ouro".

Beijinhos

São disse...

Também amo o Tejo...
Feliz semana.

teresa p. disse...

"Perto do Tejo"... um lugar perfeito para a poesia, com "palavras que tocam o sossego dos lábios / para dizer o sul da mágoa..."
Muito belo e profundo este poema!
Beijo.

A.S. disse...

Graça,

Ler-te é sempre uma delicia!...
Bem hajas!


BjO"ss

segredo disse...

E a k voos me levaste...!!!
Beijinho de lua*.*

ESCONSOLADO disse...

Eu, que estive ausente de tudo, voltando de profundas mágoas, da quase desesperança, me aprazo ouvindo palavras águas, palavras vento e sossegos. Obrigado

Argos disse...

O Tejo enfeitiça-nos…

Um grande abraço e obrigado por este cantinho

maria m. disse...

«há palavras/ que tocam o sossego dos lábios»
belíssimo poema, Graça!

beijo grande.

© Piedade Araújo Sol disse...

o Tejo sempre me fascinou, também eu tenho por aí um poema homageando o rio.

a sua poesia é sempre muito doce de ler e reler.

um beijo perto do Tejo!

Chris disse...

Belissimo voo convergente das gaivotas.
bjs

Vieira Calado disse...

Bem feito!

Beijoca.

Jaime A. disse...

Adoro as metáforas tão carregadas de "imgens".

Nilson Barcelli disse...

Perto do Tejo há sempre poesia nos olhos do poeta.
Nos teus, no caso presente.
Gostei das tuas palavras, como sempre.
Beijo.

Laura disse...

E eu que aprendi a amar o Tejo...

Lindas palavras e figura.

Um beijo

mariabesuga disse...

ao sul...
as gaivotas...
as palavras...
rumo ao sossego...

Um beijo, Graça
Boniiiiiiiiito poema.

João Videira Santos disse...

Três palavras,apenas,como comentário:Bonito,bonito,bonito!

Huma Senhora disse...

Aqui, longe do Tejo, pude ouvir sa suas correntes

Licínia Quitério disse...

"dizer o sul da mágoa" é dizer o poder da água. Que bom ler-te!

Beijinho, Graça.

mariab disse...

bem hajas pela beleza que me trazes sempre que te leio.
beijos

heretico disse...

sul da mágoa. coisa diferente da mágoa ao sul...

belo. sempre.

beijo

Gisela Rosa disse...

"Mais perto do Tejo" todo o olhar se torna possível...

é lindo Graça! Um beijinho

Parapeito disse...

...Quase todos os dias o vejo....e nunca me canso...
Bonito o Tejo...bonito Perto do Tejo*****

avlisjota disse...

A beleza do tejo é inspiradora...
Toca-nos fundo, quando as novas das gaivotas, emergem mágoas, vindas das marés, desassossegar lábios!

Lindo poema Graça, gosto muito

Beijos

José Silva