5.12.09

Em seara alheia


É DAS FONTES QUE FALO!

Falo das casas de rosto contente virado para o mar,
da procura apaixonada das conchas raras
abandonadas na vazante,
do mistério nunca desvendado da canção dos búzios,
da postura majestática dos cactos com flores
vermelhas sobre as dunas,
falo da robusta madureza do teu corpo
aberto como um suspiro
liberto de cansaço no tempo certo!...
É das fontes que falo,
insubstituíveis, teimosas fontes
escondidas, esquecidas, não lembradas,
mas avidamente luminosas,
sequiosas nos olhos que procuram, se procuram,
no enleio confusamente inevitável
de quem caiu de borco das estrelas nos labirintos
e becos da cidade,
onde as crianças sabem
não haver fronteiras claras entre a vida e a morte,
entre o riso e a tristeza,
e acariciam silenciosamente, com mãos de jade,
as lágrimas que parecem tombar do céu,
mas que brotam violentamente da terra!...

Eduardo Aleixo
In: As palavras são de água. Lisboa: Chiado Editora, 2009

38 comentários:

alice disse...

depois de ter lido este belo poema, apetece-me fazer um trocadilho entre o título da obra e o último verso: as palavras são da água, mas brotam da terra :) um grande beijinho, graça. bom fds!

Paula Raposo disse...

A tua imensa sensibilidade escolheu um dos poemas mais bonitos do livro do Eduardo!
Beijinhos.

JMV disse...

Passo sempre por cá para ler.É um dos meus pequenos prazeres.
um beijinho

São disse...

Muito bonito, muito certeiro...

Boa opção a tua!

Um abraço, zogia.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Graça,

Toda casa que exala alegria faz a vida ter um sorriso diferente.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

romério rômulo disse...

graça pires:
convido você e seus leitores para uma entrevista minha feita pela
http://www.diversos-afins.blogspot.com/
um abraço.
romério

maré disse...

" falo ( ) do mistério nunca desvendado da canção dos búzios"

falo do incessante recado da vida a contrariar o violento caminho da morte...

____

é lindo, tremendamente profundo, Graça. Não conheço este poeta, apesar de já ter visto o seu nome por aqui.
Obrigada, minha querida.
Para ti um beijo imenso.

Marta disse...

Há sempre um grande mistério nas palavras...que se agarram à terra e a sentem plenamente...
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

© Piedade Araújo Sol disse...

G.

uma boa escolha do Eduardo que sabe escrever muito bem, e que consegue dar uma ternura às palavras que deixa uma sensaçao de paz:

deixo aqui um poema dele que é inédito e que eu também gosto muito:

Tu não precisas dos livros dos sábios
Para vires falar sobre o voo das gaivotas
Nem sobre o escoar leve das areias finas pelos dedos das tuas mãos
Nem sobre o azul do ceu e das ondas do mar,
E não precisas,
Porque tudo está nos teus olhos, Na tuas mãos,
Na pele do teu corpo,
Pincel mágico
Que pintou o quadro vivo do poema.

Obrigada!

bom domingo...

Henrique Dória disse...

Gosto de vir às tuas fontes.Beijos

Eduardo Aleixo disse...

Só tenho que te dizer muto obrigado e que me sinto muito honrado...Um abraço amigo.
Eduardo Aleixo

Isabel disse...

beijo aos dois.





de águas límpidas em caDA mão.



(piano)

Gisela Rosa disse...

magnífico este poema Graça!

Não tem espaços vazio, todas as palavras se encaixam como num xadrez que me lembra a vida...


beijinho grande Graça, neste mês lembro-me muito de si (em especial)

cristinasiqueira disse...

Oi Graça,

O elo é o verso.Belo poema de Eduardo Aleixo.Êle e sua sabedoria a compor da vida a lírica vazante dos dias.
Lindo e de bom gosto este teu espaço.

Para béns !

Beijos,

Cris


www.cristinasiqueira.blogspot.com

A.S. disse...

As palavras do poema estilhaçam na frieza escultórica dos imbecis!

Mas ser poeta, é ser contra o comodismo das palavras!

BRAVO!!!

Eduardo Aleixo disse...

Obrigado, Piedade Sol! Se não fosse tão agradável a surpresa que fizeste, eu diria que era traição! Mas é uma traição boa. Não esperava tantos mimos...Abraços meus.

Alma disse...

Gostei muito de ter passado por aqui - bem haja.

teresa p. disse...

"É das fontes que falo,... avidamente luminosas, sequiosas nos olhos que procuram, se procuram..."
Lindo! Óptima escolha "em seara alheia"
Parabéns ao autor.

Beijo.

Licínia Quitério disse...

É um belo poema. Que bom que tenhas divulgado este autor.

tb disse...

em "seara alheia" ou casa própria, sempre a sensibilidade e bom gosto.
abraço

Argos disse...

Olá

Há já algum tempo que não passava por aqui e fiquei maravilhado com este poema que não conhecia.
Profundo, mesmo muito. Obrigado pela escolha.

Um abraço

viernes disse...

essa procura apaixonada de conxas raras faz-me lembrar agora da paixão do Neruda pelo mesmo...

belo poema!

um beijo

A Magia da Noite disse...

as lágrimas brotam da dor, quando doem, nascem como rios de onde quer que magoe.

partilha de silêncios disse...

Muito bonito !

Obrigada.

bjs

dade amorim disse...

Belo poema, Graça. Não conhecia o autor.
Seria possível encontrar teu livro aqui no Brasil?

Beijo e boa semana.

JPD disse...

Belíssimo!

Saudações

Adriana Karnal disse...

GRaça,
achei lindo o poema, mas quando comecei a ler senti que havia algo diferente que não a tua escrita,claro, não é tua composição.Boa escolha amiga.

helia disse...

Lindo Poema que chegou até mim nesta manhã chuvosa e de que gostei muito!

Teresa Durães disse...

um poema de relevo!

HELENA AFONSO disse...

OLÁ GRAÇA,
Só hoje tive o privilegio de conhecer o seu blog e asua poesia, que adoro. Vou já comprar o livro....meus parabéns!
HELENA

segredo disse...

As fontes e o amor no recanto dos becos...
Lindo como é teu habito;)
Beijinho de lua*.*

Nilson Barcelli disse...

Li este poema e fiquei maravilhado.
Fui ler mais ao blogue do autor e confirmei o sabia: é um escritor.
Querida amiga, obrigado pela partilha.
Beijos.

João Videira Santos disse...

Um texto com uma profusão de imagens poéticas...Gosto.

maria manuel disse...

que belo poema de mais um autor que desconhecia. fazes sempre excelentes escolhas, Graça! obrigada pela partilha. um beijo.

Fernando Campanella disse...

Lindo poema do Eduardo Aleixo, belíssima escolha. Grande abraço, minha amiga.

Vieira Calado disse...

Belo, este poema do amiga Eduardo Aleixo!

deixo-lhe uma beijoca

Mofina disse...

Poema cristalino!

bjs

gabriela r martins disse...

linda esta tua maneira de seleccionar poemas de outrém

e excelsa a selecção


eis.me ,Graça ,final mente regressada a este novo ano que espero te traga um açafate de criatividade e uma mão cheia de realizações

antes de retirar.me ,deixo.te



.
um beijo ,ainda fresco