11.3.10

Em seara alheia


Devia olhar o rei
Mas foi o escravo que chegou
Para me semear o corpo de erva rasteira

Devia sentar-me na cadeira ao lado do rei
Mas foi no chão que deixei a marca do meu corpo

Penteei-me para o rei
Mas foi ao escravo que dei as tranças do meu cabelo

O escravo era novo
Tinha um corpo perfeito
As mãos feitas para a taça dos meus seios

Devia olhar o rei
Mas baixei a cabeça
Doce terna
Diante do escravo.

Paula Tavares
In: Manual para amantes desesperados. Lisboa: Caminho, 2007

43 comentários:

Paula Raposo disse...

Belíssimo poema escolhido, Graça! Obrigada pela partilha.
Beijinhos.

João Videira Santos disse...

Um poema de multiplos sentidos,juízos - como lhe queiram chamar.

Dos melhores post's que tenho lido

(sinceramente!!!)

Parabéns!

mundo azul disse...

________________________________


...que bonito! Nem sempre o rei possui todas as chaves...

Obrigada, pela partilha!


Beijos de luz e o meu carinho...

__________________________________

Desnuda disse...

Qurerida e talentosa amiga,

um poema belíssimo escolhido por sua sensibilidade e saber. Parabéns Graça e Paula! Um presente, para nós leitores.


Carinhoso beijo

hfm disse...

Gosto desta escolhas, Graça. Escolhas que me vão alargando. Um beijo

Mar Arável disse...

Uma pérola

Bjs

A.S. disse...

Graça...

Hão-de haver sempre razões que a própria razão desconhece!


Beijos
AL

JMV disse...

Gosto muito do poema que escolheu. Se fechar os olhos e o reler de memória desenhase-me na cabeça a sombra de uma coluna grega.
um beijinho

Silvana Nunes .'. disse...

linda póesia, Graça.
Beijo grande.

dade amorim disse...

Lindo poema, Graça. Feminamente lindo.
Beijo.

Pena disse...

Prodigiosa Poetiza Amiga:
A simplicidade deliciosa e fabulosa de uma Realeza de sonho. Lindo poema. Doce. Terno. Singelo.
Um extraordinário sentir.
Oh, deslumbrante Poetiza FENOMENAL é fabulosa, mesmo na pureza como confecciona os seus versos lindos.
Adorei.
O seu talento é inesgotável. Sublime.
Abraço amigo de respeito gigante.
Sempre a lê-la atentamente pela fantástica magia dos seus versos divinais. Enormes.

pena


MUITO OBRIGADO pela visita. Extraordinária.
Bem-Haja, prodigiosa poetiza amiga.

Úrsula Avner disse...

Oi Graça,

bela postagem, lindo poema da Paula num versejar peculiar de tema incomum e interessante. Bj,

Úrsula

manuela baptista disse...

...de como o escravo
era o rei...

"em seara alheia" faz de mim um rei?

cego
distraído
sem tacto

Gostei, deste poema de Paula Tavares!

um beijo

Manuela

gabriela r martins disse...

um belíssimo poema escolhido a rigor

e quanto a dizer em cada verso!...




.
um beijo

Marta disse...

Brilhante e simples...
Gostei imenso...
Obrigada pela partilha..
Beijos e abraços
Marta

alice disse...

a graça traz-nos sempre palavras de outros que parecem nossas... os poetas devem ter uma só alma :) um grande beijinho*

ps.: depois envio um livro para si, com muito gosto.

Nilson Barcelli disse...

Fizeste uma belíssima escolha.
Acho que nunca li nada da autora, mas ela escreve muito bem.
Um beijo, querida amiga.

© Piedade Araújo Sol disse...

gostei da escolha.

muito bem escolhido.

um beij

José Miguel de Oliveira disse...

Há tempos descobri sem querer que Graça Pires é o nome de uma receptora de um prémio nacional de poesia... e percebe-se porquê. Parabéns pelo quanto nos toca. Beijinho

Fred Matos disse...

Belo poema.
Ótimo fim de semana, Graça.
Beijos

JOSÉ RIBEIRO MARTO disse...

Absolutamente Belo , só o seu olhar POETA!
Grande abraço
________ JRMARTO

segredo disse...

K esse escravo seja o teu escravo!!!
Poema lindo.
Beijinho de lua*.*

Braulio Pereira disse...

divino poema

obrigado por compartir-lo


beijos!!

Jaime A. disse...

o doce apelo do não permitido...

Aníbal Raposo disse...

Lindíssimo poema.Escolha perfeita.
Beijos

Mofina disse...

Tão simples e belo este poema, adorei!

Beijos

avlisjota disse...

"Devia olhar o rei
Mas baixei a cabeça
Doce terna
Diante do escravo."

Devemos sempre olhar o amor...

Bjs e bom fim de semana!

viernes disse...

a beleza do proibido, de quem não pede nada...
belo poema, graça!

beijos

tecas disse...

Uma pequena maravilha, este poema querida Graça. Obrigada pela partilha e pelo carinho do seu comentário.
Bji amigo

heretico disse...

poema de corpo inteiro.

belíssimo

beijo

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Hoje é só para lhe dizer que tenho nova postagem no meu blog

a desvendar o mistério do blá blá blá

do esperanto... (?)

Bjs

maria manuel disse...

belo poema de uma autora que descinhecia. obrigada, Graça, pela partilha. beijo.

Maria Madalena Schuck disse...

Estimada poeta, em meu blog
http://spleenbored-minhaspoesiasfavoritas.blogspot.com/

Encontra-se uma singela homenagem a sua maravilhosa poética. Qualquer coisa em desagrado, por favor me avise.
Espero que aprecies, com carinho
Maria Madalena.

Eduardo Aleixo disse...

Poema maravilhoso.
Beijo, Graça.

teresa p. disse...

Lindo e singelo este poema!
Gostei muito.
Beijo.

maré disse...

ou de como o amor se faz coroa...

entrançado de belíssimas palavras Graça.

obrigado por as teres mostrado e me dares a conhecer mais uma preciosidade.

______

para ti, um enormíssimo beijo

Lídia Borges disse...

Uma ideia comum expressa com uma criatividade absolutamente invulgar.
Muito interessante!

L.B.

A.S. disse...

Vim reler-te, rever-te... e deixar um beijo!

AL

Licínia Quitério disse...

Tão belo o poema. Não conhecia a autora. Obrigada, sempre.

vanessa disse...

Onde vc encontra essas coisas? rs Muito lindo mesmo!!!

Nilson Barcelli disse...

Como não tens o link da Paula Tavares, vou ter que procurar.
Gostava de ler mais poemas dela.
Querida amiga, um beijo.

Benó disse...

Obrigada Graça por nos trazer a poesia de Paula Tavares. Confesso a minha ignorância em nunca ter lido nenhuma obra sua.
Um abraço.

Maria Clarinda disse...

Obrigada pela partilha, lindo!!!