25.3.10

Memórias de Dulcineia XVIII

Gustave Dore

A notícia se espalhava:
um cavaleiro andante
em doida cavalgada pelo vento,
ridículo, intruso de si mesmo.
A notícia corria de boca em boca:
um herói de batalhas não travadas,
excluído da sorte.
A notícia vinha e voltava com os pássaros.
Da notícia falavam.
Todos. Sempre.
Como quem ri da própria tristeza.


Graça Pires
De Uma extensa mancha de sonhos, 2008

42 comentários:

Paula Raposo disse...

Assim são. As batalhas não travadas.
Beijos.

Braulio Pereira disse...

obrigado pela visita

grato pelo comentario.

beijo!!

Maria disse...

Rir da tristeza... com palavras destas e o poema está feito!

Marta disse...

E ninguém se pergunta qual a razão....
Gostei muito...
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

Teresa Durães disse...

olá boa tarde, se quiseres comprar o livro (sem ser numa livraria ou pela editora), manda-me um email com a morada para terduraesbeco@gmail.com

São disse...

Há sempre um pouco de D. Quixote em cada ser humano...

Um abraço.

dade amorim disse...

Como entendemos bem essa porção Quixote que trazemos todos!

Beijo, Graça.

Pena disse...

Brilhante Poetiza Amiga:
Um Cavaleiro Andante lutador e sensível pela luta que conduz ao infinito sofrido de si.
Uma poesia perfeita como sempre.
Uma sensibilidade admirável e fabulosa.
Excelente.
Beijinhos amigos de imenso respeito ao seu talento.
Sempre a lê-la com atenção pela preciosidade humana e poética que é.

pena

Bem-Haja amiga, pela amizade.
MUITO OBRIGADO pela amabilidade e simpatia no meu blogue.
Adorei.

Fa menor disse...

Memórias ao vento... do vento...
sonhos que os pássaros trazem e levam nas asas.

Beijinhos

manuela baptista disse...

loucos os que cavalgam pelo vento

corajosos os que o fazem contra o vento

ridículos são
os que riem da tristeza
cavaleiros apeados sem montada
invejam quem cavalga a madrugada
...

Dulcineia teve a sorte do amor

nós temos
a dos seus versos, Graça!

um beijo

Manuela

Luis Eme disse...

das notícias falam todos, sempre...

abraço Graça

Mar Arável disse...

Coitados dos pássaros

Bj

Taninha Nascimento disse...

Graça,

"...um cavaleiro andante
em doida cavalgada pelo vento,
ridículo, intruso de si mesmo..."

"...um herói de batalhas não travadas,
excluído da sorte..."

Sim, se riam, riam da própria tristeza. Temos muito desse cavaleiro... Muito... [eu tenho]

Bravo!

Um abraço, querida.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

A notícia sempre vem com a brisa certa de cada momento.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Nilson Barcelli disse...

As situações ridículas espalham-se como o vento, enquanto os bons ofícios se perdem como a água na areia.
Basta ver um serviço noticioso para percebermos que nos rimos todos os dias de nós próprios e do nosso atraso.
Querida amiga, a excelência da tua poesia não é uma novidade, é uma constante. Ainda assim, não te vi no lugar que mereces entre os teus pares. Mas se fizeres um escândalo qualquer com uma figura pública, talvez passes a figurar no top de vendas...
Bom fim de semana.
Um beijo.

Maria Clarinda disse...

Graça, ando há uns dias para te comentar, hoje no amanhecer de um novo dia, vim beber os teus poemas e assim passar momentos maravilhosos.
Lindos os teus poemas, e obrigada por teres voltado!
Beijos no teu coração

luís filipe pereira disse...

"Da notícia falavam.
Todos. Sempre.
Como quem ri da própria tristeza.": versos a que sempre volto nas revisitações do seu livro (excelente) Uma Extensa Mancha de Sonhos: sonhos em bando de pássaros no espaço arqueado do poema em que riso e tristeza são o esquerdo e o direito das asas em pleno voo.
grato pelo prazer de ler tão exímia poesia.
saudações
luís filipe pereira

Isabel disse...

o meu abraço tão inteiro como a "minha" extensa mancha de memórias".





(imf)

VFS disse...

conflito que gera futuro,
palavras de profunda meditação.

belo poema!

JMV disse...

.. :)
um beijinho

avlisjota disse...

Olá Graça

Uma bela e extensa de mancha de sonhos, aqui tem...

Bjs

José

heretico disse...

... e assim percorreu a veredas do tempo!
em doida cavalgada.
de nada...

admirável talento poético. o teu.

beijos

viernes disse...

muito belas imagens, Graça... Tão perto de tudo essas palavras...
Beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

a noticia corre sempre como o vento.

mais um bom poema da saga do d.quixote e sua dulcineia.

beij

teresa p. disse...

"A notícia vinha e voltava com os pássaros."

Lindo! nas asas da poesia todos os vôos são possíveis...
Beijo.

Gisela Rosa disse...

belíssima essa Extensa mancha de sonhos...

Um sorriso e carinho Graça

Só Eu (Ricardo) disse...

Bom dia Graça Pires
Como só uma Poetisa consegue rir da própria tristeza.
Devorei o teu livro.
Beijinhos
Ricardo

maria manuel disse...

"como quem ri da própria tristeza", porque ao "cavaleiro louco" não pertence tristeza, senão a loucura dos sonhos.

beijo grande, Graça.

Fernando Campanella disse...

Esta série 'Memórias de Dulcineia', é muito bem criada, uma linda idéia. Quixote, o desprovido da sorte, enfrenta as batalhas dentro de si próprio, e como nós , poetas, enxerga monstros, e beleza, um encantamento que nos arrebata.
Dulcineia parece ser a voz do poeta, a que canta suas 'inglórias', suas tristezas, e o torna herói.
Bjos, minha caríssima, fico muito feliz com tuas visitas em meu blog.

maré disse...

e era assim:
de boca em boca, como quem anuncia a bastarda inglória da vida.
...e D. Quixote pavoneia-se ainda por aí. para acicatar os sonhos.
para gaudio dos tristes.


_____

um grande beijo querida Graça

pin gente disse...

são os pássaros que andam na roda viva.

um beijo
luísa

Maria Madalena Schuck disse...

Muito grata amiga Graça, por existires, e compartilhar conosco tanta beleza!
Sem vc o mundo seria menos brilhante.
Parabéns.
Um grande beijo.

segredo disse...

E quantas vezes nos rimos da propria tristeza e em luta constante???
Beijinho de lua*.*

antonio - o implume disse...

Os heróis são intrusos de si próprios...

Carlos Teixeira Luis disse...

Nem todos somos D.Quixote mas todos temos a nossa Dulcinéia, a nossa fonte motivadora em beleza, em ideal.
Bela linguagem esta, D.Graça, esta poesia enquadrada com as ilustrações do ilustrador-mor Doré é um encanto.
Boa Páscoa.
Bjs.

Eduardo Aleixo disse...

Que lindo poema sobre o cavaleiro andante. Que lindos versos, Graça.
----------
Desejo-te boa Páscoa.
Beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

G.

venho deixar os meus votos de boa Páscoa.

um beij

Úrsula Avner disse...

Oi Graça,

belo e profundo... como sempre. Bj,

Úrsula

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Parabéns pelo excelente blogue que nos oferece.
Kandandu/abracos!

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, passei só para te desejar boa Páscoa.
Beijos.

Licínia Quitério disse...

Por aí anda o da triste figura. Para nos rirmos dele. Para chorarmos por nós.

Beijo.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Graça, minha querida!

Esse cavaleiro andante é mesmo parte dessa extensa mancha de sonhos.

Adoro todos os teus poemas! É impressionante como não encontre um somente que me desagrade.

beijo no coração