18.1.11

Em seara alheia


Partida


Quando parti ninguém apareceu à beira da pista.
Quando parti as viagens eram coisa simples e banal,
e não este desejo de procurar um sentido para
a mágoa, uma clareira para a ausência, uma fonte
- minúscula que fosse – para saciar aquilo que
se mantém ininterrupta sede. Quando parti estavam

todos atarefados a viajar, mas de outro modo –
voracidade de prestamistas, esbugalhados olhos
onde o tempo é tão transacionável, quanto um futuro
hipotecado ou uma mera jante enferrujada. Quando
parti tiveram logo o cuidado de me avisar que a poesia
nunca salvara ninguém, que a procura das raízes

(bem como o entendimento de um passado não
acontecido) era coisa tão ridícula quanto obsoleta
para o riso alvar de muitos. Quando parti a buganvília
da moradia em frente estava esplendorosa e havia
um gato a furar a rede. Quando parti uma mulher
no prédio ao lado sacudia um pequeno tapete.

Acenou-me. Sorri. Quando parti imaginei
o escárnio deles, os telefonemas duns para os outros,
as conversas. Quando parti ninguém apareceu
para se despedir, havia apenas: eu, um objectivo
incerto, o teu rosto a reflectir-se ao longe
e o sol a dar de chapa nas vidraças.

Victor Oliveira Mateus
In: Regresso. Fafe: Labirinto, 2010

31 comentários:

hfm disse...

Gostei. Muito.

Paula Raposo disse...

Por vezes não tenho palavras quando leio algo de tão belo! Obrigada pela partilha, Graça.
Parabéns, Victor!
Beijos.

© Piedade Araújo Sol disse...

uma boa escolha de um senhor Poeta!

um beij

Braulio Pereira disse...

vamos a isso

poemar

tenho o teu feitiço

poemas vamos dar.


beijos amiga!!

Luis Eme disse...

bonita partida, a do Vitor...

beijo Graça

Nilson Barcelli disse...

Há partidas que nos pregam a partida...
Beijos, querida amiga Graça.

A Marca das Palavras disse...

Objectivos incertos, é o que todos temos, até que um dia nos decidimos a partir rumo ao nosso objectivo.
Uma partida original esta que aqui nos deixa.
Abraço.

Sonhadora disse...

Minha querida

Simplesmente lindo...fiquei sem palavras para comentar...apenas senti...é dificil comentar a alma.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

partilha de silêncios disse...

Gostei desta partida solitária, onde não faltava o importante, o "eu", o "objectivo" e o ambiente tranquilo que uma patida solitária exige.

Obrigada pela partilha.

bjs

manuela baptista disse...

entrepartida fico

quando o poeta fala de um outro e tanto viajar!

obrigada à Graça, pela escolha

e aos dois

um abraço

manuela

Marta disse...

A alma encontra outras verdades, outros voos...
Reencontra-se e no regresso, trazemos a nossa essência....
Lindo....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Daniel Hiver disse...

Obrigado por seucarinho num momento especialmente difícil. Beijo!

São disse...

Parabéns a ti e ao poeta que hoje generosamente divulgas.

Bem hajas!

maré disse...

não importa o que se adivinha na ausência dos rostos
interessa o vento na raiz da interrogação.
importa o entendimento do que ferve sob o branco
o terrível jogo na atracção dos espelhos.


__
um beijo, querida Graça e

OBRIGADA,
por este e todos os que me fizeste chegar tão imediatamente ao coração. como tudo o que me chega de ti, sempre.um abraço mais vivo a sustentar a emoção da saudade.

ao Víctor, estendo um abraço, grata
por nos proporcionar o prazer da excelência da palavra

Victor Oliveira Mateus disse...

Querida Graça, quando este livro saiu, logo 3/4 bloggers se levantaram com indirectas... eu entendi-as, apesar de indirectas! Uma delas rondava a baixaria, era algo do estilo: tenho pena de não ser intelectual e de não ver cinema europeu (ver os meus posts s/ cinema!)sobretudo francês e russo... blá-blá... e depois referia ter visto um filme russo chamado regresso... Prefiro n continuar! O q esses bloggers n sabiam é que, ao mesmo tempo, eu recebia telefonemas e mails de grandes poetas cujo teor era bastante diferente. E não só mails deste país! E não só escritos em português! Essa hostilidade, imerecida e injustificada, não foi só superada por esses mails, mas pela simpatia com que tu, a Inês Lourenço, o Carlos Vaz e o Pompeu Miguel Martins, etc. divulgaram o meu livro. Agora, ao ler estes comentários: da Paula, da Pi, da São, do Luís Eme, da Luísa, do Nilson, etc., verifico que os mails faziam mais sentido do que o palavreado gratuito... Grato a todos vocês pelas palavras e a ti também, pelo gesto...
1 bj de amizade,
V.

Vieira Calado disse...

Olá, boa tarde!

A prova de que há muitos e bons poetas,

neste país!

Beijinho

teresa p. disse...

Sempre a solidão a marcar cada partida, a marcar cada vida...
Gostei muito do poema do Victor. Parabéns!
Beijo

A.S. disse...

Graça,

Foi para mim extraordinário partilhar aqui este belo texto do Vitor Oliveira Mateus, que não conhecia. Vou tentar adquirir o livro.
Obrigado!

Abraço,
AL

heretico disse...

fabuloso poema!
grato por me revelares um Poeta maior.

beijos

viernes disse...

a paisagem que fica sem nós ao partir tem alma própria, estas palavras a descrevem bem...

um beijo

maría nefeli disse...

Muito belo este poema, muito belo este livro...um lugar onde (re)nascer...
Um beijo, querida amiga

tecas disse...

Obrigada Graça, por este maravilhoso poema de Victor Oliveira Mateus. Uma partida em que as palavras prometem chegada...
Bjito amigo

segredo disse...

um texto lindo e profundo
Boa semana querida amiga

Beijinho de lua*.*

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Cada partida tem o seu particular, um mais sábio que o outro.

JC

alice disse...

gostei muito de ler este poema, porque ainda não tive oportunidade de adquirir o livro :) um beijinho, graça.

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, como já comentei, desejo-te "apenas" boa semana.
Beijos.

PRECIOSA disse...

Um poeta, tem o dom de acalentar corações...
Parabéns, sabes fazer isso muito bem
Amei seu blog!
Beijos iluminado
Preciosa Maria

Flor disse...

Hoje estive a ler a tua poesia que gostei bastante e escolhi uma que publiquei no meu blogue de Noite de Tormentas.
"Por caminhos de sul..."

Traduzi o poema para español porque eu escrevo os blogues em espanhol.
Agora encontrei o teu blogue e aproveito para deixar aqui a informação e já agora um convite para visitares os meus blogues.
http://romantiquices.blogspot.com

Obrigada e parabéns
Beijinhos

Flor

De Amor e de Terra disse...

Minha querida Graça, boa tarde.
Obrigada por partilhares comigo/connosco, este teu amigo e grande escritor que é Victor Oliveira Mateus. Fico deslumbrada com o modo como ele (e tu) usam as palavras e com elas conseguem fazer estremecer o meu/nosso coração.
Bjs. e parabéns aos dois.
Maria Mamede

avlisjota disse...

Quando partimos levamos o "nada que é tudo"

Gosto do poema. Parabéns ao autor e à Graça pela partilha!

Um beijo

José

Licínia Quitério disse...

É um grande poema do Victor cuja obra só recentemente conheci. Obrigada, Graça.