12.1.11

Gosto de objectos geométricos

Manuel Fazenda Lourenço


Gosto de objectos geométricos desenhados
a compasso por mãos intransigentes.
A multiplicidade dos traços povoa
e despovoa a beleza dos lugares
que nos prendem como se fossemos árvores.
Preciso e exacto será também o momento
em que regressaremos ao silêncio
com passos de cinza.
Calados nos hão-de vigiar os deuses e os homens.


Graça Pires
De O silêncio: lugar habitado, 2009

50 comentários:

Luis Eme disse...

és uma mulher de bom gosto e de grande sensibilidade.

beijinho Graça

Braulio Pereira disse...

olá amiga Graça

obrigado pelo teu carinho.

doce é este momento estar aqui junto de ti. adoro tudo o que tua alma diz.. DEUSA . mulher divina.

beijos minha amiga!!

Lupuscanissignatus disse...

a.linhas

a

identidade


[a pertença]



*um beijo*

AC Rangel disse...

São geométricos todos os grandes segredos e todos os mistérios. Geométricos todos os amores e todas as buscas. Geométricos os desejos e prazeres...

Parabéns, Graça!

Machado de Carlos disse...

A Arte! Como é bom contemplar os enigmas da arte. Fazem bem a alma!
Parabéns. Fique com Deus!

hfm disse...

Do silêncio e da geometria talvez desse mesmo silêncio.

Tati Nanda disse...

Calados nos hão-de vigiar os deuses e os homens.

*-*
ta lindoo

http://zonzobulando.blogspot.com/

Lídia Borges disse...

Passo a passo - o traço - raiz do objecto concreto.

Lindo!

L.B.

maria carvalhosa disse...

Belo. E, contudo, tão simples. És uma autêntica fada das palavras, querida Graça. Que bom ler-te. Que bom (de alguma forma) ter-te na minha vida.
Beijos.

De Amor e de Terra disse...

" exactos serão os passos
de cinza"; acredito nisso...e mergulho na minha alma e na dos "objectos geométricos" para, por algum tempo, lhes poder tomar a forma.
Bj.
Maria Mamede

Sonhadora disse...

Minha querida

Hoje passando apenas para deixar um carinho...um beijinho e agradecer as palavras, estou voltando e estou melhor.

Sonhadora

Pena disse...

Brilhante Poetiza Amiga e Consagrada:
Um poema de medir e exactidão na beleza, ternura e encanto versejados.
Parabéns.
Teve mais um fabulosa "explosão" de doçura e talento.
Lindo, o que concebe com maravilha.
MUITO OBRIGADO pela sua terna visita que adorei.
Abraço amigo ao seu admirável e fascinante talento.
Com respeito e sempre a estimá-la e a lê-la com atenção pela preciosidade que é e significa para todos.

pena

Bem-Haja, notável poetiza amiga.
Fantásticos versos.
Excelente!

São disse...

Exata e precisa é a beleza das imagens que nos dá a tua poesia.

Um abraço

Marta disse...

Com segredos....
Com silêncios, mas em que se adivinham as palavras....
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

António R. disse...

Talvez Deus nos vigie em silêncio ou no meio da multidão.
Nunca sabemos o momento em que o silêncio chega. Talvez porque ele se instale de mansinho, nesses estranhos lugares geométricos, desenhados pelas curvas da vida.
Beijos.

manuela baptista disse...

silencio
os passos e a cinza

calo-me, nem deus nem homem

eu, manuela

um beijo, Graça!

carlos pereira disse...

Cara POETISA Graça;
Belo poema.
O traço e o silêncio habitam o nosso quotidiano de seres pensantes, na busca do conhecimento para além do seu universo.
Gostei, como sempre.
Um beijo.

Licínia Quitério disse...

A exactidão dos traços, o silêncio dos gestos, a harmonia presente neste "Lugar Habitado".

Beijo, Graça.

carol disse...

De facto, "uma fada das palavras", como diz a Maria Carvalhosa. Muito bonito,

partilha de silêncios disse...

Também gosto de objectos geométricos e minimalistas,em lugares de quietude remetem para a paisagens de afectos e memórias. Observá-los é uma experiência mística, regressamos de facto ao silêncio com passos de cinza, em busca da alma humana.
Adorei o seu poema.
beijinhos

Lara Amaral disse...

De mãos imperfeitas, saem objetos simétricos; de corpos bem feitos, cinzas um dia haverá.

Como é maravilhosa a sua arte de palavras, sou sua fã! =)

Beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

arte e sensibilidade neste poema.

sempre o talento da "nossa" Graça.

um beij

Paula Raposo disse...

Uma beleza!! Beijos, Graça.

avlisjota disse...

Olá Graça

Geometrias dispostas em isometrias, prendem-nos e conferem-nos momentos e espaços longínquos, num silêncio que só os deuses povoam...

Muito belo, muito profundo...

Bjs.

José

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

É do paradoxo que sempre se sai as melhores coisas.

JC

alice disse...

também gosto muito da geometria das palavras, querida graça. um beijo.

heretico disse...

a geometria das emoções estéticas.
belíssimo.

beijos

maria azenha disse...

gosto muito do poema , tão bem cinzelado...

Bem-haja

***

Laura Ferreira disse...

E eu gosto das palavras deste blog.

Carlos Ramos disse...

O silêncio, pedestal da cinza, da flor que não sobrevieu á geada da mentira.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Gosto de objetos geométricos que suscitam poemas como este com que nos presenteia.
Gosto das palavras dessa poeta que possui sensibilidade única no olhar e na caneta.
Gosto de estar aqui para saciar um pouco da sede da minha alma, bebendo da tua poesia.


beijo no teu coração

Eduardo Aleixo disse...

Tudo fala no silêncio em que habitamos e nos habita.
Excelente poema.
Beijo grande.

maria manuel disse...

a geometria ou a certeza dos lugares onde o Homem se instala até às linhas ou certeza desse momento de sil~encio de «cinzas».

gostei muito, Graça. beijo.

pin gente disse...

prendemo-nos a um chão em perpétuo movimento

um beijo

AC disse...

Graça,
Sempre palavras sugestivas, que fazem viajar...

Beijo :)

Virgínia do Carmo disse...

Precisa e exacta é a poesia da Graça, na cadência certa das emoções e do pensamento...

Um beijinho

teresa p. disse...

"Calados nos hão-de vigiar os deuses e os homens."

São palavras que nos deixam a reflectir, numa atitude reverente.
Excelente!
Beijo

cs disse...

gostei muito

viernes disse...

objectos que são parte do silêncio, que o apanham como se fosse alma ou talvez palavra...
muito belo, Graça!

um beijo

tecas disse...

Sem dúvida que a vida
nos fará regressar na sua geometria ao silêncio no preciso e exacto momento.
Beleza na sensibilidade das palavras, querida Graçinha. Amei.
Bjito amigo

Folhetim Cultural disse...

Olá bom dia acompanhe o futebol portuguêm e o brasileiro e também noticiário cultural no meu blog Folhetim Cultural

informativofolhetimcultural.blogspot.com

Magno Oliveira
Folhetim Cultural

Fernando Campanella disse...

Metáfora belíssima, Graça, assim como inusitada. A geometria da vida, e do silêncio absoluto, e como dizia Emily Dickinson sobre a morte: aí já será outra equação.
Abração,minha querida amiga, parabéns pelo lindo poema.

Ana Oliveira disse...

Gosto...

Um beijo Graça

Amizade disse...

Cara amiga Graça

Temos o prazer de convidar-te para comemorar connosco, a partir de hoje e durante três dias, o aniversário do nosso blog.
A festa ocorrerá no nosso Farol.

Contamos com a tua presença.

Um grande abraço

Argos, Tétis e Poseidón


P.S. Como prova do carinho, apoio e amizade que sempre recebemos de ti, gostaríamos que aceitasses e levasses para o teu blog o selo comemorativo do 2º aniversário do nosso “Um Farol Chamado Amizade”.

Benó disse...

Os teus passos de cinza deixam marcas no meu silêncio ao ler o teu poema.
Um abraço, Graça.

tb disse...

Graça que lindo!
Nasce-me sempre um silêncio de tanto gostar ao ler tamanha beleza à flor da pele...
Beijinho

Nilson Barcelli disse...

Também gosto dos objectos geométricos e da tua escrita de mãos intransigentes, que me prendem às tuas palavras como se tivessem cola e eu fosse um pobre pintassilgo...
Deslumbras-me, sempre.
Beijos, querida Graça amiga.

maré disse...

e regressamos ao silêncio povoados de múltiplas geometrias, também elas intransigentes traços na formulação do pensamento: árvores/ promessa erguidas ao desamparo dos deuses.

__

excelente a foto do Manuel, querida Graça.
um beijo enorme

Jaime A. disse...

Um poema muito "rigoroso" no traço e no trato.
Adoro a sua escrita!

Carlos Teixeira Luis disse...

Transcrevi este poema no meu blogue, devidamente identificado com a autoria.

Espero que não se importe.

Um abraço.