18.1.15

Deixaste que o rio te levasse


Falavas longamente de um rio, mãe.
Um rio com pedras tão brancas que cegavam.
Para o encontrares pisaste todos os vales,
doaste à paisagem a cor dos teus olhos:
tons de mel, tons de mágoa, tons de chuva.
E deixaste que o rio te levasse.
Depois disso, mãe, em todas as margens
se avistam aves muito brancas
que atravessam o olhar alarmado das mulheres.

Graça Pires, 2015

42 comentários:

⊰✿⊱France ⊰✿⊱ disse...

BONJOUR merci ta photo est parfaite et j'adore ces oiseaux
ILS SONT libres et là quel bonheur
IL faisait beau en plus ce jour là
Gros bisous

Fê blue bird disse...

Um rio que leva a saudade nas asas das aves.

Lindo !

beijinho e boa semana


Daniel Costa disse...

Graça
Aprecio o teu modelo de abordares a poesia. Parece simples, na verdade, mas simplificar, na criação escrita, não se apresenta fácil.
Dois fatos:
1 - Sobre o peixe - voador, o poema pretende transmitir uma realidade vivida.
2 - se tenho andado sumido é porque,
depois de escrever onze livros (fora os ameaços), publicando nove, senti necessidade de fazer uma paragem.
Beijos

Teca M. Jorge disse...

Que encanto, Graça! Gostei muito!
Boa semana com beijos e flores.

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Graça.
Belíssima poesia, querida.
A paz, o seu espírito, encontra-se neste rio, ela está ali personificada nas aves como se quisesse passar uma mensagem.
Parabéns.
Tenha uma semana de paz.
Beijos na alma.

São disse...

Que maravilha de psot, amiga!

Quer o poema quer a foto são lindissimos e conjugam-se muito bem-

Grato abraço :)

✿ chica disse...

Lindíssimo te ler,Graça! Adoro! bjs praianos e tudo de bom,chica

Marta Vinhais disse...

Uma sensação de paz no abrir das asas, na tranquilidade do rio....
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Sinval Santos da Silveira disse...

Oi,amiga, Graça Pires !
Texto suave, como a pluma solta ao vento.
Insinuante, como a bruma misteriosa.
Parabéns, querida.
Um carinhoso abraço, aqui do Brasil.
Sinval.

Lídia Borges disse...

"Deixaste que o rio te levasse"...

Este rio que nos dói.

Belíssimo!

Um beijo

Lídia

Ailime disse...

Boa noite Graça,
Divino, muito belo este poema com a saudade gravada nas asas brancas das aves!
Um beijinho.
Ailime

Graça Sampaio disse...

Muito lindo!! E com imagem a condizer. Tudo muito bem, muito branco, muito belo. E tanta emoção!

Beijinho.

ManuelFL disse...

Belíssimo e comovente declaração de amor a uma mãe. O rio que a levou também a traz de volta, cada dia, cada hora, quando é mais necessário o seu exemplo. Memória de uma presença luminosa, única, irrepetível. Uma dádiva que atravessa a circunstância do tempo e desafia o inelutável trânsito da vida. A nossa condição de seres vulneráveis, imperfeitos, falíveis, encontra sentido porque esta mãe deixou aos seus o mais valioso de todos os legados: um amor sem limites, uma entrega generosa, discreta. Uma alegria cheia de bondade. Uma força serena e inabalável.

Ives disse...

A sensibilidade exalada da natureza os suas melhores cores! abração

Cadinho RoCo disse...

Com que delicadeza o rio se manifesta na brancura das aves dessa sua inspiração. Linda essa sua sensibilidade.
Cadinho RoCo

teresa p. disse...

"Deixaste que o rio te levasse..."
Mas ficará para sempre na nossa vida a memória suave da sua coragem e muita, muita saudade.
Um poema belíssimo de homenagem à Mãe, que me emocionou muito.
Beijo

DE-PROPOSITO disse...

doaste à paisagem a cor dos teus olhos:
------
Os olhos!... Dizem que pelos olhos se lê a alma, o que significa que pela paisagem se exterioriza a alma.
-------
Que a felicidade ande por aí.
MANUEL

Luís M.Castanheira disse...

Quando a paisagem herda os olhos de quem a vê torna-se mais bela ao amanhecer.
Dizem que poderemos, ver em cada gota de orvalho, a nossa própria Alma; em cada folha caída
uma sombra do passado; em cada pedra rolada, um destino inacabado; e, nas margens de um rio, uma árvore do nosso Fado. Também, no intervalo dos silêncios, aos ouvidos, chegam-nos os sons de quem amamos.

Será verdade?

Um Beijo e um Abraço, amiga, e a todas as Mães.

Teresa Almeida disse...

Há paisagens que vemos através dos olhos que nos ensinaram a amar. E esta é belíssima!
Paabéns, Graça. Beijinho

Ana Pires disse...

A avó continua a fazer muita falta a todos nós.
Bonitas palavras, cheias das saudades de todos.

Ana Tapadas disse...

É muito belo, um hino!

Beijo meu, Graça.

manuela barroso disse...

E as palavras entram numa corrente de ternura e emoção no coração de que a lê, Graça!
Beijinho meu!

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, as saudades permanecem transportadas pelas nossas próprias asas, o poema é belo, a foto é magnifica.
AG

vendedor de ilusão disse...

Adorei a prosa; achei profundamente bela, além de tocante.
Dê-me a honra e faças uma visita.
Abraço.

heretico disse...

rio de águas límpidas. alargando as margens. na branca dor das aves...

muito belo

Beijo, minha Amiga

Gaby Soncini disse...

Que imagem mais linda você nos deu com este poema!
Lindos versos!

Abraços!

Vieira Calado disse...

Muitíssimo belo, este seu poema!
Suave, imagético, sugestivo!

As minhas saudações!

EU disse...

Encontrar um rio assim, é perseguir o sonho e não desistir de o alcançar. E é das mulheres o mundo...
Excelente, Graça!
Bjo :)

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Como dizer-te, sem cair na pieguisse, que estou apaixonado desde a primeira leitura pela tua poesia?
Lindissimo este poema rio que nos cega a alma de luz, lume e beleza...
Consigo ver o rio, no olhar alarmado das mulheres.
Bjs e Obrigado

Silenciosamente ouvindo... disse...

Rio, aves,saudades...pleno!!!
Desejo que se encontre bem.
Bj.
Irene Alves

AC disse...

Que dizer? Maravilhoso!

Um beijo, Graça! :)

Majo disse...

~
~ Sentimental: como uma expressiva,
delicada e esplendorosa aguarela.
~ ~ ~

Cristina Cebola disse...

Olá Graça, que dizer quando a poesia ainda nos espanta, e consegue elevar-nos a alma até ao infinito?
A palavra "mãe", como simbologia de todas as mulheres que se revêem nas asas brancas das aves...

A minha faz amanhã, 86 anos.

Beijo meu...:)

⊰✿⊱France ⊰✿⊱ disse...

Petit bonjour ici car j'adore cette photo bisous

manuela baptista disse...

e o rio foi mãe de água

porque ela deixou

um abraço, Graça

Márcia Luz disse...

Muito, muito lindo! :)

tb disse...

Assim são as asas do amor maternal quando pousam na Natureza de um olhar...
Tão lindo, Graça, como tu.
Um beijo, amiga

Carmem Grinheiro disse...

Olhe, Graça, não sei porque mas dei por mim me emocionando e a me sentir ir na corrente deste rio seu, de que lhe falou sua mãe, mas que me parece meu também.
Lindo.

bj amg

Agostinho disse...

"O olhar alarmado das mulheres"!
Não será admirado, maravilhado?
de tanta beleza emanada desse rio-mãe! Ou mãe-rio!

Muito belo, Graça.

jorge esteves disse...

Mais do que um (lindo) poema é um suave e demorado afago.
abraço.

jorge

Parapeito disse...

tanto tanto doce Graça
que mais se pode dizer.
Adoro.
abraço ***

Vera de Vilhena disse...

gostei tanto. Abraço-te

Vera