18.4.16

Em seara alheia


não foi este o tempo que pedi  

bastava-me uma réstia de sol 
na ombreira de uma porta habitada 
um pouco de mar calmo e 
compassivo 
e um sopro respirável à luz 
de um instante de sossego  

não era mais deste sal a escorrer 
da nascente onde a água se quer doce 
e a corroer as pedras angulares 
com que havia de reconstruir as margens 
do sonho antes da ruína 
do sonho antes da partida  

se era para ficar 
que houvesse um outro caminho 
alto amplo e luminoso  
por onde pudesse planar na contemplação 
da vida a acontecer  

mas se é para ser assim raso o caminho tão raso 
que se engrandeça o coração

Rosário Ferreira Alves
In: Lunaris. Macedo de Cavaleiros: Poética, 2016, p. 27 

42 comentários:

Graça Pires disse...

Como referi na apresentação deste livro, ao ler "Lunaris" de Rosário Ferreira Alves tentando potenciar a expressividade dos seus versos, quase que pude imaginar um novelo com os fios desfiados pela mão da autora criando, com gestos lentos, um desenrolar de palavras para deixar emergir toda a sensibilidade poética […].
A poeta trabalha com a geografia das coisas sentidas, amadas e sofridas. É a íntima viagem da autora a sulcar as palavras, apostando no poder sugestivo das imagens para reencontrar a harmonia.
É preciso ler o livro para que com ela possamos soltar os fios, desfazer o novelo e nos depararmos com uma escrita construída como um exercício reflexivo que entrelaça a vida com a palavra poética.
Parabéns Rosário!

Majo disse...

~~~
Palavras delicadas e versos doces que formam
um poema de sentires doridos e profundos.
Grata pela apresentação, amiga Graça.

Ótima semana.
Beijinho.
~~~

✿ chica disse...

Lindo poema, sensibilidade à mostra! bjs, chica e ótima semana!

Cidália Ferreira disse...

Fantástico poema! Amei

Beijinhos e uma excelente semana

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Nequéren Reis disse...

Que maravilha amei o poema, tenha uma semana abençoada.
Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM
Blog:http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/

Bell disse...

Que lindo!!!

bjokas =)

Maria Luisa Adães disse...

Não foi o tempo que se pediu
mas foi o tempo que nos apanhou
no caminho a percorrer...

E é assim que temos de viver e aguardar...

Gostei do poema!

Agradeço sua presença e palavras nos "7degraus"


Maria luísa

anamar disse...

Foi também uma muito agradável surpresa.
A poesia tráz "sopinha" de letras e caras que dão voz à dita.

Beijinho,

Ana Maria

Lucinalva disse...

Olá Graça
Lindo poema. Bjs querida.

Ives disse...

Que o coração se engrandeça do tamanho da poesia! beijos

Tais Luso disse...

Nem sempre temos o tempo que pedimos, quase nunca. O difícil é reconstruir o tempo que queremos, que precisamos, que sonhamos. Cada um tem seu tempo.
Muito bonito, Graça.
Beijo!

São disse...

Boa partilha !

Feliz semana e abraços

As Mulheres 4estacoes disse...

Nem sempre temos o tempo que gostaríamos, por isso é preciso aproveitar o hoje para fazer o melhor.

Ailime disse...

Boa noite Graça,
Um poema magnífico!
A vida nem sempre nos proporciona o que ambicionamos, mas que o coração jamais deixe de ser grande.
Os meus parabéns a Rosário Ferreira Alves.
Muito obrigada, minha amiga, pela divulgação.
Beijinhos e uma boa semana.
Ailime

Ana Tapadas disse...

Um excelente poema!
Sim...vivemos um tempo raso.

Beijo meu

Fernando Santos (Chana) disse...

Bela poesia...Espectacular !
Cumprimentos

graça Alves disse...

Muito bonita a poesia da Rosário!
Obrigada por divulgar!
beijinho

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite querida Graça.
Como seria maravilhoso se tivéssemos o tempo desejado. Um lindo e tocante poema. Uma feliz semana amiga. Enorme abraço.

Benó disse...

Bela maneira de dizer em poesia o que pensamos: Não foi este o tempo que pedimos".
Temos que aprender a viver com ele. Convenhamos que por vezes é difícil. Uma boa semana, Graça.

Sinval Santos da Silveira disse...

Oi, Amiga, Graça Pires !
Muito agradecido por selecionar, e compartllhar,
tão belo poema !
Parabéns, querida, com o meu carinhoso abraço,
aqui do Brasil.
Sinval.

Isa Sá disse...

Mais um bonito poema...


Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

ॐ Shirley ॐ disse...

Bom seria sentir "a luz de um instante de sossego e trilhar um outro caminho...".
Lindo, parabéns Rosário.
Bela escolha, Graça!
Beijos!

Daniel Costa disse...

Graça
Poema vindo da mente, do fundo da alma, que valeu a pena ser partilhado.
Beijos

Laura Ferreira disse...

que beleza!

Marta Vinhais disse...

A vida prega-nos partidas... Faz-nos tropeçar e às vezes, demora-se a encontrar um caminho...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Cadinho RoCo disse...

Quando nos colocamos à prova eis que o coração reage forte.
Cadinho RoCo

MARILENE disse...

A autora me encantou com esses versos. "Se é para ser assim..." traz uma aceitação do que chega de forma diversa do esperado. Talvez não fosse o tempo certo, talvez as expectativas fossem altas, talvez o sonho equivocado. Bjs.

Arroz Di Leite disse...

Lindo poema!!
Tenha uma noite abençoada.

Bjs

Tânia Camargo

heretico disse...

gosto muito da poesia da Rosário Ferreira Alves.
o novo livro "Lunaris" é de excelência

beijos (repartidos)

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tare, o poema é lindo e profundo, não sou de ler muitos poemas, mas já li Rosário Alves, o que gosto.
AG

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema muito belo e uma boa escolha.
parabéns à Rosário Ferreira Alves.
beijnhos
:)

Suzete Brainer disse...

Um poema de excelência
e belo o teu gesto de partilha, Graça!

Beijo.

Pedro Luso disse...

Graça,
Até agora não conhecia Rosário Ferreira Alves, mas posso dizer que "não foi este o tempo que pedi", postado por você, é um belo poema. Parabéns por compartilhar.
Abraços,
Pedro.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Também não conhecia o poeta mas gostei imenso.
Vou tentar ler mais dele.
Desejo que a amiga se encontre bem.
Um bj.
Irene Alves

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Graça.
De facto, a autora tem toda a razão: não foi este tempo que pedimos.
Nem neste nem em outro tempo, não pedimos um tempo de ruínas, um tempo de sonhos devastados antes sequer de brotarem em corações recém-nascidos.

Bonita criação fruto da nossa tristeza.
bj amg

Magia da Inês disse...


"Se era para ser assim"...
Somos nós que decidimos por onde caminhar e as consequências de nossas escolhas.
Essa poesia é um desabafo vindo da profundeza da alma.

Bom fim de semana com tudo de bom!
Beijinhos.♬♪ه° ·.
💕ه° ·.

Maria Rodrigues disse...

Excelente escolha, um poema sentido e belo.
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

Odete Ferreira disse...

Gostei imenso deste poema. Obg por partilhares,
Fui pesquisar, li o que estava postado no evento do FB, escrito por ti e um pouco do blog. Uma poética a merecer leitura(s), mas tenho que me render, o tempo é escasso.
Bjo, Graça :)

DE-PROPOSITO disse...

bastava-me uma réstia de sol
na ombreira de uma porta habitada

Eu direi que o poema reflete uma desilusão, uma procura de uma felicidade perdida.

Tudo de bom por aí.
Beijinho
MANUEL

teresa p. disse...

Um poema sentido que reflete uma certa nostalgia. Gostei muito.
Parabéns à autora e obrigada por a incluíres "Em seara alheia".
Beijo.

José Carlos Sant Anna disse...

Uma bela partilha, Graça. Aliás, já nos aponta a caminho da poesia de Rosário na apresentação. Já nos abre a aporta lá como aqui ao sintetizar a apresentação. De fato, no poema escolhido as palavras escorrem com uma leveza, com uma naturalidade, com uma delicadeza, que toca o leitor.
Beijo,

Agostinho disse...

É preciso desfazer o novelo para se chegar e partir
Na divisa final está a clarissima estação, onde se chega e de onde se parte. Ou por inversa ordem, em função do verso.

Bj.