13.6.16

Despojos antigos

Amandine van Ray

Enterro no chão a multiplicidade
de despojos antigos.
São de pedra como as casas envelhecidas
onde as teias roçam todas as traves
e se cruzam com a poeira dos móveis.
São lobos vagueando pela noite
a farejar insónias.
São raízes enredadas nos artifícios
da idade, nas preces de cada dia,
nos retratos de família.
Procuro agora a fonte mais distante
para inscrever na água corrente
a sublime nudez da juventude.
E alinho contra os muros
os sonhos que morreram no meu peito.

Graça Pires
De Uma claridade que cega, 2015

52 comentários:

LuísM Castanheira disse...

A vida em constante renovação.
E os sonhos que outrora em poeira
ficaram, da memória se vão libertando.

"São lobos vagueando a noite a farejar insónias."

Das palavras em nascentes cristalinas, nasce um belo e profundo poema.

Este sentido do destino é uma viagem
ao nosso mais puro existir.

Gostei imenso, minha amiga.

Como dizia Jorge Luís Borges, aprende-se mais a ler do que a escrever e, ao lê-la, é um mundo de saber que nos dá.

Obrigado, Graça,
Um beijo.

Marta Vinhais disse...

E a vida acontece num destino feito de palavras antigas, infinitas... Porque se descobre sempre um novo sentido....
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

manuela barroso disse...

Uma belíssima Claridade para início de um dia de cinza. E que bom está renovação !
Beijinho Graça !

regina disse...

Belíssimo.
Obrigada pela partilha
Regina Gouveia

Suzete Brainer disse...

Belíssimo e tão profundo, um poema tão analítico por dentro
e tão belo na sua riqueza singular, nos provoca na linha
entre a lucidez no seu peso sobre esmagar os sonhos,
mas também expressa um voo de desapego que cheira a liberdade!...

Cada vez mais mergulho na tua ímpar poética e me encanto,
me surpreendo e fico gratificada de acompanhar o teu
belo voo poético, Querida Graça.

Beijo, Amiga.

Ives disse...

Há sonhos entre as luzes dos versos, que logo se materializarão! abraços

Mar Arável disse...

Sempre luz nas tuas palavras minha amiga

heretico disse...

cega tanta claridade, Graça.
emerge desse mergulho na água corrente uma nudez redentora
que se diria baptismal ...

beijo, querida Amiga

Luis Eme disse...

Procuras dentro das memórias... com poesia.

abraço Graça

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite Graça.
Amiga um poema belíssimo, sempre a vida nós da a oportunidade de uma renovação. Mesmo no escuro a luz brilha nem que seja a luz da nossa esperança. Uma feliz terça- feira. Enorme abraço. Sempre quando você fala da minha coragem, é um incentivo para realmente ser corajosa rsrs. Nem sempre é fácil afastar o medo, mas é necessário para sermos felizes. Obrigada pelo seu carinho, que Deus ilumine a tua vida e de todas as pessoas que ama.

Toninho disse...

Os sonhos mais lindos e que jorraram pelo peito,
são estes sonhos que Vêm dar as mãos à poesia.
E que se conspiram para a realização.
Imagem fantástica e curiosa da desconstrução e mistérios.
Uma semana abençoada amiga.
Bjs de paz.

Sinval Santos da Silveira disse...

Ah, Amiga, Graça Pires !
Feliz de quem, como tu, ainda forças
tem para procurar, mesmo que na
construção dos versos, um alento para
sossegar...
Uma feliz semana e um abraço, aqui do
Brasil !
Sinval.

Isa Sá disse...


Um ótimo dia por aí também...

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Lucinalva disse...

Olá Graça
Os sonhos sempre se renovam. Bjs querida e um belo dia.

© Piedade Araújo Sol disse...

as memórias, os sonhos as insónias as cicatrizes no tempo e no destempo.
este poema diz-me muito, apenas direi
os sonhos morrem, mas podemos sempre renovar outros, senão a vida não teria a beleza que tem.
um bom dia e uma boa semana.
beijinho
:)

Blog da Gigi disse...

Ótima semana!!!!!!!!! Beijos

Majo Dutra disse...

~~~
Um poema excelente que nos incentiva à renovação integral...
Uma depuração mental bem vinda em todas as etapas da vida!
Elevado na forma e mensagem!
~~~ Beijinho, Poeta. ~~~

Cidália Ferreira disse...

Poema sublime.

Beijo e um excelente semana,

Coisas de Uma Vida 172

Vera de Vilhena disse...

Levei comigo o teu poema, um beijo, Graça!

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Querida, Graça, boa tarde! o que dizer de seus versos maravilhosos? Falar em sonhos , os quais nos fazem termos forças para continuar na luta de viver. Lindíssimo e emocionante!
Grande abraço!

tulipa disse...


Boa tarde Graça

Um poema tão belo, onde aprendemos que a vida sempre nos dá oportunidades

Acabei de ver na televisão o anunciar de 4 jovens
que constituíram o "Dance Project Tour"
para andarem de aldeia em aldeia / cidade em cidade a ensinar a dançar
e falou-se da idade com que normalmente as pessoas começam a dançar

Ora, estava eu a ouvi-los e a pensar:
inscrevi-me na dança aos 60 anos e estou felicíssima!
Só penso: porque não o fiz, mais cedo?

...
Porque se descobre sempre um novo sentido...na VIDA!

Obrigada pela visita a outro meu blog,

e já que gostou, como manifestou no seu comentário:
Que fantástico que deve ter sido esse evento Buddha Eden.
As fotografias, excelentes, cativaram-me.Beijos.

Convido-a a ver um outro post relacionado com aquele, mas agora num outro blog:
http://tempolivremundo.blogspot.pt/

Beijinho da Tulipa

Zilani Célia disse...

OI GRAÇA!
TODOS, UM DIA TEREMOS DE ENTERRAR SONHOS NÃO REALIZADOS, VAI DOER É CLARO, MAS, FAZ PARTE.
O QUE DIZER DE TEU TEXTO AMIGA?
QUE É LINDO? ISSO É POUCO.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Fê blue bird disse...

Enterrar o passar, lavar alma, mesmo que os sonhos continuem a gritar dentro do peito.

Um grande momento de POESIA!

Beijinho grato e comovido amiga Graça

ManuelFL disse...

Kierkegaard escreveu que «não vale a pena recordarmos um passado que não possa tornar-se presente».
O passado interpela, inquieta e expõe a nossa vulnerabilidade: casas envelhecidas, raízes enredadas nos artifícios da idade, sonhos que morreram no peito.
A arte da poeta é inventar um tempo onde os lobos que vagueiam pela noite são impotentes frente à "sublime nudez da juventude". Ontem, hoje e amanhã.

Pedro Luso disse...

Graça,
Não mais me surpreendo quando aqui leio mais um de seus belos poemas, como este, denso e com sabedoria. Parabéns.
Abraço.
Pedro.

Daniel Costa disse...

Graça Pires
Só um poeta, neste caso uma poetisa, para fazer recordar despojos latentes, que se nos questionarmos sobre eles, quantas histórias podemos imaginar de passados?
Bjs

teresa p. disse...

A passagem do tempo é implacável, apenas deixa algumas memórias de pessoas, lugares, momentos vividos e, também, de sonhos que foram importantes mas que ficaram pelo caminho. São, como diz a poeta,"despojos antigos" comparados a "lobos vagueando pela noite a farejar insónias". O bom é que a vida se renova, bem como a capacidade de se sonhar.
O poema é repleto de imagens belas e profundas que nos levam a uma emocionante viagem ao passado. Quanto à foto é magnífica e ilustra bem a temática versada.
Gostei muito!!
Beijo.

Tais Luso disse...

Lindo! Certos poemas não precisam ser dissecados pelos leitores, apenas deixar correr, sentir, refletir...Tão bonitos que dispensam alguma coisa a mais.
Beijinho, Graça.

Patrícia Pinna disse...

Boa noite, Graça.
Perfeito o teu poema, como todos, aliás.
Matar sonhos, vê-los esquecidos é sempre triste, contudo, há de nascer novos rumos, outros sonhos benditos.
Parabéns.
Beijos na alma.

Ana Freire disse...

É a vida... que nos seca muitos sonhos no peito... mas ainda assim... tudo terá valido a pena... certamente muitos momentos bons e boas recordações, a vida nos proporcionou...
E nunca é tarde... para recomeçar a sonhar...
Por vezes, há mesmo que enterrar o passado... e deixar apenas acontecer o presente, em busca de futuro!...
Um belíssimo e profundo sentir... da alma... e da vida... em mais um belíssimo trabalho!
Parabéns, Graça!
Beijinhos! Continuação de uma boa semana!
Ana

Anjopoesia Anp disse...

Gostei muito dos seus textos, poemas, vim pra ficar, amei tudo por aqui.Parabéns

Ailime disse...

Bom dia Graça,
Do seu magnífico livro Uma claridade que cega, um poema que reflecte toda a beleza do seu olhar, do seu sentir, mesmo que por instantes as memórias doam. O brilho, o resplendor poético dissiparão as neblinas de onde emergem os sonhos, que continuarão a rasgar horizontes.
Beijinhos minha amiga e Enorme Poeta.
Ailime

Mariazita disse...

Concordo com a opinião da Taís, mas, para além disso, poemas assim, duma profundidade tão intensa, deixam-me sem palavras.
Parabéns, Graça, gostei muito!

Continuação de boa semana.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Poções de Arte disse...

O tempo conta muitas histórias e algumas se perdem, outras se fundem, confundem...
Mas enquanto há vida, sempre podemos escrever uma nova história.
Dizer o quê? Suas palavras são profundas, fazem refletir, viajar... parabéns!

Abraços esmagadores e feliz dia.

AC disse...

Multiplicamos o nosso desejo de viver com os sonhos, mas não temos peito para tanto almejar. E, lentamente, eles começam a definhar.
Belo e profundo, Graça.

Um beijinho :)

Ana Tapadas disse...

Belíssimo, Graça. Só a maturidade da mulher e da poetisa pode tecer poemas assim!

A vida é isto que desenhas.


Beijo grande

Maria Rodrigues disse...

E quantos são os sonhos que morrem no nosso coração ....
Magnifico poema.
Beijinhos
Maria

DE-PROPOSITO disse...

Os sonhos que morreram no meu peito.

Quando os sonhos morrem, perdemos a capacidade de acreditar (nos sonhos)

Que a felicidade ande por aí.
MANUEL

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Graça.
Quisera também enterrar os despojos e seguir em busca dessa fonte milagrosa ;)
bj amg

graça Alves disse...

Tão bonito Graça...
Poder escrever assim este sentir sofrido e transformá-lo em arte...ao ponto de já não parecer sofrido...
beijinhos

Anónimo disse...

isso tudo é saudade. o roçar das teias na poeira e tudo mais.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, quantas pensamentos não passaram de sonhos que ficaram por se realizar? bastantes, ainda estão na memoria, bastantes, continuam a surgir, sonhar também é viver.
Bom fim de semana,
AG

Jaime Portela disse...

Os despojos antigos podem ser enterrados, mas não muito fundo porque podemos querer transformá-los em sonhos mais tarde...
Excelente poema, como sempre.
Graça, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Gaby Soncini disse...

É tão triste esses sonhos que vão morrendo em nosso peito conforme o tempo passa.

Muito lindo aqui como sempre!

Beijos!

ONG ALERTA disse...

Muito lindo, abraço Lisette.

Alfredo Rangel disse...

Um verdadeiro grito de liberdade a decisão de enterrar velhos fantasmas e abrir-se novamente, plenamente à vida. Parabéns, Graça. Mais uma lição em teus versos. Beijo.

Magia da Inês disse...


Imagem poética forte, tão forte como a ilustração.
Mesmo que haja poeira e lembranças fantasmas,
a vida continua e está cheia de luz e flores nos pequenos detalhes...
sempre dá para ser feliz de alguma forma!!!
Você é a inspiração e a poesia em pessoa!

Ótimo domingo, boa semana!!!
Beijinhos
╰⊰✿⊰ه° ·.

José Carlos Sant Anna disse...

E vamos seguindo essa luz redentora, essa claridade que emerge da sua poesia. Além dos meus limites.
beijos,

Agostinho disse...

Um fio desde a raiz,
que nos leva do princípio ao fim,
o fio que por vezes enreda
os passos da coragem
(na hora da recolha dos despojos)

Que dizer desta "claridade que cega"?
A palavra da Poeta é caminho de sonho.

Bj

Odete Ferreira disse...

Toca muito este poema: há a reflexão, alguma nostalgia, o que foi e o que não foi...
Contudo, relevo o léxico muito bem escolhido e a sua "intertextualidade", conferindo-lhe a profundidade que a autora lhe quis dar.
PARABÉNS!
Bjo, Graça :)

manuela baptista disse...

o despojo maior, a nudez da juventude em que desalinhávamos os sonhos


a hera gosta dos muros de pedra


uma abraço, Graça

Parapeito disse...

gosto tanto...
tao belo tao nostálgico
Abraço doce Graça *