5.2.18

As palavras em pausa

Norvz Austria


As palavras em pausa são como farpas
destruindo o sentido do silêncio.
Que perverso vento arrastou todos os versos,
todas as frases, todas as sílabas?
Que horas fatigadas gelaram os lábios
ancorados num esquecimento sem voz?
Por algum atalho se encontrará
o rasto do veneno, porque a mudez
pode ser um ritual onde se formam
as sombras dobadas no medo.
Graça Pires
In: As vozes de Isaque: derivações poéticas a partir da obra “O último poeta”, de Paulo M. Morais. Braga: Poética, 2016, p. 17

61 comentários:

Larissa Santos disse...

Bom dia. O poema é encantador, mas a imagem não fica nada atrás. Adorei.

Hoje:- {poetizando e encantando} Arrepios de um luar encantado
.
Bjos
Votos de uma óptima Segunda-Feira

Lídia Borges disse...



Bem lembrado este "As vozes de Isaque"! E muito bem representado aqui por este belo poema da Graça.

Beijinho

Lídia

regina disse...

Por razões de saúde já não vinha aqui há tempos. Mas valeu a pena. Forte e bonito, o poema.
Ab
Regina Gouveia

Anónimo disse...

ESTOU COM ESSE SILENCIO GRITANDO DENTRO DE MIM...QUERIA EU TER ESSE TALENTO SEU...

Sinval Santos da Silveira disse...

Olá, Mestra/Poetisa, Graça Pires !
Um lindo texto, certamente suprindo uma
pausa, um silêncio...
Parabéns e um carinhoso abraço, aqui
do Brasil.
Sinval.

Alfredo Rangel disse...

Palavras em pausa são como avalanches que destroem a vida. A mudez assola os sorrisos e destroem os ecos. Aniquilam as vozes...

Ives disse...

Assim como na música a pausa é ouvida, nas boca de alguém vira metamorfose! beijos amiga

Marta Vinhais disse...

Mas quebram o silêncio.... Porque alguém as escuta.... contrariando o Vento...
Gostei muito...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Cidália Ferreira disse...

Excelente poema!! Amei
Boa tarde amiga.

Beijo e uma excelente semana

Lu Dantas disse...

Oi, Graça!
Que lindo! Isso me fez refletir que acredito que tudo depende da intenção, o sentido do silêncio, a escolha pausa, o esquecimento das palavras!

Obrigada pela visita no meu blog!

Ótima semana!

beijos!

https://ludantasmusica.blogspot.com.br

María Perlada disse...

Palabras silenciosas, palabras que destruyen, palabras que brotan desde la magia, las palabras pueden servir para tantas cosas.

Un placer leerte.

Un beso.

Tais Luso disse...

Que poema forte, há silêncios apavorantes, contrangedores, covardes e invenenados, sim!
Outros são sábios. São silêncios que ninguém nota. Você foi na mosca, quero dizer, tiro certeiro. (gíria que usamos aqui) A obra está magnífica, palavras ao leu viajam e nunca mais voltam.
Gostei muito, querida amiga Graça.
Beijo!

Marco Luijken disse...

Hello Graça,
Nice post!!
Nice words with a funny image. Great!!

Kind regards,
Marco

silvioafonso disse...

.
Para ler seus versos
aconselho que se vá
ao salão. Façam a barba
e o pé do cabelo. Tome
um banho de essência.
Troque de roupa, calce
as sandálias de tiras,
mas não se esqueça de
adentrar descalço para
ouvi-la cantar, num ritual
de amor, sonhos e desejos
o melhor de sua poesia.

Beijos, poeta.

silvioafonso



.

mz disse...

As palavras que se não dizem, guerreiam todo o nosso interior e serão como diz o poema: farpas.

Sempre tão profunda esta "Ortografia de olhar" e sentir o pensamento!
Sempre tão profunda esta poesia, Graça.

Beijinhos

Ailime disse...

Boa noite Graça,
Um poema de excelência!
"Que horas fatigadas gelaram os lábios
ancorados num esquecimento sem voz?"
Mas a Poeta tem a sublime mestria de agitar as horas e quebrar o gelo num grito poético sublime!
Um beijinho, minha Amiga.
Ailime

Teresa Almeida disse...

São tão intensas as vozes que deflagram nas palavras que não se disseram! A imagem diz tanto!
E toda a mensagem nos deixa em pausa.

Parabéns, Graça.
Beijinho.

Pedro Luso disse...

Olá, Graça!
Este teu poema é um poema singular, e grande beleza, belos versos dos quais destaco estes que abrem o poema:

"As palavras em pausa são como farpas
destruindo o sentido do silêncio."


Parabéns, querida amiga.
Uma ótima semana.
Um beijo..
Pedro

lis disse...

Ah! as palavras ... que seria de nós sem essa representação de todos os sentimentos?
_ e o silencio ? quantas vezes é com ele que dizemos tudo.
Um belo poema Graça,repousar as palavras e ouvir o silêncio.
Beijinhos e bons dias

Isa Sá disse...

A passar por cá para conhecer mais um bonito poema.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

teresa dias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
teresa dias disse...

Belíssimo poema, amiga Graça.
“As palavras em pausa” não foram arrastadas pelo vento perverso; aguardaram apenas que alguém as encontrasse e pronunciasse.
Para nossa satisfação, a poeta encontrou-as e deu voz ao silêncio.
Beijo e boa semana.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

"As palavras em pausa são como farpas", gostei bastante deste belo poema minha amiga é de uma grande beleza.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Mariazita disse...

As palavras podem ser doces como mel, mas também aguçadas e frias como aço.
O seu poder é enorme. E assim como podem aquecer corações gelados, também podem gelar lábios ávidos de Amor.
Adorei este poema, que considero excelente.

Votos de uma boa semana.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Lucinalva disse...

Olá Graça, palavras ditas no momento certo são edificantes. Um forte abraço.

solfirmino disse...

Graça, amiga, é verdade, a "mudez pode ser um ritual onde se formam as sombras no medo".
Como professora, já perdi a voz, já fiz tratamento com fonoaudióloga por quase 2 anos e escrevi muito sobre voz/mudez, não só no sentido físico, mas também psicológico, já que foi na época da minha primeira separação. Escrevia assim: "mastigo as vozes/devoro os lamentos..." ou assim:
"Em breve regressarei às palavras livres. Por enquanto, sigo no silêncio breve e reticente, à espera da tua voz a me anunciar a ternura dos dias de outono."

Beijo, querida.
Adorei, como sempre, fazendo lembrar de mim mesma.

Manuel Veiga disse...

teima de Poeta em domar palavras!
tão esquivas que apenas por atalhos e entre cardos vicejam

gostei muito, Graça

beijo, Amiga

manuela baptista disse...

e assim dobadas
em novelo de sentidas palavras

um abraço, Graça

LuísM Castanheira disse...

Um poema perfeito, minha Amiga.
Não vou destacar nenhuma parte,
porque ele é um todo.
Cada palavra, cada verso, é medida/o, o quanto baste. E é um salto em frente. Até mais nada ficar por dizer.

Gostei deveras, Graça!

Um beijo e uma boa semana

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite querida Graça.
Que poema forte e intenso. Lembrei na sensação de poder falar é não conseguir. Felizes dias amiga. Beijos.

Nidja Andrade disse...

O bacana da vida é a oportunidade que temos diariamente de conhecer novas pessoas, novas histórias, novos hábitos, dividir novos conhecimento... pois cada pessoa que se aproxima de nós,sempre tem algo a nos ensinar. AbraçO

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Bom dia, querida Graça, há perigo no momento em que deixamos palavras jogadas ao vento,
são realmente farpas que ferem os ouvidos e coração.
Ruim é calar a voz , e deixar as palavras fazerem o seu destino. Beijos!

Lee Flôres disse...

Como sempre muito bonito.

© Piedade Araújo Sol disse...

Graça

há palavras silenciadas
outras desnecessárias
outras guardadas
outras ainda amarfanhadas
e ficam na laringe....e formam silêncios
que deviam não existir

belíssimo trabalho poético

beijinhos

:)

manuela barroso disse...

Já Eugènio de Andrade as chamava de farpas.
Quantas vezes arremessos de raiva, outras ternura e paz.
Mas outras tantas, armas quando jogadas ao vento,
silenciadas, amordaçadas.
Profundo e inquietante , Graça. Belo
Beijo! *

José Carlos Sant Anna disse...

Minha amiga Graça,

Que belo poema! A palavra é; a palavra cria mesmo "em pausa" e, deste modo, o poeta caminha na urdidura do entretecer as redes do texto poético. Ver o invisível que as palavras escondem só os verdadeiramente iniciados como você. Outro belo poema no teu cabedal.
Um beijo,

Poções de Arte disse...

Muito bom!
Palavras ao vento ou palavras caladas podem se tornar veneno... ambas destroem.
Amei a imagem. Fico encantada com a relação da imagem e das palavras.

Abraços esmagadores e feliz dia.

teresa p. disse...

As "palavras em pausa" podem deixar um rasto de dúvida que atormenta a alma.
Gostei imenso do poema, tão cheio de significado e realismo. Maravilhosa a imagem que o ilustra.
Beijo.

Lucas Tavares Crispim disse...

Olá amigo(a)!

Gostei do blog e já estou seguindo...

Abraços!

Meu blog: Tavares_Plug@do

Jaime Portela disse...

O medo pode mesmo ser o pior dos motivos para as "palavras em pausa"...
Excelente poema, parabéns.
Bom fim de semana, amiga Graça.
Beijo.

Marta Moura disse...

Booommm, as always.

Agostinho disse...

Muito belo o discorrer poético no gume do silêncio. Obrigado, GP, pelo sentimento profundo lido na essência das coisas. Como elas são... poesia!

No silêncio estão
as palavras mais incríveis
em som excessivo
para serem audíveis

São os olhos nos olhos que acham
a profundidade da alma.
É então que se levanta a declinação
do som da palavra guardada:
frio, medo, calor, amor...

Bj.

Fá menor disse...

Ui! Quanto me revi!...
Tantas vezes é por aí que as palavras se escondem.

Belo!

Bjinhs

Olinda Melo disse...


O silêncio poderá ser de ouro. Mas há um outro silêncio
nascido do desentendimento e da falta de amor. Aí a
solidão vai cavando mais fundo até o veneno inundar
tudo. As Palavras terão de voltar para repor a clareza,
para que as sombras se dissipem.

Um poema belíssimo, querida Graça.

Bj

Olinda


ManuelFL disse...

O drama do poeta quando lhe faltam as palavras que, no entanto, apenas fazem uma pausa à procura do poema e do sentido do silêncio.
Beijo.

Suzete Brainer disse...

Um excelente poema a expressar com competência da Poeta Graça,
a dinâmica e dimensão implícita e explicita das Palavras!...

Apreciei imensamente!!

Um bom final de semana
Um beijo

Maria Rodrigues disse...

As palavras em pausa, ferem por vezes, mais do que as ditas.
Brilhante poema
Beijinhos
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Luísa Fernandes disse...

https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
Olá Graça Pires!
Passei por aqui e gostei do blog, do tema, e do belíssimo poema.
Sem dúvida que as palavras por vezes podem ser como farpas e é no silêncio que mais se sentem.
Bom fim de semana, Obrigada.
Abraço
Luisa Fernandes

ANNA disse...

Me ha encantado tu poema es fantastico.
Gracias por pasar por mi blog.

Besos

Luísa Fernandes disse...

https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
Olá Graça Pires!
Obrigada pela sua permissão no "Ortografia.
Obrigada pela sua visita, volte sempre será um prazer.
Beijos e bom fim de semana.
Luisa Fernandes

Ana Freire disse...

O poder das palavras que têm tanto o poder de construir, como de destruir... a par do poder dos silêncios... que podem omitir... ou falarem por si mesmos... muito bem apresentados, nesta incrível inspiração, Graça!
Mais um trabalho, com um sentido e uma construção brilhantes!
Adorei cada palavra, Graça! Beijinho! Feliz fim de semana!
Ana

Luis disse...

as palavras estão sempre em pausa, já os pensamentos que andam à volta delas nem por isso

Lourdinha Vilela disse...

Olá querida Graça, saudades daqui.
Um belo poema!! O silêncio de ´palavras talvez o mais gritante, o mais sentido, amanhece no coração, adormece nos olhos molhados, quando as lágrimas são as palavras mais eloquentes. Um grande abraço.Bom domingo!!

Daniel Costa disse...

Graça Pires

Mais um belo poema de ler e reler e ficar a pensar no seu alinhamento e imaginar a mente de quem o criou.
Beijos

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, as palavras tem um enorme poder, elas conseguem motivar ou arrasar, o poema é fantástico.
Feliz semana,
AG

tulipa disse...


OLÁ GRAÇA

A VIDA precisa de pausas e de silêncios
Parabéns!

Obrigado pela partilha.

SABE?
Quase que me ajoelho a pedir:
SE me querem ver feliz...apareçam!

tenho esperado a sua visita

Nos meus blogues tb estou quase parada
faço um post quase de mês a mês
tenho uns problemas de coluna que não me deixam estar sentada muito tempo
Bem que queria andar mais activa
mas sou obrigada a andar e deitar,
sentada o mínimo dos mínimos

Por isso, vou fazendo artigos
conforme vou tendo menos dores...
tenho um artigo novo neste aqui:

http://momentos-perfeitos.blogspot.pt/

Nesse escolho aqueles MOMENTOS meus que acho mesmo PERFEITOS

Quando quiser vá passando por cá
Boa semana para si,
Tulipa

Toninho disse...

O silêncio que grita numa beleza que só a poesia é capaz.
Ancora-se em versos e tem-se o poema e que as palavras fugidias se aglutinam belamente.
Show Graça.
Beijo

baili disse...

Wow ,so beautifully written dear Grace

how helplessness is expressed in your words that an artist feels when he cannot find way to express his feelings through his art
everybody encounters with such situation time to time my friend

Anete disse...


O silêncio, a pausa, o medo... Tudo tem o seu tempo, o importante é enfrentá-los com ousadia e compreensão.
Um bom fim de semana... Bj

AC disse...

O que te contém? Por que não dizes? Que desígnios ensombram teu ser? Por que teimas em pintalgar a vida com azedume do que te foge, por não ousares?

Sempre em grande, Graça!

Um beijinho :)

Odete Ferreira disse...

"As palavras em pausa são como farpas
destruindo o sentido do silêncio."
Se mais não escrevesses, o poema já estava aqui.
Bjo meu, Graça :)