6.7.20

Naquela aldeia havia uma ribeira

Ossi Saarinen
 

Naquela aldeia havia uma ribeira
onde vinham beber os homens e os lobos.
O menino ficava por perto
à espera que eles
 – os homens e os lobos –
viessem beber nas suas mãos.
Em seu olhar cristalino
há ainda um brilho feroz
que desperta no seu peito
as aves da montanha.

Graça Pires
De A solidão é como o vento, 2020, p. 43

63 comentários:

chica disse...

Linda tua poesia e deu pra imaginar perfeitamente a cena...A imagem linda igualmente!Linda semana,beijos, chica

brancas nuvens negras disse...

Um poema de saudade.

regina disse...

Que poema lindo. Vou referi-lo numa próxima postagem.
Na minha aldeia HAVIA um ribeiro, o ribeiro dos Linhos porque ali se tratava o linho. Hoje existe apenas o leito, coberto de silvedos
Bjs

Ana Freire disse...

Um poema que é um reencontro, com a essência de cada um... e a liberdade de se ser quem se é... e que se traz no peito...
Muito belo, Graça! Tal como o diálogo entre palavras e imagem!
Deixo um beijinho, e votos de uma excelente semana, com saúde e tranquilidade! Ando um pouquinho mais ausente da Net... enquanto recupero aqui mãe, de um problema circulatório numa perna... felizmente tudo correndo bem... para mais, numa altura como esta!... E eu ando aproveitando para descansar um pouco também... 2020 está-se a revelar um ano terrivelmente desgastante... mas em termos de pandemia... parece que ainda agora, a procissão só vai no adro... pois aqui na região onde moro... tudo está a ficar preocupante de novo... muitos casos ocorrendo... uns que se sabem... e outros, que se procuram ir escondendo... mas os assintomáticos... serão mais que muitos... :-(
O desconfinamento... veio despoletar muito problema... com as pessoas assumindo que a virose no Verão... também iria de férias... e poderiam voltar às atitudes e hábitos de sempre...
Beijinho! Grata pela atenção e gentil passagem por lá no meu canto!
Ana

Luiz Gomes disse...

Bom dia muito linda a poesia. Combina com as cachoeiras do Brasil onde temos lobos guarás. Convivência pacífica entre o homem e a natureza.

Lúcia Soares disse...

Bom dia querida tudo lindo bjs

maria alice marques disse...

Belas palavras que o autor usava para escrever os seus poemas« Alice

A.S. disse...

Naquela aldeia, havia uma paz única na plenitude do silêncio...e havia um menino de olhar brilhante e feroz com um coração doce!
Belo o seu poema.
Uma semana feliz minha amiga Graça.
Beijos.

São disse...

Gostei muito, mais uma vez...

Beijinho e boa semana, Amiga

Cidália Ferreira disse...

Um poema encantador numa imagem Divina. Amei!!
.
Gosto dos teus lábios sedentos ...

Beijo e uma excelente semana

José Carlos Sant Anna disse...

Nada retém os olhos que avidamente guardavam esta bela alegoria!
E a imagem a ilustrar o poema é perfeita!
Um beijo, minha amiga Graça!

NASSAH disse...

Very nice words I love it

Teresa Almeida disse...

Precisamos de água pura, de paz e de olhares cuja força desperte as aves da montanha.
Este poema, querida Graça, é tocante e sujeito a múltiplos olhares.

Bela criação, minha amiga!

Beijos.

© Piedade Araújo Sol disse...

Graça

um poema de onde se podemos tirar várias ilações.

um tempo onde o homem compreendia melhor a natureza.

tempos conturbados, mas que vamos ultrapassar, com fé e esperança.

gostei bastante.

boa semana com muita saúde e paz.

beijinhos

:)

Marta Vinhais disse...

Comunicar com o nosso eu.... num lugar onde fomos felizes...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Gracita disse...

Em harmonia perfeita os dizeres se coadunam com a imagem envolvendo-nos na magia encantadora dos versos
Maravilhoso poetar
Beijinhos poéticos

CÉU disse...

Ingenuidade de uma criança que só desejava carinho e afeto. Poema mto terno.
Beijos, amiga Graça!

" R y k @ r d o " disse...

Os homens e os lobos (que não sejam homens) nunca se deram lá muito bem.
Mas, poeticamente, sim. Gostei muito do lirismo do poema
Decerto que a criança era, poeticamente, uma criança abençoada.
.
Feliz início de semana
Abraço poético

Teresinha da Música disse...

Naquela aldeia,havia uma menina que era e sempre foi feliz!! Desejo,para ti,um abençoado mês de Julho,muita paz e muita saúde para ti,muitos beijinhos!!

carlos perrotti disse...

Poesia que detecta e só consegue tornar visível O Poeta... Obrigado por outro poema inesquecível, Graça.

Abraço grande, com muita saúde, amiga.

Os olhares da Gracinha! disse...

Parabéns pois o poema merece o nosso aplauso!!! Bj e obrigada pela visita

JUAN FUENTES disse...

La naturaleza es tan sabia que constantemente nos da señales.

Ailime disse...

Boa noite Graça,
Um poema muito belo em que o menino aguardava um carinho e atenção que decerto nunca teve, razão pela qual o seu olhar cristalino deixava prepassar algum desencanto.
Um beijinho minha Amiga e Enorme Poeta.
Boa semana com muita saúde.
Ailime

José Ramón disse...

Muy bello poema Saludos

bea disse...

Talvez um dia lobos e homens venham a beber das mãos de uma criança, mas para já não se vislumbra nuns ou noutros.

Roselia Bezerra disse...

Bom dia de paz interior, querida amiga Graça!
Chamou minha atenção de forma plena os pássaros suaves em meio a tanta neve.
Lindíssimo se poema de grande sensibilidade.
Tenha uma nova semana abençoada!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

Alécio Souza disse...

Olá querida Graça,

Pelo olhar do menino não há perigo de estar entre homens ou lobos, essa é a pureza da inocência! Achei lindo o poema.

Um beijo!

Toninho disse...

Que beleza de poema Graça.
Eu viajei e por isso gosto muito, vi o menino numa gruta fria da casa da Vó,
donde saia a água que ia até a casa por meio de tubos de bambu. Minha vó dizia,
que ali uma raposa descia da serra para beber água e mostrava as pegadas dela.
Eu menino queria ver a raposa, mas morria de medo da noite ali.
Semana linda e leve para vocês.
Beijo amiga.

solfirmino disse...

Amiga, bela imagem e belo poema. Pena que atualmente nenhuma aldeia tenha homens e lobos que bebam das mãos de meninos...
Ótima semana!

Juvenal Nunes disse...

Confesso que me pareceu um poema de interpretação difícil , quiçá multímoda. Li e reli e fiquei a pensar muito.
Fraterno abraço poético.
Juvenal Nunes

Isa Sá disse...

Bela imagem e um bonito poema.

Isabel Sá  
Brilhos da Moda

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Um belo poema muito bem ilustrado.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

LuísM Castanheira disse...

Na inocência ainda pura da criança as águas
correm-lhe pelo olhar, mas mais tarde só as
aves lhe trazem os sons da memória.
Em todos nós há uma aldeia de lobos e homens
(e eu gosto especialmente de lobos).
Belíssimo este teu poema, minha Amiga Graça.
Diria que nas mãos há um peito aberto de esperança.

Uma boa semana para vocês
um beijo

A Paixão da Isa disse...

so de olhar essa foto se pode imaginar como era muito bonito o poema bjs

Fá menor disse...

Muito belo, como sempre!
Há sempre um menino em nós à espera da amizade de alguém.

Boa semana, amiga!
Beijinhos.

Maria Emilia B. Teixeira disse...

Um olhar cristalino mostra a intenção.
Bela escrita.
Boa semana!

Agnieszka Mikołajczyk disse...

These words are the most illuminated in everyday life, best regards

ManuelFL disse...

Amou a montanha sobre todas as coisas, a neve fria, o uivo do lobo, a ribeira indómita. No olhar o brilho feroz da liberdade.

Bjs.

alfacinha disse...

A imagem da neve completa perfeitamente esse poema lindo
bjs

Marco Luijken disse...

Hello Graça,
What a nice little story. Wonderful.
And a wonderful picture of a snowy world.

Warm regards,
Marco

Agostinho disse...

Nos meninos os homens e os lobos bebem até que a sede adormeça nos corações.
Porém, as "aves da montanha" reabrem no instinto primitivo a crueldade dos punhais nas garras no alvoroço dos ventos. Por isso se lançam na loucura dos voos picados sobre vales e planícies.
No menino o lobo e o homem!
que imagem tão antiga e tão actual. Condição de cada eu carrega desde a alvorada ao pôr do sol.
Daí o desejo estéril do anoitecer, depois de todas as batalhas: "que descanse em paz".
Um poema saído da pena de Graça Pires para exorcisar penas. Para a reflexão profunda, para apaziguação de almas.
Um beijo grato, querida Poeta.

Tais Luso de Carvalho disse...

Que lindo, querida amiga Graça, fiquei a olhar a foto por bom tempo e nesse belo cenário de inverno imaginando o menino, o lobo, os homens contracenando com a inocência do menino sonhando, talvez com o voo das aves da montanha.
Uma boa semana, amiga, e cuide-se, o campo ainda está minado...
beijo!

Otília Martel disse...

Este poema fez-me recordar as férias passadas na aldeia do meu Avô e da ribeira lá existente testemunha das nossas brincadeiras infantis.
Um poema cicatrizante e que nos conduz à profundeza da alma.
Grata por ele.

Com dificuldades informáticas que estou tentando colmatar, deixo um grande abraço e que esteja tudo bem convosco.

teresa p. disse...

A água da ribeira onde bebiam os homens e os lobos e o menino que, na sua inocência, sonhava com o dia em que viessem beber nas suas mãos. Poema muito belo e pleno de significado e de afetividade.
Beijo.

Anete disse...

Muito bonito e reflexivo.
Gostei de imaginar o contexto...
Um abraço

Lowcarb team member disse...

That is a wonderful image …

All the best Jan

Jaime Portela disse...

Um poema belíssimo.
Com uma imagem muito bem escolhida.
Bom resto de semana, querida amiga Graça.
Beijo.

Sinval Santos da Silveira disse...

Mestra, Graça Pires !
fico a imaginar a beleza do cenário humano,
na mistura de homens, lobos e a emoção de um
menino !
Simplesmente, maravilhosos, o cenário e este
Poema !
Parabéns, Amiga! Uma feliz semana e um fraternal
abraço, aqui do Brasil !

Manuel Veiga disse...

homens e lobos habitam seu olhar
por vezes feroz, outras vezes terno e doce

muito belo!
encantador esse teu "universo poético!

beijo, querida Poeta

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Graça,
É uma delícia ler de como
é linda a pureza da criança
e de como a natureza é completa.
Lindo texto.
Bjins de sexta-feira.
Bjins
CatiahoAlc.

Maria disse...

Belíssimo poema !
uma boa tarde ...
Bjs.

Zilani Célia disse...

Oi Graça!
Lindos! Texto e imagem.
Abrçs

baili disse...

this was MESMERIZING dear Grace !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

you brought life to this view and the story of boy ,stream and wolves reminded me stream that i used to stare back in my village from house on top of the hill .the singing of that stream sound intensive and vivid during full moon nights :)

what a splendid art
HATS OFF TO YOU my friend!

Alice Alquimia disse...

Seu escrever me soa como uma linda história e junto dela escuto uma canção de ninar...

Maria Glória disse...

Olá Graça!
Agradeço pela visita em meu blog, espero que estejas bem.
A imagem escolhida nesta postagem é belíssima, muita beleza, assim como nas palavras, nos versos, que sinto ares de magia, encanto e desencanto.
Beijinhos e um ótimo domingo.

Lucinalva disse...

Olá Graça
Poema lindo, um forte abraço.

Duarte disse...

Belo poema, e imagem.
Fez.me voltar muito anos atrás.

Eu conheci uma, na que havia um riacho,
na que deslizaba uma serpente de água.
Bebi com a aba do chapéu, e soube bem,
voltei, por lá andei, e não a acho.

Abraços de vida, querida amiga

Mariazita disse...

O coração das crianças tem a capacidade de acreditar que homens e lobos podem beber da mesma fonte...
Lindíssimo poema pleno de belo significado.

Votos de um Domingo feliz
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Maria Rodrigues disse...

Que se mantenha sempre o olhar cristalino da nossa infância.
Belíssimo poema.
Beijinhos

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Metafórico en la enseña de la paz que debe darse entre los hombres, hoy tan divididos entre la maldad y la bondad de los actos humanos. Un abrazo. Carlos

teresa dias disse...

Querida amiga, em dez versos cristalinos contaste uma linda história sobre a relação homem-animais.
E a imagem que escolheste... bem, a imagem é TOP!
Gostei muito!
Beijo, obrigada pelo teu carinho.

Olinda Melo disse...


Até onde se pode ir para interpretar o sentido deste Poema?
O que eu sinto é que o menino representa segurança tanto
para os homens como para os lobos. Existe aquela pureza
que tudo dá e permite. E o olhar feroz nos seus olhos cristalinos,
qual a sua génese? Deixo a pergunta no ar. Talvez volte, se
encontrar resposta.

Como sempre, minha amiga Graça, os seus poemas são profundos,
convida-nos a olhar para dentro de nós.

Beijinhos

Olinda

AC disse...

Graça, mergulhar na sua poesia é irromper em cenários de grande beleza e profundidade. Grato.

Um abraço