22.11.07

Era novembro

Almada Negreiros
Pelo lado interior do tempo
assinalo, com traços de luz,
a cidade litoral onde nasci,
rente à fragilidade do outono.
Era novembro
e uma estranha sede
pairava sobre a terra,
ávida de líquidas paisagens,
quando minha mãe
me tomou nos braços
e disse: esta é a minha filha.
O seu corpo doía de tanta comoção.


Graça Pires
De Não sabia que a noite podia incendiar-se nos meus olhos, 2007

18 comentários:

soledade disse...

Que bonito!
Parabéns! Um beijo de parabéns :)

Menina_marota disse...

Apesar de um pouco ausente da internet, não quis deixar passar este dia, sem lhe vir desejar um FELIZ ANIVERSÁRIO, com um GRANDE ABRAÇO super carinhoso.

Uma imagem e um poema que me enterneceram a alma...

Beijinhos e tudo de BOM

(enviei email, que gostaria que lesse com uma certa urgência.) :-))

maria m. disse...

belo poema de maternidade (e de amor maternal)!

hfm disse...

A comoção é nossa neste "lado interior do tempo".

Parabéns. Um beijo.

maria carvalhosa disse...

Quanta beleza e ternura nas palavras deste poema! A imagem muito bem escolhida, também!
Parabéns, Graça.
Um beijo amigo.

Mïr disse...

Linda maternidade poética.

Rosa Brava disse...

Espero que não se importe que tenha levado "emprestado" o seu Poema e a imagem fabulosa de Almada Negreiros.

Um abraço carinhoso e FELIZ ANIVERSÁRIO ;

aLqUimISta disse...

Mais uma leitura agradável neste espaço onde me perco...

Parabéns :-)

Mar Arável disse...

ASSIM

É SEMPRE NOVEMBRO

AINDA BEM QUE NASCEU

PARABENS À MÃE

Ana disse...

Bendito é o fruto.

Viva!!!

Luis Eme disse...

Bonito... o poema da Graça e o quadro do Almada.

Parabéns!

abraço

São disse...

"esta é a minha filha"...e esta é quem escreve muito bem!
Abraço!

herético disse...

o poema é muito belo. "esta a minha filha" - como quem se cumpre!

(hoje sou particularmente sensível a semelhantes "fragilidades"!)

Monte Cristo disse...

Continuas, com os teus poemas, a pôr mel nos meus dias.

Sabes? O mel tem a cor e a textura - e o sabor - do lado bom da vida. Do verdadeiro.

Depois, lá está o Novembro, o «meu» Novembro de sangue e mosto. A vida a fervilhar no silêncio da «terra ávida».

Um beijo

lena disse...

Poeta linda e querida Graça Pires

um poema cheio de encanto, num traço de outono onde novembro é amor

parabéns pelo aniversário

parabéns por tanta beleza em cada verso, pelo sentir e por este novembro com um sabor especial: "esta é a minha filha"

brilhante


um abraço meu, terno e doce

beijinhos muitos

lena

Graça Pires disse...

Bem hajam minhas amigas e meus amigos pelos vossos parabéns. O meu aniversário deste ano ficou mais rico com as palavras de todos. Um grande beijo.

José M. Barbosa disse...

Muito bom.

Z.

Ana Pires disse...

É Lindo o poema! Muitos Parabens Mãe! e desculpa o atraso no comentário. :-)