9.1.08

De noite

Scotia Luhrs




De noite, o silêncio não apaga as imagens
sulcadas no olhar.
Um calamento, pressentido pelas fêmeas,
desnorteia os animais com cio.
Entre sombras, abordam-se segredos litigiosos.
As mulheres escondem, sob a roupa,
a prenhez da terra e sangram
os nós dos dedos no velho loureiro,
outrora plantado para coroar heróis
sem rosto, da estirpe dos homens.


Graça Pires
De Quando as estevas entraram no poema, 2005

28 comentários:

São disse...

O silêncio nunca apaga imagens, querida!Pelo contrário...
Abraços.

isabel mendes ferreira disse...

excelente "litígio".



de terra e sangue!



Graça...



(uma maravilha)




beijo. grata.

DE-PROPOSITO disse...

As mulheres escondem,
-----------
Todo o mundo (quase todo) esconde. A não ser as tribos (que dizem primitivas) que pouco ou nada escondem. E não sentem qualquer pudor, nem daí advém qualquer mal para o mundo. E segundo me consta, não há agressões, nem qualquer género de violência.
Fica bem.
E a felicidade por aí.
Manuel

Rui Caetano disse...

o silêncio aconchega o nosso olhar e afaga o nosso sentimento profundo.

herético disse...

belas as palavras que semeias. folhas de loureiro. em teus cabelos...

brilhante.

teresa p. disse...

Palavras sublimes carregadas de simbolismo.

A fotografia é também muito bela e tem tudo a ver.

Beijos

A Conxurada disse...

Cheguei aquí por casualidade, pero pareceume unha blogue marabillosa, volverei.

Saúdos

maria m. disse...

na noite. silenciosa iniciação. a pele sobre o leito de terra.

alice disse...

e de como à noite as imagens são mais nítidas e assustadoras. beijo.

Teresa Durães disse...

gostei bastante!

"outrora plantado para coroar heróis
sem rosto"

uma ode ao feminino fantástica

hfm disse...

Da noite, dos silêncios, das mulheres, dos mistérios - belíssimo!

livia soares disse...

Obrigada pela visita.
Seu espaço continua lindo.
Deixei um prêmio para vc no meu blog.
Um abraço.

Vieira Calado disse...

Um belíssimo poema!
Como já nos habituou, aliás.

Soledade disse...

O poema cruzou-se-me com estas linhas de José Saramago:
«... a grande, interminável conversa das mulheres, parece coisa nenhuma, isto pensam os homens, nem eles imaginam que esta conversa é que segura o mundo na sua órbita, não fosse as mulheres falarem umas com as outras, já os homens teriam perdido o sentido da casa e do planeta.» (do Memorial).
Um beijo, uma boa noite

Luis Eme disse...

O silêncio não apaga as imagens, de homens, de mulheres, mesmo que as estrelas se escondam no fundo da noite...

abraço

Marinha de Allegue disse...

O silencio prende e calma sempre dependendo do momento, coido que é un ben prezado e precioso...

Beijosss silenciosos.
:)

Licínia Quitério disse...

Noite, silêncio e sangue. E a presença épica das mulheres. Assim leio este fortíssimo poema.

Beijo, Graça.

Monte Cristo disse...

Na verdade, minha querida Graça, o silêncio é, nos tempos que correm, a mais eloquente das palavras, o mais persuasivo dos discursos - caso não se produza por pura cobardia.

Entre os que se amam, ou estimam, ele é o mel que dá cor e perfume aos pensamentos e os leva como se um sopro divino quisesse bafejar o tempo dos humanos (mas só dos que sabem soletar a palavra AMOR).

rouxinol de Bernardim disse...

O manto diáfano da fantasia, por vezes tem mais encanto que a nudez pura e dura...

Gostei deste striptease anímico tão salutar!

Quem escreve assim, merece que lhe tire o meu chapéu!...

São disse...

Boa semana!

Rosa Brava disse...

Passo
lentamente
como vulto
de sal e areia,
envolta no luar
que permanece
em meu olhar...

Passo
lentamente
por entre
mares e marés
de palavras
entregues
ao som da maresia...

E nesta viagem
em que sou vulto,
onda e areia,
mulher,
palavra,
aqui permaneço
estrela cadente
em noite de
lua cheia...



Um poema que transborda sentimentos...

Um abraço carinhoso ;)

São disse...

Amiga, a Luz da Manhã espera por ti lá em casa.
Agradeço que a aceites.
Semana iluminada!

MADRUGADA... disse...

Como é bom encontrar textos assim...!

São disse...

Ficaria contente se pudesses comentar o texto que coloquei em Silêncio Culpado, cujo link está nas minhas Netamizades!
Obrigada!
Bom dia.

Graça Pires disse...

A todos os que visitaram, aos que quebraram o silêncio e deixaram mensagens um grande obrigada e um beijo.

TINTA PERMANENTE disse...

Há, porventura, uma sonoridade helénica nestas (belas) palavras de verso...

abraço.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Um silêncio bem descrito.
Grande abraço.

lena disse...

a noite colheu o silêncio e fez-se mais noite...

as sombras adormecem numa terra, sem rosto


é um prazer ler-te querida Poeta

um abraço terno Graça Pires

e um beijo meu

lena