22.11.08

A casa


A minha irmã a trouxe: a foto da casa onde nasci,
como se fora uma gaivota de névoa.
Agora, a casa respira a meias com o longe
que nos separa da infância. As suas raízes
sobrevoam, tão cúmplices, tão subtis,
os nossos corações atordoados de menina.
Do fundo da tarde adivinhamos, sei lá,
o sótão pintado de pretéritas inocências,
a janelinha por onde as bolas de sabão
nos levavam, em estado de sonho,
por lugares que só o imaginário sabe.
Onde está o retrato do medo,
que sabíamos de cor, mesmo sem o olhar?
Onde está a outra menina
que connosco partilhava os frutos
de todas as estações e a quem,
também, chamávamos irmã?
Em vão, esperar a mais perfeita lágrima
para, em nome da sua ausência,
reconstruirmos a casa.


Graça Pires
De Ortografia do Olhar, 1996

44 comentários:

Andresa disse...

Lindo!
Não consigo comentar!Só sentir.
Parabésn pelo talento.

espelho sem reflexo disse...

Li.
E reconstruí-me.
À medida que as bolinhas de sabão me levavam.

(o meu sincero agradecimento por ter parado no cantinho dos meus imperfeitos rascunhos)

cumprimentos,
fvs

maré disse...

a meias com o longe
o pretérito nas mãos e os retratos, secretos, cúmplices,
a reconstruir o coração da casa.

________

tão nostalgicamente belo...

um beijo, Grande

... e em resposta

não,nunca havia pensado nisso. e é uma honra, alguém como a Graça, dizer que o que escrevo tem alguma qualidade. Eu não sei criar, limito-me a "escrever-me".
... e o meu conhecimento de como fazer para chegar a qualquer editora é nulo.

Obrigado, Graça.
As suas palavras são-me tão gratificantes!...

São disse...

Comovente e nostágico.
Também tenho fotos assim...
Bem hajas!

© Piedade Araújo Sol disse...

nostalgia, saudade, e a esperança na reconstrução da casa.

muito belo e comovente.

beij

http://cinzasdecarvalho.zip.net disse...

Que sensibilidade inigualável, Graça! Maravilha de texto. Maravilha de foto. Obrigada por compartilhar da sua bela história.
Beijo grande no coração.
Bárbara Carvalho.

Hercília Fernandes disse...

Muito belo, Glória.

As lembranças da "casa" que habitava os sonhos infantis revitalizam a memória através das paisagens oníricas pintadas pela ardente imaginação.

Saudações poéticas,

Hercília Fernandes (RN-Brasil).

hfm disse...

Não sei se pode reconstruir estas casas... pode-se é dizer delas da forma magnífica como tu a sabes.

VFS disse...

"Em vão, esperar a mais perfeita lágrima
para, em nome da sua ausência,
reconstruirmos a casa."

cristalinos do tempo!

Obrigado

Luis Eme disse...

sim,

precisamos da ausência para reconstruir e colar os pedaços do passado...

abraço Graça

Luis Eme disse...

Parabéns!

beijinho Graça

teresa p. disse...

Quanta saudade...
Muito belo e emocionante este poema.
Beijo

Ailime disse...

Um lindo regresso às memórias da infância!
"As suas raízes
sobrevoam, tão cúmplices, tão subtis,
os nossos corações atordoados de menina."
Um texto poético onde reflecte maravilhosamente os tempos que, embora longínquos, permanecem em nós.
Muito belo. Grata pela partilha.
Beijinhos.

d'Angelo disse...

Mais uma de suas pérolas, Graça: a infância relembrada, a inocência do ontem, com suas emoções e personagens. E um final magistral, onde a espera de uma "perfeita lágrima" coroa de beleza um fotograma em poesia.

DE-PROPOSITO disse...

Há vivências que nunca esquecemos. E o lugar (não digo o lugar do nascimento) onde fomos criados, é algo que nunca esquecemos.
Fica bem.
e a felicidade por aí.
Manuel

Monte Cristo disse...

Porque será que, quando crianças, queríamos crescer depressa e, ainda mais depressa, sermos «grandes», adultos? E porque será que, agora, gostaríamos de voltar a ser crianças e mergulharmos nos sonhos infinitos desses tempos?

Bolinhas de sabão, efémeras, como a nossa vida...

Um beijo.

Márcia disse...

"Em vão, esperar a mais perfeita lágrima
para, em nome da sua ausência,
reconstruirmos a casa."

Versos tão belos quanto a fotografia.
Um beijo daqui, Graça.

Eduardo Aleixo disse...

Lindo poema a ilustrar linda foto, daquelas a que vamos dando valor à medida que o tempo vai passando.
Beijo.
Eduardo

Cöllyßry disse...

Por momentos revi a minha na aldeia,à muitos anos...Lindo

Beijitos ternos


ölhår_Îñðîscrëtö...Å ¢µ®¡ö§¡dädë

Véu de Maya disse...

A beleza das raízes com profundidade poética...

abraço

OlharMeu disse...

Memórias da sua/vossa infância - feliz, apesar do medo que sabiam de cor, sem o ver.

Beijos.

Henrique Dória disse...

Essa inocência perdida que é o ponto mais luminoso da nossa memória, soubeste lembrá-la tão bem!

Nuno de Sousa disse...

Parbéns pelo excelente post aqui colocado, com uma foto de outros tempos e um texto fantástico e bem escrito. Bjs amiga,
Nuno

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Que coisa mais linda, Graça!
Divino é pouco para esse texto maravilhoso. Adoro lembranças e, quando poéticas, possuem um significado único em meu coração.
A foto, tão memoravelmente significativa!
Essa é uma das postagens mais lindas que já vi.
Parabéns! Sempre.
beijo no coração

Pedro Arunca disse...

Há photos que nos provocam mil palavras.

As tuas palavras são instantes que projectam bonitas imagens.

PA

De Amor e de Terra disse...

...e as lembranças se eternizam, na saudade desse tempo de inocência...é bom ter recordações e um pequeno cofre para as guardar;
muito belo, como sempre.
Vim também para agradecer os votos.
Correu tudo bem, obrigada.

Um beijo enooorme e a nostalgia implícita, depois de ler este belíssimo post.

Maria Mamede

Anónimo disse...

(a minha casa é a Tua casa)-desde há muito tempo já.

:)



beijo-te.



________________.


(piano)

O Profeta disse...

Recordações do passado que a voragem do tempo não apagou...


Doce beijo

Teresa Durães disse...

regressar às memórias do passado é ficar perplexo com o que já se passou

Parapeito disse...

que belas palavras...
palavras que escorrem pelas paredes e enchem de nostalgia e sentimentos "A casa"

*****

viernes disse...

são dificeis os nomes à beira da ausência, dificil a casa que se constrói sobre o passado...
belo poema,
um beijo

Regina disse...

Lindo, lindo, lindo... A infância habita-nos para sempre.

Um grande abraço e obrigada!

soledade disse...

A janelinha das bolas de sabão, os jogos infantis, o riso,a cumplicidade destas meninas e da figura materna, tudo o que a fotografia captou (que bela foto, Graça!) e o poema reconstrói - o regresso pelos caminhos da memória feliz.
Boa semana, um beijo

partilha de silêncios disse...

Doces memórias da infância...saudades... muitas !!!
Obrigada por partilhr essa linda foto de família e nos transportar ao passado das bolas de sabão e dos sonhos.
um beijo

Anónimo disse...

.

como se fora uma gaivota de névoa.





.



beijo.




(imf)

maría nefeli disse...

As casas, a nossa memória, a nossa ausência...
Um poema muito belo...um beijo

Paula Raposo disse...

Maravilhoso!! Adorei ler-te. Muitos beijos.

Marinha de Allegue disse...

"Re-Constru-indo" sempre...

Unha aperta grande Graça.
:)

Nilson Barcelli disse...

Um belo poema feito de recordações.
A nossa casa é um pedaço de nós...
Beijinhos.

Victor Oliveira Mateus disse...

A casa da infância sempre agarrada a nós como uma pele
A casa da infância na realidade definitivamente perdida
mas sempre recuperada num jogo de memória e poesia
Um beijo, Graça.

magarça disse...

gostei muito de ler este poema.. trouxe-me à memória uma das casas da minha infância. E muitas saudades..

maria m. disse...

gostei muito do poema. o final é belíssimo, comovente!

LM,paris disse...

Bonsoir_________como uma primeira pele este fio ténue, reserva de alguns sonhos e tanta nostalgia quebrando-nos o peito e a boca.
Como é lindo Graça e rasga-nos, bem-haja. Temos todas e todos uma casinha nas maos.
Bjos
LM

Hercília Fernandes disse...

Querida Graça.

Sua generosidade é visível em suas escritas e ações. Mais uma vez peço-lhe perdão pelo incidente...

Muito embora eu possa dizer-lhe, sem receios, que seus poemas são "glórias", dádivas divinas que nos acordam às recordações e nos aquece a memória. "A casa" é um bom exemplo, uma glória celeste.

Mudando de assunto...

Tenho um blog de assuntos literários e educacionais: "Novidades & Velharias: arte, bricolagem, poesia", e estou organizando uma seleta de vozes femininas, cujo recorte será a metalinguagem no fazer poético. Por isso, peço-lhe autorização para selecionar e postar uma de suas escritas nesta edição.

O quadro é permanente e inclui uma breve biografia das autoras, bem como uma fotografia.

Caso concorde em participar, pode entrar em contato através do e-mail:
fernandeshercilia@yahoo.com.br

Forte abraço,
Hercília F.