8.12.08

Memórias de Dulcineia X

Degas

De tão longe me tocaste.
Ou foi a tua sombra
que dançou
na minha sombra?
Podia ser de júbilo
a linha do teu rosto
quando soletraste
a rebeldia dos sonhos
e te fizeste errante.
Agora o sonho
é também o meu exílio.
E muito mais me perturba
o luto do olhar
do que a boca
ferida de silêncio.


Graça Pires
De Uma extensa mancha de sonhos, 2008

39 comentários:

Mofina Mendes disse...

Sempre a distância! Mais sofrida quando é interior...

bjinho

Peter Pan disse...

Sensível. Terno.
"...Agora o sonho
é também o meu exílio.
E muito mais me perturba
o luto do olhar
do que a boca
ferida de silêncio."

Todos os silêncios que são silêncios são de ouro. Ouro puro, amiguinha.
Sensibiliza e delicia a sua poderosa sensibilidade harmoniosa, terna e extraordinária.
Beijinhos
Sempre a lê-la com encanto. O seu poderoso e doce "encanto".
Precioso, amiga.
"Rendido" à pureza bela...

peter pan

Bandida disse...

o sonho em exílio. está sempre, ou não?

belíssimo o teu poema!!


beijo

maré disse...

desbravo o chão

onde permanece a sombra

à rebeldia da partida.

os sonhos moram-me e

... invento flores silvestres

dentro do silêncio

para entreter os olhos.
_______

tão belo Graça.

um beijo

hfm disse...

O "luto do olhar" e toda a caligrafia que lhe está subjacente. Belíssimo, Graça.

babel disse...

Um poema cheio de ritmo e, apesar do seu tom elegíaco, tem muita claridade. É curioso que, lendo-o com o entendimento "desligado", isto é, sem atender ao assunto, poderia ser um poema alegre. Isto não significa, que a forma não lhe caiba, muito pelo contrário, colabora em tornar o tema menos pesado, julgo eu.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

'Agora o sonho é também o meu exílio'; acho que é o de todos os poetas, que fazem do sonho sua morada eterna.
beijo no coração

gisela ramos rosa disse...

Gostei muito do seu poema Graça

"Um rumor de uma corola
aberta pelo silêncio"
(António Ramos
Rosa)!


Um abraço, Gisela

Licínia Quitério disse...

Deveras perturbador esse luto instalado no olhar.

Obrigada, Graça.

isabel mendes ferreira disse...

exílio de LUZ!!!!


.


aquele abraço Graça.


.



sempre em encanto.

d'Angelo disse...

Sombras que se entrelaçam, o degredo no sonho, o silêncio que fere, e sempre o encanto das palavras.

Teresa Durães disse...

exílio no silêncio mesmo que ferido

teresa p. disse...

"Ou foi a tua sombra
que dançou na minha sombra?"

Belíssima esta imagem, tão cheia de ritmo, de musicalidade e, apesar das sombras, tão luminosa...
Beijo.

Luis Eme disse...

sim, o luto do olhar é mais perturbante que o silêncio...

é ele que nos deixa sem saber o que fazer...

abraço Graça

Eduardo Aleixo disse...

Leitura errada dos sonhos de errância de uma felicidade livre e imaginada?
Dedilusão e frustração? Mas não é isso a vida de quem anda com os sonhos nas algibeiras como o vagabundo de Manuel da Fonseca andava com o sol nos bolsos?
Pois é.
Mas nem todos os corações, semdo malteses, conseguem viver como malteses.
E a alma do poema ficou triste.
Racionalmente não é grave e diria: acontece a muita gente.
E acho que é isso que devo dizer.
Mas o poema ainda tem a pele nos sonhos.
Vá lá, amiga-poema, quem não tem a alma triste e depois vem o sol, do amor?
Beijos.
EA

© Piedade Araújo Sol disse...

soberbo, como tudo o que sai dessa inspiração que parece nunca se esgotar.

realço esta frase:

Agora o sonho
é também o meu exílio.

fica um beij

Paula Raposo disse...

A ausência magoa. Belíssimo poema, como sempre, Graça! Muitos beijos.

Sophiamar disse...

"Agora o sonho é também o meu exílio" Lindo!

Sonha, amiga!

Gosto muito da tua poesia.

Beijinhos

PreDatado disse...

escolher o exílio nos sonhos e sentir toques como uma sombra dançando noutra.
Algumas figuras de estilo que requerem bastante atenção.

soledade disse...

Parece-me um dos menos sombrios entre os poemas deste ciclo de Dulcineia. Gosto da figura masculina que se adivinha, como que em negativo, e que descola da minha própria ficção de Don Quixote. Não é uma ficção favorável, a minha - prefiro a desta Dulcineia :-)
Um beijo

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Tenho muita pena de perder esta oportunidade de conhecer pessoalmente a excelente poesia que você é.

Quanto ao livro, depois lhe digo, tá bem?

Cumprimentos

livia soares disse...

Querida Graça,
eu me identifico muito com as suas "Memórias de Dulcinéia".
E gostei imensamente de vê-la na revista Diversos Afins - sinal de que mais brasileiros terão acesso à sua poesia.
Um abraço.

São disse...

O pior é quando a distância se resume a poucos mílimetros...
Beijinhos.

Menina_marota disse...

""...E muito mais me perturba
o luto do olhar
do que a boca
ferida de silêncio."

As tuas palavras cuja sensibilidade me enternece... e me mostram cada vez mais os caminhos de uma Poeta.

Um grande ABRAÇO

Eduardo Aleixo disse...

Graça

Vai ao meu blogue e tira de lá para o teu um selo com o título I love your blog. Dou com sinceridade.
Bj
EA

Benó disse...

Lindo poema para a saudade de alguém.

Um forte abraço.

Nilson Barcelli disse...

"E muito mais me perturba
o luto do olhar
do que a boca
ferida de silêncio."

Sabes dizer as coisas tão bem. E guardaste as melhores para o fim, na minha opinião.

Beijinhos.

Bia Pedrosa disse...

"luto do olhar"... expressão profunda e sensível.

muito bom vir por aqui!

beijos

De Amor e de Terra disse...

Olá Graça, bom dia vestido de cinza.
Também a mim me perturba mais um olhar vestido de luto...
se estivermos atentas, é realmente através do olhar que tudo se entorna, alma a alma.
Muito belo!
Beijos

Maria Mamede

mié disse...

belíssimo!


exílios...


"e muito mais me perturba o luto do olhar..."


Um beijo

enorme

Mariana disse...

não conhecia sua poesia, agora digo que encontrei um tesouro.

lindo.

JPD disse...

Era o júbilo, seguramente.
Belo poema, Graça.
Bjs

Pena disse...

Encantadora Amiga:
Um poema puro e extraordinário da sua sensibilidade maravilhosa.
"...E muito mais me perturba
o luto do olhar
do que a boca
ferida de silêncio...."

Lindo. Sabe, é linda!
Adorei! Sempre que entro aqui, saio fascinado e sensibilidado pela pureza e beleza de ouro das suas preciosas mãos puras de enternecer.
Como concebe tanto encanto fantástico...????????????
Beijinhos amigos de muito respeito.

pena (Memórias Vivas e Reais)

Sophie Gaarder disse...

O sonho sonhado é a evasão que nos toca.
Belíssimo!

Beijo

de.puta.madre disse...

O Silêncio fere sempre mais. Não é só feito de mistério, mas tb de crueldade.

PS.:Obrigada pela visita ao mapas ...

Ailime disse...

Sublime poema onde a saudade sentida se manifesta neste excerto que acho lindíssimo
"E muito mais me perturba
o luto do olhar
do que a boca
ferida de silêncio."
Magnífico.
Um beijo.

maria m. disse...

a nostalgia dos sonhos amargurados.

beijo, Graça.

Ailime disse...

Poema de extrema sensibilidade e beleza onde o "luto do olhar" apesar de "perturbador" ainda recorda com "júbilo" a "rebeldia dos sonhos"...
Muito lindo.`
Um beijo em verde esperança.
Feliz Natal.

Mara faturi disse...

O luto do olhar é sempre a pior sombra; dói...Cheguei aqui passeando pelas "coisas do Chico"...
Gostei muito,voltarei sempre,
bjo!