9.2.09

A primeira palavra

André Durand
Sob o domínio de Minos,
habitei o fortificado castelo de Knossos,
onde as mulheres alternavam, em si próprias,
as múltiplas formas dos deuses
e honravam, com o corpo,
o seu compromisso com o cosmos.
Hoje sei que nunca se repetirá a intacta perfeição
da primeira palavra com que nomeei a vida.

Graça Pires
De Labirintos, 1997

41 comentários:

Mésmero disse...

Acredita-se que nada se repete, nem mesmo o som de cada mesma palavra soa idêntica.

té mais!

mateo disse...

... e naquele princípio era o verbo, um outro mito. Ou não foi a Palavra a primeira?
Bjs

José Manuel Vilhena disse...

“a intacta perfeição
da primeira palavra com que nomeei a vida” é a massa com que moldamos todas as outras. Por isso escreve assim.

Um beijinho

O'Sanji disse...

o verbo fez-se carne...
e da palavra original se fez pecado.

Eduardo Aleixo disse...

Saudades das origens...Mas não estarão as mulheres sempre junto das fontes? Não são elas as fontes? Acho que sim. Ternas, sábias, letra primeira antes de todos os sons, mães, terra, ovo, águas das nascentes,ar leve do antes da manhã, princípio do mundo, independentemente de todas as variações que têm existido e hão-de existir nesta coisa convencional que se chama Tempo.
Um abraço.
Eduardo

hfm disse...

Nunca nada se repete, Graça, aí reside a dicotomia do prazer/dor. Belíssimo poema!

JPD disse...

Mas ficou o legado e ele representa muito «caminho» percorrido...

Belo poema, Graça

Bjs

Gisela Rosa disse...

...por isso a Palavra e o Amor nunca deverão ser em vão, apesar da (di)visão!


Um beijo Graça, adorei!

Huma Senhora disse...

A primeira palavra de todas as que aqui articula de forma tão encantadora.
Beijos

Paula Raposo disse...

Nada será igual. Gostei de te ler. Beijinhos.

AnaMar (pseudónimo) disse...

Nada se repete por vezes, só a história, em ciclos) numa transformação de inovação de nós.
Belíssimo.

maré disse...

e da mulher se reproduzia a flor

e da palavra primeira
o esplendor
a essência do verbo
onde acontece a vida

_______

Profundo, belo...

um beijo Graça

casa de passe disse...

SOS:

precisamos IMENSO

de um substituto para o João.

Loulou + Nini

Cata-Vento disse...

Um espaço de grande beleza. Encantatório. Sempre!

Beijinhos

Bem-hajas!

Licínia Quitério disse...

O som inicial e puro que nos fugiu.

Um beijo, Graça.

Teresa Durães disse...

mulheres que cumpriam os rituais para que a natureza e o Outro Mundo estivessem sempre em equilíbrio

MENSAGENS AO VENTO disse...

_________________________________

"...que pena meu amor, nunca mais, poder olhar-te com os da primeira vez..." ( JG de Araujo Jorge)

Nada será como foi, pois a vida é constante renovação...

Gostei muito do seu belo e reflexivo poema!!!

Beijos no coração...

________________________________

mié disse...

Belo poema Graça.

e a nostalgia do ser humano é essa certeza intuída que ficou lá muito atrás.

Um beijo

enorme

Mofina Mendes disse...

Nada se repete? Quem sabe...

Por mim, só posso repetir a admiração pelos seus poemas!

Um bjs

Luis Eme disse...

é verdade, Graça...

abraço

Nilson Barcelli disse...

A vida vai mudando de nome, de conteúdo e de sabor.
Belo poema, como todos os que fazes, sem excepção.
Beijo.

Artur Gonçalves Dias disse...

Bravo

Belo poema

Saudações

vaandando disse...

belíssimo poema...
um prazer lê-lo, e tentar decifrá-lo, digo tentar ...
beijo

__________ JRMarto

teresa p. disse...

"...a intacta perfeição
da primeira palavra com que nomeei a vida."
Muito profundo... muito belo!
Beijo.

alice disse...

este último verso é definitivo, graça. é de uma força de grandeza que só uma poeta sabe escrever. um regalo para mim que li e aprendi. um grande beijinho.

simplesmenteeu disse...

Maculada a "intacta perfeição", feriu-se a claridade.
O grito do ventre da terra, perdeu a limpidez original, porque rasgado a sangue e lama...
As mulheres, perderam a leveza que as fazia voar mas, num lugar secreto guardaram, a primitiva semente da renovação...
Um beijo

Adriana disse...

A primeira palavra...amor

maria m. disse...

a primeira palavra era sagrada...
bonito poema, Graça! um beijo.

São disse...

...mas continuarás a escrever poesia perfeita!
Um abraço.

mariab disse...

perdemos a perfeição. mas ficou a ideia dela. e assim nos alimentamos.
beijos

heretico disse...

o compromisso com a vida é hoje bem mais complexo. de facto...

Eros cedeu lugar a Hefestos.

excelente.

beijos

tinta permanente disse...

Lembrei-me, porque a associação me pareceu simples, intuitiva, apetecível e convidativa: a Mátria poesia da Natália Correia...

abraços!

pin gente disse...

a primeira palavra devia ser amor...
meu amor!

um beijo

Maria Clarinda disse...

Que maravilha!!!!Obrigada pelo momento!!!!!Jinhos

Pena disse...

Doce Amiga:
Corpo e espírito em comunhão de condutas. Posturas culturalmente aceites e alicerçadas pelo seu brilhantismo da poesia fabulosa. Linda.
Peculiar poetisar. Um "sentir" de fascínio e "delírio" inédito.
Beijinhos de respeito. Imenso.
Com respeito e estima.
É fabulosa, sabia?
Cordial e afavelmente.
É sublime.
Sempre a admirá-la. SEMPRE!

pena

viernes disse...

É muito belo este poema, Graça, com esse final tão preciso... As primeiras vezes têm a perfeição do tempo que ainda não aconteceu...
Um beijo

Ana Matias disse...

Lindo! Lindo! Lindo!
Adorei!
Beijos!

sonhos sonhados disse...

...espaço e tempo em comunhão!

...gostei das tuas palavras
e
da forma como a mulher se molda nelas!

jinhux létinha

Hercília Fernandes disse...

Belas imagens míticas que, juntas e se metamorfoseando, buscam as origens do verbo.

Mais um lindo poema, Graça.
Parabéns!

Beijos,

H.F.

maria carvalhosa disse...

Brilhante, Graça. Mas de ti já espero sempre o melhor!...
Beijos.

Parapeito disse...

...Lindo ....só assim vale a pena :)

Um fim de semana cheio de palavra...mágicas ****