6.2.09

Em seara alheia



NATUREZA QUASE


Eram mulheres à volta duma mesa.
Teciam conversas com linhas da voz.
Os olhos desviavam insectos verdes
a zumbirem memórias de outras mesas.
Deitavam cartas a convocar futuros.
No fruteiro, a natureza quase morta.
No retrato tinham pupilas vermelhas -
Como as feras no escuro.

Licínia Quitério
aqui

In: De pé sobre o silêncio. 2008

30 comentários:

Paula Raposo disse...

Eu gosto do que escreve a Lícinia e curiosamente quase nunca visito! Obrigada por me lembrares. Beijinhos.

Hercília Fernandes disse...

Belíssima seara, Graça Pires.

O poema, além de expressar o universo feminino em suas singularidades, é altamente paisagístico.

As imagens, postas fartamente à mesa, levam-nos a colorir uma lindíssima aquarela.

Parabéns à autora e a você, Graça, por compartilhar essa bela tela da natureza humana!


*Mudando de assunto...

Terminei de realizar a leitura dos seus livros e fiquei inteiramente encantada. As cartas são simplesmente divinais. Breve lhe encaminharei um e-mail falando detalhadamente a respeito.

Forte abraço, minha amiga.

H.F.

Pena disse...

Um perpétuo recordar. Sentir. Ser.
"...No fruteiro, a natureza quase morta.
No retrato tinham pupilas vermelhas -
Como as feras no escuro..."

Um imaginário fantástico.
Parece de saudade e dor.
Excelente!
Beijinhos de respeito imenso, amiga.
OBRIGADO pela simpatia expressa no meu "cantinho".
Bem-Haja, genial amiga.
Cordialmente...

pena

Isabel disse...

como Ela escreve.....não no escuro. antes na clara ideia de quem anda por dentro do silêncio.





obrigada Graça. sempre e sempre.

aquele abraço. tão especial.




(piano)

maré disse...

a convocar futuros
a exorcizar passados
e um presente parado

"eram mulheres à volta de uma mesa"

______

e como digo:

enlaço-me nas tuas,
Herdeira de um encantamento que estendes aos outros.

um grande, grande beijo.

Miguel Barroso disse...

Não conhecia a autora, vou ver. Belo.

Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

José Manuel Vilhena disse...

um beijinho.

ps- o texto é um quadro,desenha-se na nossa cabeça à medida que o lemos.

PreDatado disse...

Bonito poema. Fui lá ao site também.

© Piedade Araújo Sol disse...

uma boa escolha deste poema da Lícinia, eu acho que ela escreve muito bem.

um beij

Victor Oliveira Mateus disse...

Pois bem, vou começar por aqui!
E começo bem! Já me tinhas falado
nesta poesia e agora confirmei!
Boa escrita! Escorreita, uma manipular seguro das imagens,
formalmente rico mas sem exageros
espúrios como no verso onde está o "quase". Gostei muito.
Um beijo, Graça.

alice disse...

somos mulheres à volta desta grande mesa que é a poesia :) um beijinho grande e obrigada pelas suas palavras n'a tradução. bom fim de semana!

Mésmero disse...

Quase quase...

Vieira Calado disse...

Bem bom, como sempre!


Bom fim de semana.

DE-PROPOSITO disse...

Eram mulheres
----------
Eram mulheres, e continuam a ser.
É que MULHER, é SEMPRE MULHER.
Fica bem.
Felicidades.
Manuel

Marta disse...

Bom dia...
A Pin deixou-lhe um presente no blog dela...
Parabéns...
Beijos e abraços
Marta

Gisela Rosa disse...

Graça, este poema impressiona como um feitiço!

Um beijo

São disse...

Parabéns às duas!
Bem hajas!

hfm disse...

Belo como ela sabe!

JPD disse...

Um bj para a Licínia

Boa iniciativa a de editar trabalhos alheios.

Bjs

dona tela disse...

Andamos para aqui a fazer catarses, é o que é.

mariab disse...

belíssima, esta seara onde colheste o poema. no feminino.
beijo e bom fim de semana

heretico disse...

gosto muito dos poemas (e outros escritos) da Licinia.

excelente esta seara... que tão bem cuidas.

beijos

Guru Martins disse...

...muito bom!!!
vim visitar e
gostei muito
de tudo por aqui.
Vai ser um prazer
te receber no balaio...

bj

teresa p. disse...

Um autêntico retrato no feminino...
Gostei muito do poema. Parabéns!
Beijo.

maria disse...

Uma pintura, este poema, simultaneamente forte e subtil...
Obrigada pela partilha
Beijo

Peter Pan disse...

Maravilhosa Amiga:
Um extraordinário poema de encantar e deliciar. Refere um sentir normal, alegre, harmonioso e talentoso.
Muito Bem, amiga gigante, deixa-me feliz com a sua pureza e beleza imensas de agradabilidade que vai em si e no que é.
Adorei!
Um fabuloso poetar em que as palavras ganham vida de forma carinhosa numa pessoa doce e encantadora.
Beijinhos de admiração que sempre a respeitará e estimará


pena/Peter Pan

OBRIGADO pela simpatia tão grande expressa nos dois "cantinhos" que fazem parte do meu existir e sentir.
Bem-Haja, amiguinha!
Oh, está arreliada Com o Peter Pan?

De Amor e de Terra disse...

E ao redor da mesa,(e do lar) tudo se conjuga; passado, presente, futuro, nas mulheres de todas as gerações. É ainda ao redor dela, a fartura de conversas, comida, chás, mezinhas, saberes transmitidos através do tempo!

AMEI!!!
Bj

Maria Mamede

Mar Arável disse...

Só uma grande sensibilidade

se expõe deste modo

e em colectivo

Um espaço - o teu

referência que dá prazer

partilhar

viernes disse...

Belo poema, com dois grandes versos finais, o brilho dos olhos na escuridão é aquilo que a faz atractiva...

um beijo

maria m. disse...

Bela escolha, Graça! Gosto habitualmente do que escreve a Licíonia Quitério.