4.1.14

A tremenda voz de um país calado

Magno Torres

Ouves? Não é um tumulto. É a tremenda voz de um país calado.
Não, não é um choro.São inúteis as lágrimas nos tempos da revolta.
Também não é uma reza. Há muito que os deuses não passam por aqui.
Podiam ser canções para enganar a mágoa,mas quem quer cantar agora?
Ouves? É o silêncio feroz dos que resistem.
Ignoremos, então, a exacta trama que nos deforma o pranto.
Cortemos o arame farpado que enlouquece as aves e os homens.
Quebremos os vidros que roubam a entrada livre do ar na planície do peito.
Passo a passo, a alvorada será a revelação do alento 
que, desesperadamente, imploramos. 

Graça Pires, 2014

28 comentários:

anamar disse...

Sentidamente atual.
Beijinho, Graça

Manuel FL disse...

Vivemos tempos difíceis. Tempos de tribalismo político, de intolerância e de indiferença ou desalento. Mas como este belo poema de rebeldia e de indignação nos aponta «Cortemos o arame farpado que enlouquece as aves e os homens (e)Quebremos os vidros que roubam a entrada livre do ar na planície do peito.»
Beijos.

Manuel FL

JP disse...

Como dizia o poeta, somos um povo, pacificamente revoltados. Até um dia, até um dia...

Beijinho

Licínia Quitério disse...

A contenção da dor de um país à beira do imenso desastre. Só uma Poeta como tu, Graça, o sabe dizer.

irneh disse...

Muito bom. Gostei e voltarei mais vezes. Bom ano novo. Beijinho

São disse...

Parabéns pelo post.

A foto é um espanto e o teu poema não desmerece nada, antes pelo contrário.

Abraço

Germano Xavier disse...

Graça bonita, vamos em frente neste 2014. Obrigado por tudo.

AC Rangel disse...

Só mesmo alvorada para restituir o alento de que precisa este povo para romper tanto silêncio... Lindo poema!

Albertina Costa disse...

Muito bom Graça, beijinho e BOM Ano 2014.

Marta Vinhais disse...

E voamos nas palavras...
Brilhante...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Mar Arável disse...

Bom regresso ao meu mar

Bjs tantos

Lídia Borges disse...


Palavras que faltam.
É bom saber que não estamos sós!...

Um beijo

Silenciosamente ouvindo... disse...

Venho agradecer sua visita a um
dos meus blogues e seu comentário.
Tentei registar-me no seu, mas neste momento não é possível.Tentarei de novo.
Tenho um outro blogue
http://sinfoniaesol.wordpress.com
onde insiro poesia que me é cedida.
Tinha muito gosto em inserir um
poema seu com os devidos créditos.
Se me quiser enviar um meu email
é iriste@portugalmail.pt
Bj.
Irene Alves

teresa p. disse...

Magnífico! retrata bem a angústia e o desânimo de um país que sofre. As palavras são fortes e traduzem profunda sensibilidade poética.
Muito lindo!!!
Bj.

Maria Luisa Adães disse...

Não a conhecia, mas hoje a encontrei nos 7degraus e aqui estou...a quis conhecer...
e adorei a forma sentida e pungente como escreve e se refere a este País que não fala e tudo aceita e é fácilmente enganado.

Somos uns revoltados calados
e uns pacificos revoltados...

Linda a forma como o diz!

Maria Luísa

Victor Oliveira Mateus disse...

É tão bom ler-te, Graça!!!Bjnhs.

Teresa Poças disse...

Muito bom!
Gostei em particular do título. Vivemos, sim, no país calado e espero que o nosso silêncio seja feroz.
Obrigada por acompanhar o meu blog. Recomecei a publicar há pouco e já ninguém se lembra de lá ir e por isso fiquei mesmo feliz por saber que o acompanha. Beijinhos

AC disse...

Graça,
É urgente partilhar esse silêncio feroz, como uma enorme e indestrutível corrente...

Um abraço

A disse...

A imagem completa o excelente poema.
Muito bom Mãe, Parabéns!Beijinhos

Ana Pires disse...

Uma Linda imagem,para um excelente poema. Muito bom Mãe, Parabéns! Beijinhos.

© Piedade Araújo Sol disse...

actual e pertinente.

realidade de um momento.

:)

Laura Ferreira disse...

lindo...

Nivaldete disse...

"...o silêncio feroz dos que resistem"...
Radical. Belo.
Ainda bem que há disto no mundo, num tempo assim...

manuela baptista disse...

é como uma nascente de água,

irrompe, um dia, com força

um abraço

Ailime disse...

Desejo ardentemente essa alvorada.
Um beijinho.
Ailime

Vieira Calado disse...

Sem surpresa, aqui encontro sempre a boa poesia!
Saudações poéticas!

Silenciosamente ouvindo... disse...

Gostei imenso desta sua poesia.
Muito mesmo.
Bj. amiga.
Irene Alves

Odair Ribeiro disse...

Vistando!