22.4.14

Em seara alheia



Não é ainda a luz de abril

Não.
Não é ainda a luz de abril
que alastra neste chão.
É apenas um sorriso, 
um breve rumor a roçar
o veludo das ervas.

Ainda não se ouve, ao longe,
a canção do milho sobre os campos,
a sua gloriosa subida às mesas,
nas casas.
Ainda não se ouve nada.

Por agora falo-te da sombra
que sobra deste inverno,
da sombra que se cola à terra nua
E se demora no sono enrolado
dos gatos.

Ficarei por aqui. Aceito ficar
com as mãos magoadas
e o delírio da febre nos olhos
enxotando palavras de vento no escuro.

O sorriso?
Ah!... O sorriso entornou-o aqui a seda
de uma rosa.
Abriu-se, pura, à proa de uma súbita
primavera.

Lídia Borges
In: Sementes Daqui. Macedo de Cavaleiros: Poética Edições, 2013, p. 70

32 comentários:

Graça Pires disse...

Obrigada, Lídia, por este teu livro "Sementes Daqui" habitado por poemas muito belos, onde as palavras foram escolhidas como quem escolhe as melhores "sementes" para que a colheita seja rara.
Obrigada por estares aqui, na minha "Seara alheia" com este poema cheio de sensibilidade e tão apropriado ao nosso ABRIL. Bem hajas.
Um beijo grande.

Marta Vinhais disse...

E um sorriso ilumina a vida...
Gostei muito....
Beijos e abraços
Marta

Ailime disse...

Bom dia Graça, que poema maravilhoso da Lídia! Graça e Lídia, poetisas que admiro tanto, mas tanto!
Beijos e abraços para ambas. Ailime

José Vilhena Moreira disse...

Lindíssima escolha, Graça.
Não existe nada mais parecido com o mar do que as searas e com a liberdade o próprio mar.
Parabéns, Lídia. Um belíssimo poema.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Graça, desta vez sou eu que descubro uma nova poética. Nao conhecia, obrigado pela partilha.

Abraços

São disse...

De mãos magoadas e coração chorando por este tempo de chumbo, aqui estamos...mas com a determinação bastante para plantar cravos sempre.

A poesia da Lídia, que conheço há tempos, agrada-me muito e deixo parabéns a ambas.

Beijinho, Graça

António Eduardo Lico disse...

Uma bela poesia.
Não conhecia a autora. Uma bela surpresa.

Nilson Barcelli disse...

Gosto da poesia da Lídia.
E este poema não foge à regra. É magnífico.
Graça, tem uma boa semana.
Beijo.

Maria Luisa Adães disse...

A tenho encontrado e só hoje tive oportunidade de a procurar e encontrar.

A Graça não escreve? Mas dá a oportunidade a quem escreve, é isso?

Muito interessante sua presença no meu blogs. Agradeço! O poema que escolheu é muito bom!

Um abraço e obrigada pela sua presença e suas palavras!

Maria luísa

Mar Arável disse...

Mais um belo poema

num livro de searas

Bj

anamar disse...

O sorriso da primavera ... desta que vivemos, é amarelo e gélido...

Abracinho, Graça.

Agostinho disse...

Belo poema para despertar Abril.
Obrigado a Lidia Borges que enche de luz o que resta dos cravos; obrigado a Graça Pires pela escolha e acerto na hora de acender o farol.

Benó disse...

Ótima escolha, Graça.
Um abraço e resto de uma boa semana.

© Piedade Araújo Sol disse...

em seara de poesia a Lídia lembra-nos Abril em forma de uma rosa...


:)

Lídia Borges disse...


Graça, fico sem palavras quando alguém profundamente conhecedor da arte poética como a Graça é, gosta de algumas palavras minhas.

Grata por tanto!

Um beijo

O meu agradecimento também às pessoas que deixaram palavras carinhosas.

teresa p. disse...

"Não é ainda a luz de abril"
Gostei muito deste poema da Lídia Borges, tão cheio de claridade. Ótima escolha para assinalar o 25 de Abril. Parabéns às duas poetas!
Beijo.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
Poema belíssimo que só uma grande poetisa tem capacidade de o criar. parabéns.
Dia feliz.
ag

http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

Gaby Soncini disse...

Que sorriso mais lindo! Encantou meu coração!

Beijos!

ManuelFL disse...

Um belo poema, evocativo de uma data que diz tanto a tantos de nós.

ManuelFL

O Puma disse...

Em MAIO

recriar os cravos

dade amorim disse...

Um lindo poema, cheio de beleza!

Beijo!

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Lindo!
Gosto destas "confidências"

:)

heretico disse...

que a súbita primavera se derrame em nossa esperança.

amorável esta vossa cumplicidade literária. que encanta e apazigua.

beijos

Pérola disse...

Abril já entrou de mansinho e de tantas formas.

Uma ortografia irrepreensível.

Beijinhos

Ailime disse...

Bom dia Graça, muito obrigada pelo seu comentário no meu humilde canto.
A festa foi linda e tive o privilégio de a viver no coração dos acontecimentos;))- Largo Carmo - um dia inesquecível!
Beijinhos e feliz Dia 25 de Abril! Ailime

Ana Tapadas disse...

Li o poema na autora e é, de facto, muito belo e adequado.

Beijo

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Uma bela escolha. Adoro a poesia da Lídia e este poema é maravilhoso.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Maria Alice Cerqueira disse...

Querida amiga, eu vim agradecer a sua doce presença em meu cantinho!
Obrigada pelo carinho de sua presença e amizade!
Por favor, me perdoe o copia e cola, é que no momento estou muito sem tempo para deixar aquele recadinho especial.
Hoje sou portadora de uma linda noticia.
Eu e meu marido somos avós, Ligia a nossa netinha nasceu ontem ás 6 h.30m da manhã.
Nasceu de 7 para 8 meses, mas com a graça de Deus ela está bem e a minha nora também!
Um maravilhoso fim de semana para você.
Abraço amigo
Maria Alice

Vieira Calado disse...

Um belo poema!

Agora tenho vídeos sobre o tema 25 de Abril hoje, no Centro Cultural de Lagos.
Estarão lá até Julho.
Beijinho para si!

manuela barroso disse...

Um poema que não se lê.
Saboreia-se nas searas que nos encantam com o seu bailado.
Obrigada Graça
Parabéns Lída
Beijinho meu

Maria Emilia Moreira disse...

Um belíssimo poema, muito bem escrito e bem escolhido. Parabéns à autora e obrigada pela divulgação! Um abraço.

Parapeito disse...

Sempre bom ler Lidia Borges.
Abraço*